Criador da vacina COVID-19: ‘Não podemos vacinar o planeta a cada seis meses’

Por Jack Phillips

O criador de uma das vacinas COVID-19 mais usadas no mundo reconheceu na terça-feira que “não é sustentável” fornecer continuamente doses de reforço às pessoas duas vezes por ano.

Em entrevista ao The Telegraph na terça-feira, Andrew Pollard, um dos criadores da vacina Oxford AstraZeneca COVID-19, observou: “Não podemos vacinar o planeta a cada seis meses”.

Ao invés disso, os legisladores deveriam tentar “atingir os vulneráveis” no futuro, e não fornecer doses a qualquer pessoa com 12 anos ou mais, disse Pollard, que também é responsável pelo Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização do Reino Unido. Mais dados devem ser coletados sobre “se, quando e com que frequência aqueles que são vulneráveis precisarão de doses adicionais”, continuou ele.

Isso ocorre quando alguns países, incluindo Israel, estão iniciando ou considerando o lançamento de uma quarta dose de vacina. Na segunda-feira, as autoridades israelenses começaram a oferecer a dose a todos os trabalhadores médicos e indivíduos com 60 anos ou mais.

Em Israel, as doses de reforço são conectadas aos passaportes individuais de vacinas COVID-19, conhecidos como “passes verdes”, que são usados para entrar em certos negócios. As autoridades anunciaram no ano passado que os passes verdes expirariam se a pessoa não recebesse um reforço dentro de seis meses após receber a segunda dose inicial da vacina.

O ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, no final de dezembro, disse à emissora pública ZDF que os alemães “precisarão de uma quarta vacinação” para COVID-19 nos próximos meses, enquanto as autoridades da Holanda notaram na semana passada que compraram doses de vacina suficientes para fornecer três reforços extras até 2023.

“Em algum momento, a sociedade tem que se abrir. Quando abrirmos, haverá um período com um aumento nas infecções, razão pela qual o inverno provavelmente não é a melhor época ”, disse Pollard na entrevista de terça-feira. “Mas essa é uma decisão para os formuladores de políticas, não para os cientistas. Nossa abordagem precisa mudar, para confiar nas vacinas e nos reforços. O maior risco ainda é o não vacinar-se.”

O Reino Unido, acrescentou ele, não deve seguir cegamente as políticas de reforço que foram implementadas ou estão sendo propostas atualmente na Alemanha e em Israel.

Desde que a variante fortemente mutada foi detectada pela primeira vez em novembro, dados da Organização Mundial da Saúde mostram que ela se espalhou rapidamente e surgiu em pelo menos 128 países, apresentando dilemas para muitas nações e pessoas que buscam reiniciar suas economias e vidas após quase dois anos de problemas com as interrupções relacionadas ao COVID.

Porém, mais evidências estão surgindo de que a variante Ômicron está afetando o trato respiratório superior, causando sintomas mais leves do que as variantes anteriores e resultando em uma “dissociação” em alguns lugares entre o número crescente de casos e as baixas taxas de mortalidade, disse um funcionário da OMS na terça-feira.

 

A Reuters contribuiu para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas