COVID-19 pode fazer com que o sistema imunológico dos pacientes ataque suas próprias células, aponta estudo

Um aspecto do estudo visava descobrir mais sobre os anticorpos e, mais especificamente, sobre os anticorpos autorreativos, que visam tecidos de pacientes gravemente enfermos infectados com o vírus do PCC

Por Paula Liu

Um novo estudo (pdf) indica que o vírus do PCC pode fazer com que o sistema imunológico de um paciente ataque os tecidos de seu próprio corpo.

O estudo, que foi lançado recentemente como uma versão preliminar em 23 de outubro, ainda não foi revisado por especialistas.

“Nós descrevemos a descoberta alarmante de que nos pacientes mais doentes com COVID-19, a produção de autoanticorpos é comum – uma descoberta com um impacto potencialmente grande tanto no atendimento ao paciente em estado crítico quanto na recuperação de infecções”, escreveu Matthew Woodruff, um dos autores do estudo, em ScienceAlert.

Um autoanticorpo é um tipo de anticorpo no sistema imunológico que ataca as próprias células e moléculas e causa várias doenças autoimunes.

Woodruff afirmou que um aspecto do estudo visava descobrir mais sobre os anticorpos e, mais especificamente, sobre os anticorpos autorreativos, que visam tecidos de pacientes gravemente enfermos infectados com o vírus do PCC, em vez do micróbio que causa a doença.

Os autoanticorpos foram encontrados pela primeira vez quando pacientes infectados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) começaram a desenvolver coágulos sanguíneos e, mais recentemente, podem ter alguma relação com o comprometimento da imunidade antiviral, de acordo com um estudo publicado em a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS).

O estudo, conduzido pelo grupo Lowance Center, analisou 52 pacientes com COVID-19 grave que estavam na UTI, nenhum dos quais tinha histórico de doenças ou distúrbios autoimunes.

Quando esses pacientes foram testados para autoanticorpos, os pesquisadores descobriram que 59 por cento testaram positivo. Além disso, entre aqueles com a maior quantidade de proteína C reativa, uma proteína produzida pelo fígado de uma pessoa em resposta à inflamação, mais de dois terços mostraram sinais de que seu sistema imunológico estava atacando suas próprias células.

Woodruff citou um exemplo de autoanticorpos e comparou a reação ao lúpus, que cria autoanticorpos que atacam o DNA do paciente.

“Pode ser que uma doença viral grave resulte rotineiramente na produção de autoanticorpos com poucas consequências; esta pode ser apenas a primeira vez que o vemos. Também não sabemos quanto tempo os autoanticorpos duram. Nossos dados indicam que eles são relativamente estáveis ​​por algumas semanas. Mas, precisamos de estudos de acompanhamento para entender se eles persistem rotineiramente além da recuperação da infecção”, disse Woodruff.

O teste de autoanticorpos em pacientes pode ajudar a identificar outros pacientes que sofrem dos mesmos problemas e, dessa forma, a equipe médica pode reagir em tempo hábil para aplicar os tratamentos.

“Ao testar os pacientes imediatamente após eles se recuperarem da COVID-19, podemos estabelecer uma referência e começar a rastrear o possível surgimento de uma nova autoimunidade a partir dessa doença terrível e planejar uma intervenção reumatológica precoce, se necessário. ”Woodruff disse.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas