Coreia do Norte mostra-se furiosa com aprimoramentos militares do Japão

A Coreia do Norte está furiosa sobre as notícias de que o Japão está fazendo uma série de investimentos em sua Força de Autodefesa que lhe dão melhores capacidades ofensivas diante das ameaças da Coreia do Norte.

Entre as atualizações, o Japão poderia converter seus transportadores de helicópteros em porta-aviões com a compra de aviões de combate F-35B, capazes de realizarem decolagem vertical.

O Japan Times informou sobre a medida no final de dezembro e, em 10 de janeiro, a mídia estatal norte-coreana disse que “os reacionários japoneses” estavam preparando “operações militares para agressão em qualquer região e a qualquer momento à vontade”.

O jornal norte-coreano Minju Joson é uma publicação especializada para o alto círculo do regime norte-coreano, mantendo o gabinete e altos funcionários sintonizados com o pensamento de Kim Jong-un.

Leia também:
• Conversas com Coreia do Norte são uma farsa, dizem especialistas
• Trate Kim Jong-un como um criminoso para consertar problema da Coreia do Norte, diz especialista
• Agência da Coreia do Norte levanta dinheiro para ‘fundo revolucionário’ do ditador

A possibilidade de que o Japão pudesse obter uma capacidade ofensiva com a compra de F-35Bs, o que permitiria que a nação de quatro ilhas projetasse seu poder aéreo além de suas costas, provocou tremores entre a liderança norte-coreana.

O editorial também apontou para o plano do Ministério da Defesa do Japão para criar uma unidade especializada que comandaria a guerra espacial, cibernética e eletrônica e a possibilidade de o Japão produzir seus próprios mísseis de cruzeiro de longo alcance.

O comentário não menciona as ameaças anteriores da Coreia do Norte em relação ao Japão, incluindo uma declaração em setembro pedindo a aniquilação nuclear do Japão.

Coreia do Norte, Japão, Kim Jong-un, corrida armamentista, Juche - Norte-coreanos assistem a um discurso do ditador Kim Jong-un numa transmissão televisionada do lado de fora da estação ferroviária de Pyongyang em 22 de setembro de 2017 (Ed Jones/AFP/Getty Images)
Norte-coreanos assistem a um discurso do ditador Kim Jong-un numa transmissão televisionada do lado de fora da estação ferroviária de Pyongyang em 22 de setembro de 2017 (Ed Jones/AFP/Getty Images)

“As quatro ilhas do arquipélago devem ser afundadas no mar pela bomba nuclear do Juche. Já não é necessário que o Japão exista perto de nós”, escreveu o Comitê das Relações Exteriores e da Propaganda da Coreia do Norte numa declaração de setembro de 2017. “Juche” é a ideologia oficial da Coreia do Norte e geralmente é traduzida como “autossuficiência”.

O comentário do Minju Joson denuncia as atualizações militares do Japão como um ato perigoso voltado para a expansão ultramarina.

“O objetivo buscado pelo Japão, interessado na ambição pela agressão no exterior, está transformando o país num gigante militar.”

A Coreia do Norte tem uma história problemática com o Japão devido à colonização japonesa na Península Coreana de 1910 até o final da 2ª Guerra Mundial em 1945.

Mas depois da 2ª Guerra Mundial, o Japão transitou para uma democracia de mercado livre, um dos cinco territórios asiáticos a chegar ao top 50 do Índice de Liberdade Humana do Instituto Cato para 2016, juntamente com Hong Kong, Taiwan, Coreia do Sul e Cingapura.

Coreia do Norte, Japão, Kim Jong-un, corrida armamentista, Juche - Pessoas passam diante de um painel eletrônico com índices da Bolsa de Valores Nikkei em Tóquio em16 de junho de 2016 (Shuji Kajiyama/AP)
Pessoas passam diante de um painel eletrônico com índices da Bolsa de Valores Nikkei em Tóquio em16 de junho de 2016 (Shuji Kajiyama/AP)

O editorial alega que a agressão no exterior do Japão está se tornando “uma realidade definitiva”.

A Coreia do Norte frequentemente ameaça o Japão, que é culpado principal após apenas os Estados Unidos como um bode expiatório para os males em curso no país, incluindo as políticas estatais desastrosas que deixaram a grande maioria da população fora da cidade de Pyongyang, a capital norte-coreana, em constante estado de fome.

Outras reportagens recentes da mídia norte-coreana visaram a Coreia do Sul por compartilhar informações com os Estados Unidos e o Japão, e o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe para garantir capacidades para um ataque preventivo.

A Coreia do Norte usou a aliança militar entre os Estados Unidos e o Japão, e entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul, em seu esforço contínuo para manter os norte-coreanos num estado constante de medo de invasão.

Os norte-coreanos têm sido informados de um ataque de forças dos EUA e, portanto, exige que a nação inteira sacrifique seu tempo e recursos para manter-se em constante prontidão militar.

Coreia do Norte, Japão, Kim Jong-un, corrida armamentista, Juche - Soldados norte-coreanas marcham durante um desfile militar em Pyongyang em 15 de abril de 2017 (Pedro Ugarte/AFP/Getty Images)
Soldados norte-coreanas marcham durante um desfile militar em Pyongyang em 15 de abril de 2017 (Pedro Ugarte/AFP/Getty Images)

A política “songun”, ou os militares em primeiro lugar, da Coreia do Norte vê as necessidades militares como prioritárias em detrimento de todas as outras necessidades da sociedade. E é a principal ideia que o regime usa para justificar suas políticas repressivas.

O Japão tem enfrentado ameaças constantes da Coreia do Norte à medida que a atual crise nuclear se intensificou.

Essas ameaças incluem a Coreia do Norte ter disparado dois mísseis balísticos sobre o território do Japão e a queda de seu míssil mais poderoso até hoje a cerca de 200 milhas náuticas da costa japonesa em 28 de novembro.

Leia também:
• Grande número de norte-coreanos tenta fugir do país no ano novo
• Norte-coreanos indicam que preferem ser sul-coreanos
• Os apetites perigosos do ditador da Coreia do Norte
• Soldado da Coreia do Norte que desertou é imune ao antraz
• Programa de submarinos da Coreia do Norte provoca mais preocupações
• Ditador da Coreia do Norte ordena cientistas construírem seu maior míssil, diz desertor

 
Matérias Relacionadas