Coronavírus pode sobreviver no ar por três horas e em superfícies por até três dias, afirma estudo

Pacientes infectados com coronavírus "contraem e transmitem o vírus enquanto estão pré-sintomáticos ou assintomáticos"

Por Isabel Van Brugen

O novo coronavírus pode permanecer no ar por até 3 horas e viver em certas superfícies por até três dias, sugerem novas pesquisas.

Pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), da UCLA e da Universidade de Princeton enfatizaram em seu estudo (pdf), publicado quarta-feira, que os resultados não provam que alguém foi infectado pela respiração do vírus no ar ou por tocar em superfícies contaminadas.

“Não estamos dizendo de forma alguma que exista transmissão aerossolizada do vírus”, disse o líder do estudo Neeltje van Doremalen, do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas. No entanto, van Doremalen acrescentou que a transmissão dessa maneira é teoricamente possível, pois pesquisas sugerem que o vírus permanece viável por longos períodos nessas condições.

A equipe usou um nebulizador para colocar no ar vestígios do novo coronavírus, para recriar o que aconteceria se uma pessoa infectada tossisse ou o liberasse ao ar de outra maneira.

As descobertas sugeriram que três horas depois, um vírus viável ainda poderia ser detectado no ar. Enquanto isso, o vírus sobreviveu em superfícies de cobre até quatro horas depois e até 24 horas depois em papelão. O vírus foi detectado como viável em superfícies de plástico e aço inoxidável de dois a três dias depois.

No entanto, os pesquisadores disseram que os resultados obtidos nos testes realizados no vírus que causou o surto de SARS em 2003 foram semelhantes, sugerindo que as diferenças na durabilidade dos vírus não são responsáveis ​​por quanto mais amplamente o novo coronavírus se espalhou.

Os pesquisadores sugerem que a escala maior do surto de coronavírus poderia ser contribuída para evidências sugerindo que pacientes infectados com coronavírus “contraem e transmitem o vírus enquanto estão pré-sintomáticos ou assintomáticos”.

Outros fatores “prováveis ​​de desempenhar um papel incluem a dose infecciosa necessária para estabelecer uma infecção, a estabilidade do vírus no muco e fatores ambientais como temperatura e umidade relativa”, sugere o estudo.

As descobertas ainda não foram revisadas por outros cientistas e foram publicadas em um site onde os pesquisadores podem compartilhar rapidamente seu trabalho antes da publicação. No entanto, se verificado, as descobertas do estudo se correlacionariam com evidências crescentes de “disseminação comunitária” do vírus.

Julie Fischer, professora de microbiologia da Universidade de Georgetown, descreveu o estudo como um “trabalho sólido” que responde às perguntas do público e destaca a importância dos conselhos de higiene que as autoridades de saúde pública têm enfatizado.

“O que precisamos fazer é lavar as mãos, sabendo que as pessoas infectadas podem estar contaminando as superfícies”, disse Fischer.

Van Doremalen sugeriu que a limpeza de superfícies com soluções contendo alvejante diluído provavelmente matará o vírus.

O coronavírus foi declarado na quarta-feira uma pandemia global pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já que a agência de saúde da ONU pediu ações agressivas de todos os países para combatê-lo. O vírus, que causa a doença de COVID-19, espalhou-se rapidamente por toda a Europa, Oriente Médio e partes dos Estados Unidos.

Enquanto a China, onde a epidemia começou, ainda tem de longe a maioria dos casos do vírus, com mais de 80.000, a Itália tem o segundo maior número de casos, com cerca de 12.400, seguida pelo Irã com cerca de 10.000 infecções e a Coreia do Sul com mais de 7.800 casos, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

“Convocamos todos os dias os países a tomarem ações urgentes e agressivas. Tocamos a campainha do alarme alto e claro”, disse quarta-feira o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Todos os países ainda podem mudar o curso dessa pandemia. Se os países detectam, testam, tratam, isolam, rastreiam e mobilizam suas pessoas na resposta”, afirmou. “Estamos profundamente preocupados com os níveis alarmantes de disseminação e severidade e com os níveis alarmantes de inação”.

O presidente Donald Trump anunciou mais tarde que os Estados Unidos imporão uma proibição de viagem de 30 dias a viajantes da Europa em meio a preocupações com o coronavírus.

A proibição entrará em vigor na sexta-feira à meia-noite e exclui países não pertencentes a Schengen, como Reino Unido e Irlanda, além de retornar americanos que tiveram “exames apropriados” para o vírus.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas