Coreia do Norte teria executado militar encarregado de suas instalações nucleares

A Coreia do Norte poderia ter executado um oficial militar responsável pela construção de instalações nucleares como punição pelo atraso de um teste de armas e o colapso de um túnel subterrâneo em Punggye-ri, no Nordeste do país, informou o jornal japonês Asahi em 19 de dezembro.

A mídia japonesa citou uma fonte anônima dizendo que o sexto teste nuclear norte-coreano estava originalmente agendado para a primavera, mas foi adiado para setembro devido a um atraso na construção do túnel.

Leia também:
Os apetites perigosos do ditador da Coreia do Norte
Norte-coreanos indicam que preferem ser sul-coreanos
Conselho de Segurança da ONU vota unanimemente por novas sanções à Coreia do Norte

De acordo com o jornal Korea Times, o oficial alegadamente executado era o chefe da Oficina de Orientação da Unidade de Treinamento da Coreia do Norte, que era responsável pela construção de importantes instalações militares, como o túnel de Punggye-ri e o local de lançamento de mísseis de Dongchang-ri.

Coreia do Norte, programa nuclear, Kim Jong-un, execução - Nesta foto não datada, publicada pela mídia estatal KCNA em 6 de julho de 2017, o líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona a montagem de um míssil balístico intercontinental (ICBM) que foi lançado em 4 de julho de 2017 (STR/AFP/Getty Images/KCNA via KNS)
Nesta foto não datada, publicada pela mídia estatal KCNA em 6 de julho de 2017, o líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona a montagem de um míssil balístico intercontinental (ICBM) que foi lançado em 4 de julho de 2017 (STR/AFP/Getty Images/KCNA via KNS)

Esta seria a segunda execução de um militar-chave em menos de uma semana. Dias atrás, em 14 de dezembro, foi relatado que outro colaborador importante do ditador norte-coreano Kim Jong-un, considerado o “segundo homem mais poderoso da Coreia do Norte”, desapareceu da vida pública, provocando especulações de que ele também poderia ter sido executado.

Se de fato Hwang Pyong-so foi removido do Partido Comunista Coreano, isso “significaria o fim de sua carreira política e provavelmente de sua vida”, escreve o jornal sul-coreano JoongAng Ilbo. “Não se sabe se ele ainda está vivo ou não.”

Seu substituto, Kim Won-hong, também foi preso pelo mesmo delito.

Leia também:
Programa de submarinos da Coreia do Norte provoca mais preocupações
O triste estado dos famintos soldados da Coreia do Norte
Ataque preventivo, decapitar liderança e outras opções para reduzir mortalidade numa guerra com Coreia do Norte

 
Matérias Relacionadas