Costa oeste dos EUA sofre onda de calor ‘sem precedentes’

Por Agência EFE

A costa oeste continua a sofrer uma onda de calor “perigosa e sem precedentes”, que tem levado à quebra de inúmeros recordes históricos de altas temperaturas em várias zonas do país, informou neste sábado o Serviço Meteorológico Nacional (NWS, em inglês).

Esta onda de calor está se mantendo forte em grande parte da Califórnia, Nevada, Arizona e Utah, onde avisos de “calor excessivo” foram emitidos durante a noite de domingo.

Até lá, o NWS antecipa que vários recordes de temperatura podem ser ultrapassados ​​neste sábado, especialmente na Califórnia, Nevada e Arizona, os estados mais atingidos pela onda de calor e onde os termômetros ficarão bem acima da média.

Na sexta-feira, uma temperatura máxima no país de 51 graus Celsius foi registrada no deserto do Vale da Morte, localizado no sudeste da Califórnia.

Mas em áreas muito mais habitadas, como a populosa cidade de Tucson, no sul do Arizona, temperaturas de até 45 graus foram registradas nesta semana, quatro a mais do que em Utah, onde 41 graus igualaram seu recorde histórico, de acordo com dados do NWS.

Até que uma frente fria dê algum alívio a parte da costa oeste do país nesta segunda-feira, os recordes históricos continuarão sendo superados e tudo isso sem o verão ter começado oficialmente, o que acontecerá na próxima segunda-feira.

A empresa meteorológica privada AccuWeather antecipa que em Las Vegas (Nevada) sua marca histórica de 45 graus Celsius, fundada em 1940, está em risco neste sábado.

Algo que já aconteceu nos últimos dias em várias cidades da Califórnia, como Indio, onde os 48 graus registrados na sexta-feira deixaram para trás os 47 registrados em 1922.

No total, cerca de 40 milhões de pessoas estão sob “alerta de calor excessivo”, por isso as autoridades recomendam reduzir a exposição ao calor e observar os sintomas de insolação, que podem ser fatais.

Essa onda de calor agravou a situação de escassez de chuvas nesta região do país e, de acordo com o Monitor de seca americano, as condições atuais são as mais extremas das últimas duas décadas.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas