Coreia do Sul promete medidas emergenciais enquanto coronavírus atinge economia

Os dois chefes de política econômica da Coreia do Sul prometeram na sexta-feira implantar medidas de emergência para minimizar o impacto na economia do surto de coronavírus na China

Por Equipe do Epoch Times 

Países ao redor do mundo estão tomando medidas para conter a disseminação do novo coronavírus, o COVID-19, à medida que o número de mortos continua aumentando.

Os dois chefes de política econômica da Coreia do Sul prometeram na sexta-feira implantar medidas de emergência para minimizar o impacto na economia do surto de coronavírus na China.

O ministro das Finanças, Hong Nam-ki, e o diretor do Banco da Coreia, Lee Ju-yeol, fizeram as observações no início de sua reunião, já que a economia da Coreia do Sul está amplamente afetada pela epidemia por causa de seus estreitos laços comerciais com seu gigante vizinho.

O diretor Lee disse que o banco central está trabalhando em pacotes de ajuda financeira para os setores diretamente afetados pelo alastramento do coronavírus, mas não deu indicação sobre se reduziria as taxas de juros para apoiar a economia.

Japão lança plano de emergência de US$ 136 milhões

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe aprovou um pacote de emergência de US$ 136 milhões na quinta-feira para ajudar os esforços do país em combater o novo surto de coronavírus, informou a NHK.

O pacote inclui o aumento da capacidade do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do país para testar amostras suspeitas de ter o vírus e fornecer apoio financeiro aos governos das prefeituras para estabelecer serviços ambulatoriais para verificação de casos suspeitos.

Uma parte do dinheiro será usada para apoiar pequenas empresas no setor de turismo.

O pacote também inclui trabalhar com o setor privado para desenvolver medicamentos antivirais e uma vacina.

Na sexta-feira, a NHK também informou que um homem na casa dos 70 anos que vive na província de Wakaya está em estado grave após testar positivo para o vírus.

O homem começou a ter febre em 5 de fevereiro e foi internado no Hospital Saiseikai Arida em Yuasa, cidade localizada na província de Wakaya, no dia seguinte.  Ele foi transferido para outra unidade médica em 13 de fevereiro.

Um cirurgião japonês na casa dos 50 anos que trabalha no mesmo hospital deu positivo para o vírus na quinta-feira depois de ser hospitalizado três dias antes.

O jornal japonês Mainichi Shimbun informou que, segundo autoridades do governo local, os dois não entraram em contato.

 

Passageiros usam máscaras no metrô em Tóquio, em 8 de fevereiro de 2020 (Charly Triballeau / AFP via Getty Images)
Passageiros usam máscaras no metrô em Tóquio, em 8 de fevereiro de 2020 (Charly Triballeau / AFP via Getty Images)

Produtos refrigerados dos EUA são desviados da China

Jim Sumner, presidente do grupo comercial USA Poultry & Egg Export Council, disse à Reuters na quinta-feira que os portos chineses estão sem espaço para contêineres refrigerados.

Esses contêineres, que transportam produtos alimentares, como carne congelada, devem ser conectados a tomadas elétricas após serem descarregados dos navios, acrescentou Sumner.

O novo surto de coronavírus diminuiu as compras nas lojas e o desembarque nos portos chineses, já que as pessoas ficam confinadas em suas casas em toda a cidade, de acordo com a Reuters.

Como resultado, os contêineres refrigerados estão sendo desviados para outros portos em Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul e Vietnã, de acordo com a Sumner.

Ele acrescentou que as autoridades chinesas agora estão priorizando os embarques de suprimentos médicos e suínos.

“Todo o resto está sendo considerado não prioritário e não é permitido entrar”, disse Sumner.  “A China está basicamente fechada no momento”.

Ele disse que cerca de 300 a 400 contêineres refrigerados de aves, atualmente em trânsito, estão sendo desviados.

Passageiros de navio de cruzeiro no Camboja estão livres para desembarque

Todos os 1.455 passageiros e a tripulação de 802 pessoas em um navio de cruzeiro atracado no Camboja estão livres para desembarcar, informou o jornal local Khmer Times na sexta-feira, depois que 20 passageiros doentes testaram negativo para o novo coronavírus COVID-19.

