Contas falsas de mídia social espalham mensagens pró-Irã e contra os EUA

Por Reuters

Uma rede de contas falsas de mídia social personificou candidatos políticos e jornalistas para espalhar mensagens em apoio ao Irã e contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em torno das eleições parlamentares de 2018, informou a empresa de segurança cibernética FireEye na terça-feira.

As descobertas mostram como grupos não identificados, possivelmente apoiados pelo governo, poderiam manipular plataformas de mídia social para promover histórias e outros conteúdos que podem influenciar as opiniões dos eleitores americanos, disseram os pesquisadores.

Essa operação em particular foi amplamente focada na promoção de “temas anti-sauditas, anti-israelenses e pró-palestinos”, de acordo com o relatório da FireEye.

A campanha foi organizada através de uma série de pessoas falsas que criaram várias contas de mídia social, incluindo Twitter e Facebook. A maioria dessas contas foi criada no ano passado e, desde então, foram excluidas, segundo o relatório.

Os porta-vozes do Twitter e do Facebook confirmaram que a FireEye descobriu que as contas falsas foram criadas em suas plataformas.

Lee Foster, pesquisador da FireEye, disse que encontrou algumas das pessoas falsas – muitas vezes disfarçadas de jornalistas americanos – que conseguiram convencer várias agências de notícias dos Estados Unidos a publicar cartas para o editor, colunas de convidados e postagens em blogs.

Esses escritos mostraram visões progressistas e conservadoras, disse o relatório, abordando tópicos que incluem a designação da administração Trump do Corpo dos Guardas da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) como uma organização terrorista.

“Estamos avaliando com baixa confiança que essa rede foi organizada para apoiar interesses políticos iranianos”, disse Foster. “No entanto, não estamos no ponto em que podemos dizer quem está fazendo ou de onde vem. A investigação está em andamento.”

Antes das eleições de 2018, o grupo sem nome criou contas no Twitter que também representavam candidatos republicanos e democratas ao Congresso. Não está claro se as contas falsas tiveram algum efeito em suas campanhas.

Logotipos do Facebook e Twitter são vistos em uma vitrine em Málaga, Espanha, em 4 de junho de 2018. (Jon Nazca / Reuters)

As contas do impostor no Twitter muitas vezes plagiam mensagens das contas legítimas dos políticos, mas também misturavam mensagens que expressavam apoio a políticas consideradas favoráveis a Teerã. Os políticos afetados incluíram Jineea Butler, candidata republicana ao 13º Distrito de Nova York, e Marla Livengood, candidata republicana ao 9º Distrito da Califórnia. Tanto Livengood quanto Butler perderam seus lances na eleição.

A campanha de Livengood chamou a situação de “claramente uma tentativa por parte de maus atores” de prejudicar sua campanha, e observou que Livengood era “um adversário estridente de armas nucleares no Irã”.

Butler não pôde ser imediatamente contatado para comentar.

O Twitter afirmou em comunicado que “removeu essa rede de 2.800 contas não autênticas originadas no Irã no início de maio”, acrescentando que a investigação estava em andamento.

O Facebook disse que removeu 51 contas do Facebook, 36 Páginas, sete Grupos e três contas do Instagram conectadas à operação de influência. O Instagram é de propriedade do Facebook.

A atividade no Facebook era menos expansiva do que a do Twitter e parecia ser mais focada, disse o chefe do Facebook de política de segurança cibernética, Nathaniel Gleicher. As contas falsas do Facebook, em vez disso, muitas vezes enviaram mensagens confidenciais de alto perfil, incluindo jornalistas, formuladores de políticas e dissidentes iranianos, para promover certas questões.

O Facebook também concluiu que a atividade se originou no Irã.

De Christopher Bing

 
Matérias Relacionadas