Corrupção na Petrobras gera desemprego, falências e quebra de contratos

A petrolífera portuguesa Galp, a espanhola Repsol, a italiana Saipem e a britânica BG Group estão entre as seis empresas européias que sentiram o impacto da crise financeira que atravessa a Petrobras e dificulta as operações dos seus fornecedores. “A reprogramação do plano de negócios no Brasil é mais devido à falência de empresas prestadoras de serviços à Petrobras”, disse o presidente da Galp, Ferreira de Oliveira, em declarações aos jornalistas durante encontro com investidores, em Londres, em meados de março.

Segundo ele, o problema é provocado por seis plataformas que deveriam entrar em operação em 2017 e que agora só deverão começar a funcionar em 2018, explicou, o que teve um impacto: “O nosso diagnóstico dita um ano de atraso, mas é uma estimativa da média de todos os atrasos”, adiantou Ferreira de Oliveira. As empresas européias enfrentam dificuldades e atrasos nos pagamentos, de acordo com a contabilização feita pela agência de informação financeira Bloomberg.

No início da década, a Saipem investiu US$ 300 milhões no Brasil, juntando-se a uma longa lista de empresas que queriam ter negócios com a Petrobras, uma pujante companhia petrolífera brasileira que “prometia” grandes descobertas de petróleo no “pré-sal”, e investia mais de US$ 100 milhões por dia. Agora, o escândalo financeiro e político obriga a empresa a cortar nas despesas, a vender ativos superiores a US$ 13 bilhões de dólares e está arredada, na prática, dos mercados internacionais, com deterioração do rating das agências de risco. “O Brasil é um grande mercado; quando pára, isso afeta toda a indústria”, admitiu o presidente executivo da Siem Offshore, empresa operadora de navios de abastecimento petrolífero, que enfrenta agora o problema de saber se os quatro a seis navios que estão reservados para a Petrobras vão ou não ser necessários.

A Halliburton, um gigante petrolífero mundial, assumiu também que a situação na Petrobras implica novos “desafios” para a companhia, com a atividade no País a continuar a decair, e outras empresas admitiram também, durante as sessões de apresentações de resultados aos investidores, que há atrasos nos pagamentos da Petrobras e até pedidos explícitos de adiamento de contratos, de acordo com a compilação feita pela agência Bloomberg.

 
Matérias Relacionadas