 “Acabamos de receber informações do Instituto Pasteur de que todas as 20 amostras foram negativas para o COVID-19”, disse o porta-voz do Ministério da Saúde local, Or Vandine.

O navio de cruzeiro Westerdam, operado pela Holland America, ficou preso por dias no Mar da China Meridional depois de ter sido recusado pela Tailândia, Filipinas, Taiwan e pelo território americano de Guam, em meio a temores de coronavírus.

 

Westerdam
O navio de cruzeiro Westerdam é visto passando por barcos de pesca quando se aproxima do porto de Sihanoukville, na costa sul do Camboja em 13 de fevereiro de 2020 (Tang Chhin Sothy / AFP via Getty Images)

 O navio finalmente atracou em Sihanoukville, uma cidade portuária no Camboja, em 13 de fevereiro.

Kheang Phearom, porta-voz da província de Preah Sihanouk, disse que os 1.455 passageiros eram de 41 nacionalidades diferentes, incluindo 271 canadenses, 79 australianos e 57 alemães.

Os 802 membros da tripulação incluíam 362 indonésios, 260 filipinos e 15 americanos.

Phearom acrescentou que 36 ônibus estavam prontos para levar os passageiros ao Aeroporto Internacional de Sihanoukville para voos para o Aeroporto Internacional de Phnom Penh, de onde os passageiros poderiam seguir caminhos separados.

Emily Zeeberg, porta-voz da Embaixada dos EUA no Camboja, disse ao Khmer Times por e-mail que a embaixada estava ajudando cidadãos dos EUA no navio.

“Continuaremos a trabalhar com as autoridades de Westerdam e do Camboja para ajudar os cidadãos dos EUA a desembarcar e transferir para destinos futuros”, disse Zeeberg.

O navio deve sair do porto em 17 de fevereiro, disse o governador da província de Preah Sihanouk, Kuoch Chamroeun, segundo o jornal.

Novas infecções em Hong Kong, Malásia, Cingapura

Em Hong Kong, o Center for Health Protection emitiu um comunicado às 20h do dia 13 de fevereiro, hora local, anunciando mais três casos confirmados do novo coronavírus.

Todos os três novos pacientes não têm histórico recente de viagens fora de Hong Kong.

Um caso envolve um homem de 43 anos, residente em Tuen Mun, que é parente de outro paciente infectado.

O segundo caso envolve uma mulher de 67 anos, que é a cunhada mais nova de uma paciente de 75 anos que já apresentou resultado positivo para o vírus.

O terceiro caso é de um homem de 37 anos que desenvolveu febre em 8 de fevereiro e consultou um médico particular no dia seguinte.  A declaração não especifica se o homem entrou em contato com algum paciente infectado.

Na Malásia, um turista de 39 anos de Wuhan se tornou o mais recente paciente infectado pelo vírus, informou o jornal local The Star, citando o diretor geral de saúde local Datuk Dr. Noor Hisham Abdullah.

“A mulher chegou na Malásia da China em 25 de janeiro com outras quatro mulheres”, disse a autoridade de saúde.  Sua mãe e uma amiga, também chinesas, deram positivo para o vírus no início de fevereiro.

Cingapura

Uma placa alerta as pessoas sobre as verificações de temperatura do lado de fora de um prédio no distrito financeiro de Cingapura em 10 de fevereiro de 2020 (Roslan Rahan / AFP via Getty Images)

O Ministério da Saúde de Cingapura anunciou oito novos casos na quinta-feira.  Nenhum deles viajou recentemente para a China.

Dois dos novos casos envolvem cidadãos de Bangladesh, com idades entre 30 e 37 anos, com um passe de trabalho em Cingapura.

Cinco novos pacientes, dois com 54 anos e outros com 26, 48 e 55 anos, estão conectados a uma igreja local.

O oitavo caso envolve um homem de 30 anos de idade, cingapuriano, que deu positivo em 13 de fevereiro. O homem é parente de um paciente previamente infectado que não tinha histórico recente de viagens à China.

Com esses novos casos, Hong Kong tem 53 casos conhecidos do vírus, Malásia 19 e Cingapura 58.

Frank Fang e Reuters contribuíram para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas