Correspondentes na China denunciam ameaças durante a cobertura das enchentes

Por Agência EFE

O Clube de Correspondentes Estrangeiros da China (FCCC) denunciou na terça-feira o assédio e as ameaças a que vários jornalistas estrangeiros e seus assistentes chineses foram submetidos nos últimos dias devido à cobertura das enchentes na província central de Henan.

De acordo com a FCCC, esse tipo de situação está ocorrendo tanto pessoalmente quanto por meio das redes sociais, e até mesmo com mensagens para números privados de alguns jornalistas e tradutores, que foram ameaçados de morte.

“Em um incidente particularmente alarmante, a Liga da Juventude Comunista de Henan pediu a seus 1,6 milhão de seguidores na rede social chinesa Weibo (equivalente chinês do Twitter) para relatar o paradeiro do repórter da BBC de Xangai Robin Brant, depois de ter se tornado objeto de assédio virtual”, disse o texto.

Esta foto aérea tirada em 23 de julho de 2021 mostra edifícios e ruas inundadas após fortes chuvas em Xinxiang, província de Henan, no centro da China (AFP via Getty Images)

Casos relatados pelos próprios jornalistas afetados em seus perfis pessoais no Twitter mostram cenas em que eles são cercados por grupos de pessoas, insultados, repreendidos por um suposto preconceito na realização de seus trabalhos ou mesmo forçados a deletar imagens gravadas.

Uma mulher limpa alguns pertences após as enchentes no início da semana na província chinesa de Henan em 24 de julho de 2021. (Noel Celis / AFP via Getty Images)

Nesse sentido, a FCCC ficou “decepcionada e abatida pela crescente hostilidade contra a imprensa estrangeira na China, um sentimento sustentado pelo crescente nacionalismo chinês às vezes alimentado diretamente por funcionários e entidades oficiais chineses”.

“A censura da mídia estrangeira na China”, continuou o texto da organização, “contribuiu para uma visão incompleta de nosso trabalho na China. Em suma, isso criou uma deterioração no ambiente de trabalho para a imprensa estrangeira e impede que os jornalistas forneçam a cobertura completa que desejamos sobre a China ”.

Diante do ocorrido, o grupo de correspondentes pediu ao regime chinês “que cumpra sua promessa de garantir aos jornalistas estrangeiros o acesso irrestrito à reportagem nas regiões da China e sua responsabilidade de proteger a segurança do povo”.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas