Coreia do Norte pode retomar o comércio com China e Rússia em meio à crise econômica

Relatórios sugerem aumento no número de desertores do exército, incapacidade de imprimir dinheiro e escassez de alimentos e suprimentos médicos

Por Lisa Bian

Desde o início da COVID-19, a Coreia do Norte adotou o mais rigoroso isolamento do mundo, intensificando ainda mais suas dificuldades econômicas. Os relatórios sugerem aumento no número de desertores do exército, incapacidade de imprimir dinheiro e escassez de alimentos e suprimentos médicos. A piora nas condições de vida da Coreia do Norte pode forçá-la a abrir suas fronteiras com a China e a Rússia já em novembro.

De acordo com membros do Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul em 28 de outubro, a Coreia do Norte está se preparando para suspender suas medidas de isolamento em relação à China e à Rússia e atualmente negocia para retomar o transporte ferroviário e o comércio com os dois países, indicando um possível início neste mês.

Desde o surto do vírus do Partido Comunista Chinês (PCC) em janeiro do ano passado, a Coreia do Norte suspendeu todas as transações de fronteira, inclusive com a China. O comércio bilateral entre a China e a Coreia do Norte diminuiu significativamente.

No entanto, nos últimos meses, a Coreia do Norte deu sinais de aceitar ajuda internacional. De acordo com o Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul, a Coreia do Norte aumentou o consumo de produtos humanitários desde julho. E em agosto, suprimentos médicos e pandêmicos foram autorizados a entrar no país, sugerindo que a Coreia do Norte pode abrir ainda mais seus portos.

A crise econômica da Coreia do Norte teria afetado seu banco central. Sua emissão de moeda foi suspensa devido à falta de importação de papel especial e tinta necessária para a impressão de dinheiro. Uma moeda temporária de qualidade inferior foi produzida usando “papéis feitos na Coreia do Norte”.

De acordo com dados do Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul, nos primeiros nove meses deste ano, o volume de comércio bilateral entre a Coreia do Norte e a China foi de US $185 milhões, apenas um terço do mesmo período no ano passado. O volume de comércio em setembro deste ano foi de apenas 29 por cento do mesmo período de 2019.

Enquanto isso, a falta de importações e negócios fez com que o governo norte-coreano forçosamente iniciasse suas fábricas, causando a sobrecarga de algumas delas, resultando em frequentes explosões acidentais. E a escassez de suprimentos medicinais públicos de emergência levou à disseminação de doenças infecciosas transmitidas pela água, como a febre tifoide.

Além disso, o número de desertores das forças armadas norte-coreanas aumentou em mais de 80% em comparação ao ano anterior. De acordo com Ha Tae-keung, membro do comitê de inteligência da Assembleia Nacional da Coreia do Sul, esse aumento é devido principalmente à deterioração econômica da Coreia do Norte e ao governo forçar soldados a trabalhos, como em canteiros de obras.

Relógios pararam devido à falta de bateria

Em julho, Joo Seong-ha, um desertor da Coreia do Norte e um repórter do Dong-a Ilbo, um jornal sul-coreano, escreveu uma coluna intitulada “O tempo parou na Coreia do Norte”. O artigo revelou que as pessoas na Coreia do Norte possuem poucas maneiras de saber as horas; seus relógios de pulso e de parede pararam devido à falta de baterias.

Joo afirmou que relógios chineses, relógios de parede e baterias dominam na Coreia do Norte. E como a fronteira está fechada há mais de um ano devido ao vírus do PCC, os norte-coreanos não têm acesso às baterias.

“Embora os telefones celulares estejam amplamente disponíveis em grandes cidades como Pyongyang, poucas pessoas nas áreas rurais pobres possuem telefones celulares. As televisões raramente estão ligadas devido a quedas de energia e, na maior parte, no ar apenas à noite, quando há eletricidade disponível. Ainda menos casas têm computadores ou laptops. Praticamente não há como saber as horas. Tudo está um caos porque as pessoas não conseguem marcar compromissos”, relatou Joo.

“Uma sociedade que não sabe dizer as horas não é, de forma alguma, uma sociedade moderna”, afirmou.

“Uma sociedade que não sabe dizer as horas estará experimentando um mundo totalmente novo, mesmo para aqueles que superaram os horrores durante a ‘Marcha do Sofrimento”’, acrescentou Joo.

“Marcha do Sofrimento” é o eufemismo das autoridades norte-coreanas para a fome. É também chamada de Marcha Pesada, referindo-se à Grande Fome que ocorreu na Coreia do Norte de 1994 a 1998. Foi um período de fome em massa junto com uma crise econômica geral, e estima-se que mais de 3 milhões de pessoas morreram de fome.

Mais da metade da população pode passar fome

A escassez de alimentos tem sido um grande problema na Coreia do Norte. Antes da pandemia do vírus do PCC, a Coreia do Norte frequentemente dependia de importações e ajuda da China para compensar suas colheitas ruins.

Em resposta à escassez de alimentos neste ano, as autoridades norte-coreanas emitiram uma ordem de mobilização geral direcionando seus cidadãos às áreas rurais, para ajudar na coleta de alimentos, de acordo com um relatório do Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul em 28 de outubro.

Fazendas coletivas na província Hwanghae do Norte, perto de Pyongyang, visto da estrada que vai entre Pyongyang e Kaesong, em 25 de abril de 2007 (AFP / AFP via Getty Images)
Fazendas coletivas na província Hwanghae do Norte, perto de Pyongyang, visto da estrada que vai entre Pyongyang e Kaesong, em 25 de abril de 2007 (AFP / AFP via Getty Images)

O relatório estimou que a Coreia do Norte havia concluído sua colheita de arroz no outono por volta do dia 20 de outubro. Devido ao aumento de períodos ensolarados, sua produção total de grãos deve ultrapassar o ano passado.

No entanto, um think tank com sede nos Estados Unidos afirmou que os dados coletados por satélite apontam para um rendimento que fica aquém de uma colheita média ou boa.

“Embora ainda não seja uma crise em proporções de fome, a tendência negativa, combinada com fatores externos, como baixa produtividade no ano anterior e danos causados ​​por enchentes nas plantações do Nordeste e na infraestrutura de transporte de safras, agravam a insegurança alimentar no país”, afirmou o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em um relatório divulgado no dia 4 de outubro.

O Departamento de Agricultura dos EUA estimou que 63,1% da população norte-coreana, aproximadamente 16,3 milhões de pessoas, sofre com a escassez de alimentos. Este número aumentou em 1 milhão em relação ao ano passado, de acordo com a “Avaliação Internacional de Segurança Alimentar 2021-2031” divulgada em julho.

O relatório também estimou que a escassez de alimentos na Coreia do Norte neste ano foi de 1.041 milhões de toneladas. Isso é cerca de 200.000 toneladas a mais do que as 860.000 toneladas previstas pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 

 
Matérias Relacionadas