Consultor sênior de Trump, falando em mandarim, pede mais liberdade na China

Por Eva Fu

Um assessor sênior da Casa Branca denunciou a “surpreendente falta de diversidade de vozes” sob o regime comunista chinês, no primeiro discurso conhecido em que uma autoridade americana fala em mandarim.

Matthew Pottinger, vice-consultor de segurança nacional da Casa Branca na Ásia, destacou a supressão do regime daqueles que tentaram dizer a verdade em meio ao surto do vírus do PCC, incluindo médicos e jornalistas, e classificou-os de “cidadãos cívicos” que realizaram “grandes atos de bravura”.

Veja também:

“O clichê de que não se pode confiar na democracia nos chineses foi … a ideia mais antipatriótica de todas”, disse Pottinger em um discurso em mandarim durante um evento virtual em painel conduzido pelo Centro Miller da Universidade de Virginia em 4 de maio.

Pottinger disse que fez o discurso em chinês para que ele pudesse iniciar uma conversa com cidadãos da China e da diáspora chinesa.

Sob o sistema partidário da China, “às vezes é difícil diminuir o ruído, seja de propaganda, da mídia estatal na China ou do ecossistema de mídia social cuidadosamente selecionado”, disse ele.

Pottinger estudou o idioma chinês há 25 anos em Pequim e tornou-se correspondente do The Wall Street Journal na China. Enquanto relatava, ele foi preso uma vez por agentes do governo. Em outra ocasião, ele foi atingido por agentes enquanto investigava as vendas ilícitas de combustível nuclear de uma empresa chinesa para países estrangeiros, de acordo com seu relato escrito publicado no WSJ.

Ele disse que a falta de tolerância de Pequim para vozes críticas piorou nos últimos anos.

“É preciso coragem para falar com um jornalista ou para trabalhar como um na China hoje”.

Apesar da política de punho de ferro do regime, as faíscas do pensamento livre não pararam, disse Pottinger, citando meses de protestos ininterruptos em Hong Kong para resistir à invasão do regime chinês na região, que às vezes levava a milhões para as ruas.

“Quando os governos eliminam pequenos atos de bravura, seguem-se grandes atos de bravura”, disse ele.

Outros atos recentes de bravura que ele citou: cidadãos comuns que foram punidos por se pronunciarem sobre o encobrimento precoce do regime do surto do vírus; jornalistas que desapareceram depois de filmar vídeos do que estava acontecendo em Wuhan; e médicos punidos por darem o alarme sobre a propagação do vírus.

Matt Pottinger, Assistente Especial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional (NSC) do Leste da Ásia, à direita, chega para a cerimônia de abertura do Fórum do Cinturão e Rota no Centro Nacional de Convenções da China (CNCC) em Pequim, em 14 de maio de 2017 (Mark Schiefelbein-Pool / Getty Images)
Matt Pottinger, Assistente Especial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional (NSC) do Leste da Ásia, à direita, chega para a cerimônia de abertura do Fórum do Cinturão e Rota no Centro Nacional de Convenções da China (CNCC) em Pequim, em 14 de maio de 2017 (Mark Schiefelbein-Pool / Getty Images)

Pottinger citou um post de mídia social de Li Wenliang, um médico denunciante que finalmente morreu do vírus, alertando outros: “Eu acho que deveria haver mais de uma voz em uma sociedade saudável, e eu não tolero o uso do poder público em interferências excessivas”.

O discurso do principal conselheiro ocorre quando os Estados Unidos intensificam seus apelos para responsabilizar a China pela pandemia.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, criticou recentemente as autoridades chinesas por espalhar a “desinformação comunista clássica” por desviar a atenção da má administração do vírus na China, enquanto o presidente Donald Trump sugeriu a imposição de sanções econômicas a Pequim por seu papel na disseminação global do surto. Os procuradores-gerais do Missouri e Mississippi entraram com ações separadas contra o regime. Alguns legisladores também propuseram que o regime chinês pagasse reparações.

“Os Estados Unidos não estão buscando medidas punitivas aqui”, disse Pottinger em resposta a uma pergunta sobre sanções econômicas em Pequim. “O que o presidente Trump está tentando fazer é continuar com a política que ele seguiu, a política que ele implementou, que é ter um relacionamento recíproco e justo com a China, e não um que os Estados Unidos nos permitam tirar vantagem na esperança de que, de alguma forma, a China liberalizará automaticamente”.

Falando no aniversário do movimento de 4 de maio, um protesto liderado por estudantes em 1919 na Praça da Paz Celestial que radicalizou o pensamento intelectual chinês, Pottinger disse que o evento pode servir como base filosófica para os chineses reivindicarem suas liberdades.

As aspirações democráticas não cumpridas de um século atrás eram um lembrete para os chineses tomarem o destino em suas próprias mãos, disse ele.

“Como a China é governada dependerá dos chineses. Não cabe a mais ninguém decidir.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas