Consulado chinês em Houston provavelmente queimou denúncias de espionagem, afirma ex-diplomata chinês

Bombeiros locais responderam na noite de terça-feira a queixas públicas de um incêndio no consulado chinês, apesar de não terem acesso às instalações

Por Cathy He

O consulado chinês em Houston, que foi recentemente forçado a fechar, provavelmente  queimou documentos secretos que detalhavam operações de espionagem e instruções dos líderes do regime chinês, de acordo com um ex-diplomata chinês.

Em uma iniciativa sem precedentes nesta semana, o governo Trump ordenou que o consulado chinês em Houston fechasse suas portas, acusando-o de ser um “centro de espionagem e roubo de propriedade intelectual”.

Bombeiros locais responderam na noite de terça-feira a queixas públicas de um incêndio no consulado chinês, apesar de não terem acesso às instalações. “Parece ser um incêndio aberto em um contêiner no pátio das instalações do consulado chinês”, disse o chefe dos bombeiros de Houston, Samuel Pena, ao KTRK local.

Chen Yonglin, ex-diplomata sênior do consulado chinês em Sydney, na Austrália, que desertou em 2005, disse ao Epoch Times que os funcionários provavelmente estavam queimando arquivos sobre uma série de questões delicadas, desde operações de espionagem a diretivas dos órgãos centrais do Partido Comunista Chinês (PCC).

Chen disse que eles estão destruindo documentos classificados como “secretos” ou “confidenciais”. Isso incluiria relatos de espiões dentro da comunidade chinesa; relatórios de inteligência sobre organizações estrangeiras críticas a Pequim, incluindo o grupo espiritual perseguido Falun Dafa; e documentos de política interna das autoridades centrais.

Esses são os tipos de documentos que o PCC “não estaria disposto” a tornar público, disse Chen.

O regime chinês tem uma classificação “secreta” mais alta, observou ele, mas a circulação desses documentos é restrita aos principais líderes do PCC. Portanto, é improvável que esses documentos sejam encontrados no consulado, disse Chen.

Quando Chen desertou mais de uma década atrás, ele revelou que o regime tinha 1.000 espiões na Austrália. Ele disse que os consulados e embaixadas chinesas têm um mandato para influenciar autoridades e elites locais. Eles também mobilizam estudantes chineses no exterior e membros da comunidade chinesa para avançar na agenda do PCC.

Chen concordou com a caracterização do senador Marco Rubio (Flórida) sobre o consulado de Houston, ele é um “nó central da vasta rede de operações de espionagem e influência do Partido Comunista nos Estados Unidos”, após as notícias da ordem dos EUA

O consulado é de grande importância estratégica para Pequim, disse Chen, devido aos setores de alta tecnologia da região de Houston, incluindo as indústrias de aviação, biomédica e petróleo. Chen, que descreveu o PCC como um “parasita”, disse que o Partido confia no roubo da tecnologia americana nesses campos avançados para alimentar seu crescimento tecnológico e econômico.

O diretor do FBI, Christopher Wray, disse recentemente que a agência tem mais de 2.000 investigações em todo o país ligadas à China. Wray descreveu o roubo de tecnologia e segredos comerciais dos EUA como em escala “tão grande que representa uma das maiores transferências de riqueza da história da humanidade”.

Em uma entrevista na sexta-feira, um alto funcionário do Departamento de Estado disse que o consulado de Houston esteve envolvido em tentativas de roubar a investigação dos EUA sobre vacinas para a COVID-19.

Uma autoridade do Departamento de Justiça disse que, embora se saiba que todas as missões diplomáticas realizam algum nível de atividade de espionagem, as operações realizadas no consulado chinês em Houston “excederam em muito o que estamos dispostos a aceitar”.

Segundo o New York Times, o chefe do Departamento de Estado do Leste Asiático e do Pacífico, David R. Stilwell, disse que o consulado de Houston “tem um histórico de comportamento subversivo” e foi o “epicentro” do Esforços militares chineses para roubar a investigação americana.

Citando um documento de aplicação da lei, o New York Times informou que as investigações do FBI implicaram o consulado de Houston nas tentativas de roubar investigações médicas e outras informações confidenciais de instituições da área; iniciativas para buscar mais de 50 pesquisadores e acadêmicos para ingressar em programas de recrutamento chinês projetados para facilitar a transferência de pesquisas confidenciais para instituições chinesas; e pressionar os cidadãos chineses nos Estados Unidos que são procurados pelo regime.

Stilwell também disse que o cônsul geral de Houston e dois outros diplomatas foram pegos recentemente usando identificações falsas para escoltar os viajantes chineses a um voo fretado no aeroporto intercontinental George Bush em Houston, Texas, informou o New York Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas