Na Coreia do Sul, Trump envia mensagem de força e esperança

O presidente Donald Trump evocou a esperança de uma Coreia livre e pacífica durante sua visita à Coreia do Sul em 7 de novembro. “Juntos, nossas nações recordam ao mundo o potencial ilimitado das sociedades que escolhem a liberdade sobre a tirania”, disse Trump em um jantar oficial em Seul na terça-feira.

Ao mesmo tempo, Trump enviou uma mensagem de força diante das ameaças da Coreia do Norte de usar armas nucleares. “Você sabe que enviamos três dos maiores porta-aviões do mundo, e agora estão posicionados. Temos um submarino nuclear também posicionado”, disse Trump. Os Estados Unidos estão implantando três porta-aviões de ataque no Pacífico ocidental nos próximos dias.

Os porta-aviões ─ o USS Nimitz, o USS Ronald Reagan e USS Theodore Roosevelt ─ juntamente com os navios de guerra que o acompanham, participarão de exercícios da Marinha. É a primeira vez que três porta-aviões de ataque dos EUA operam juntos na região em uma década.

Os Estados Unidos aumentaram acentuadamente seus recursos militares na região nos últimos meses, depois que a Coreia do Norte ameaçou usar armas nucleares contra o continente americano e a Coreia do Sul e o Japão.

O porta-aviões de energia nuclear USS Ronald Reagan sai da Base Naval de Yokosuka, Japão, em 8 de setembro de 2017 (STR/AFP/Getty Images)
O porta-aviões de energia nuclear USS Ronald Reagan sai da Base Naval de Yokosuka, Japão, em 8 de setembro de 2017 (STR/AFP/Getty Images)

Um destruidor japonês, o Inazuma, vai se juntar à armada, disseram duas autoridades do governo japonês, após um exercício paralelo de três dias com o Reagan e dois navios de guerra indianos no Mar do Japão que terminou segunda-feira.

O especialista militar Tim Huxley, do International Institute for Strategic Studies, disse que a presença dos porta-aviões americanos ainda enviou uma mensagem inconfundível, com cada um transportando cerca de 70 aeronaves.

“Além da capacidade de projetar o poder militar em grande escala, sua capacidade de projetar o poder político e psicológico é indiscutivelmente incomparável, e estamos vendo isso se executar”, disse Huxley.

Os comandantes dos porta-aviões dizem que os grupos de ataque estão de prontidão para o combate a qualquer momento, com caças a jato e aviões de vigilância decolando constantemente de suas plataformas de voo para manter uma tela protetora.

Membros da tripulação espalharam luzes no convés do porta-aviões USS Ronald Reagan durante uma visita portuária a Hong Kong em 2 de outubro de 2017 (Anthony Wallace/AFP/Getty Images)
Membros da tripulação espalharam luzes no convés do porta-aviões USS Ronald Reagan durante uma visita portuária a Hong Kong em 2 de outubro de 2017 (Anthony Wallace/AFP/Getty Images)

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse que Trump reafirmou para ele o firme compromisso americano de defender a República da Coreia.

“Contra a escalada de ameaças nucleares e de mísseis da Coreia do Norte, reafirmamos nosso princípio de que devemos manter uma posição forte em relação às ameaças da Coreia do Norte com base em uma superioridade de poder”, disse Moon.

Trump disse que a Coreia do Sul passará a comprar “muitos” equipamentos militares dos Estados Unidos.

“Nós fazemos o melhor equipamento do mundo. Não há ninguém que chegue perto, seja os aviões, os mísseis, os navios”, disse Trump. “E agradecemos suas grandes encomendas de equipamento militar”, acrescentou.

Além da questão urgente da Coreia do Norte, Trump está mantendo uma prioridade no comércio durante sua viagem por cinco países da Ásia.

Tripulantes auxiliam decolagem de um Super Hornet da Marinha dos EUA fora do convés do USS Ronald Reagan em 14 de julho de 2017, em Townsville, Austrália (Ian Hitchcock/Getty Images)
Tripulantes auxiliam decolagem de um Super Hornet da Marinha dos EUA fora do convés do USS Ronald Reagan em 14 de julho de 2017, em Townsville, Austrália (Ian Hitchcock/Getty Images)

Ao visitar o Japão nos domingos e segundas-feiras, Trump disse que exigirá que os aliados dos EUA comprem equipamentos militares americanos.

Ele disse que, por um lado, isso significa que eles vão comprar o melhor equipamento. Por outro lado, que eles ajudarão a reduzir os déficits comerciais que os Estados Unidos têm com seus países e ajudarão a criar empregos na América.

“Seu exército está se tornando muito forte”, disse Trump. Durante sua visita, Trump também procurou destacar a distinção entre uma opressiva Coreia do Norte e uma Coreia do Sul livre.

Após a retirada das tropas japonesas depois da Segunda Guerra Mundial, os soviéticos assumiram a Coreia do Norte e instalaram um regime comunista.

Kim Il Sung, que foi treinado pelo exército vermelho, tornou-se o primeiro líder do Partido dos Trabalhadores da Coreia em 1948. O país já viu décadas de pobreza e sofrimento sem precedentes. Até hoje, a maioria dos norte-coreanos não tem acesso a necessidades básicas e milhões morreram de fome ao longo dos anos.

A Coreia do Sul, enquanto isso, que estava sob controle das tropas dos EUA após a Segunda Guerra Mundial, floresceu como um país livre e democrático, tornando-se uma das nações mais prósperas da região.

“Aqui na Coreia do Sul, as pessoas construíram uma república livre, soberana e democrática. Através da sua resiliência, sacrifício e determinação, eles se tornaram os principais arquitetos do futuro”, disse Trump durante o jantar oficial em Seul.

Colaborou: Reuters

 
Matérias Relacionadas