Consulado chinês deu ordens a polícial de Nova Iorque acusado de espionar para a China, informam promotores dos EUA

Se for condenado por todas as acusações, ele pode pegar até 55 anos de prisão

Por Frank Fang

A prisão de um policial do Departamento de Polícia de Nova Ioruqe (NYPD) expôs como o consulado chinês busca se infiltrar e influenciar as comunidades dissidentes locais.

Baimadajie Angwang, um cidadão americano naturalizado de 33 anos, de etnia tibetana, foi preso sob acusações federais por supostamente agir como um agente ilegal para Pequim.

Investigadores federais descobriram que ele estava enviando informações ao consulado chinês na cidade de Nova Iorque, inclusive sobre as atividades de tibetanos étnicos na área de Nova Iorque. Ele também desenvolveu fontes de inteligência dentro das comunidades tibetanas e ajudou funcionários consulares a obter acesso a altos funcionários do NYPD por meio de convites para eventos oficiais da NYPD, de acordo com promotores federais.

Angwang foi acusado de agir como agente ilegal para a China, cometer fraude eletrônica, fazer declarações falsas e obstruir procedimentos oficiais. Ele está detido sem direito a fiança.

Se condenado por todas essas acusações, ele pode pegar até 55 anos de prisão, de acordo com o Departamento de Justiça (DOJ).

Embora Angwang seja etnicamente tibetano, documentos judiciais mostram que a lealdade do homem reside no regime chinês. Em conversa de 2018 com seu contato no consulado, ele se descreveu como um “trunfo” do regime.

Desde que o Partido Comunista Chinês invadiu a região do Tibete, o regime reprimiu severamente os costumes locais e as práticas budistas tibetanas. Muitos tibetanos fugiram da perseguição na China e milhares se estabeleceram na cidade de Nova Iorque.

Dorjee Tseten, diretora executiva do Students for a Free Tibet, um grupo de defesa com sede em Nova Iorque, disse em um comunicado que o caso “deveria ser um alerta para todos os nossos líderes, nos níveis federal, estadual e local, sobre a alarmante profundidade e escopo das operações de espionagem da China”.

“Os tibetanos sabem há muito tempo que o governo chinês está espionando nossas comunidades, mesmo em um país livre como os Estados Unidos, e este incidente mostra o quão longe Pequim iria para minar o movimento Tibete Livre”, disse Tseten. O movimento acredita na separação política entre a China e o Tibete.

História de família

A família de Angwang tem laços extensos com o Partido Comunista Chinês (PCC) e o exército chinês, o Exército de Libertação do Povo (PLA). De acordo com a queixa criminal, seu pai se aposentou do PLA enquanto sua mãe é uma funcionária aposentada do governo chinês. Enquanto isso, seu irmão é atualmente um reservista do PLA.

Seus pais também são membros do PCC, e todos os três membros da família moram na China. Os documentos do tribunal não indicavam onde na China.

A Frente Unida

Antes de sua prisão, Angwang foi designado para a unidade de assuntos comunitários do NYPD, servindo como contato com uma parte do Queens atendida pelo 111º Distrito.

Angwang começou a operar sob a direção e controle de funcionários do consulado chinês em Nova Iorque desde pelo menos 2014, de acordo com o Departamento de Justiça.

Acredita-se que seu contato no consulado seja atribuído à “Associação Chinesa para a Preservação e Desenvolvimento da Cultura Tibetana”, uma divisão do Departamento de Trabalho da Frente Unida da China (UFWD), segundo documentos judiciais.

A UFWD conduz operações de influência estrangeira conhecidas como “Trabalho da Frente Unida” para “cooptar e neutralizar fontes de oposição potencial” ao PCC, de acordo com um relatório de 2018 divulgado pela Comissão de Revisão de Segurança e Economia dos Estados Unidos e China (USCC).

“O trabalho da Frente Unida serve para promover a narrativa global preferida de Pequim, pressionar as pessoas que vivem em sociedades livres e abertas à autocensura e evitar discutir questões desfavoráveis ​​ao PCC, e perseguir ou minar grupos críticos às Políticas de Pequim”, explica o relatório.

Nos Estados Unidos, as associações culturais e de amizade são um dos muitos grupos locais liderados ou financiados pela UFWD.

Angwang referia-se regularmente ao oficial chinês conectado à UFWD como “chefe” e os dois trocaram mensagens de texto e falaram ao telefone pelo menos 55 vezes entre junho de 2018 e março de 2020, de acordo com a queixa criminal. Em pelo menos uma ocasião, Angwang se dirigiu ao funcionário chamando-o de “irmão mais velho”.

Em um telefonema em novembro de 2018, Angwang sugeriu ao funcionário que ele precisava “desenvolver” fontes de inteligência de católicos, muçulmanos ou pessoas da etnia Hui na comunidade tibetana.

Em outro telefonema em fevereiro de 2019, Angwang identificou um cidadão de etnia tibetana americana como uma boa fonte de inteligência, que planejava concorrer novamente a um cargo político no futuro após uma campanha fracassada. Angwang disse que enviaria informações sobre o indivíduo, incluindo seu emprego anterior e parentes, ao oficial chinês.

Falun Dafa

A New Tang Dynasty Television (NTD), meio-irmã do Epoch Times, foi um assunto da conversa entre Angwang e o oficial chinês durante um telefonema em novembro de 2019.

Na ligação, Angwang pediu permissão ao oficial chinês sobre se ele poderia aparecer na “Entrevista de Xiaotian” da NTD (“Entrevista de Xiaotian”), e disse que não “ousava ser muito imprudente”. De acordo com a queixa criminal, a NTD pediu ao NYPD um oficial fluente no dialeto mandarim como candidato para a entrevista, e o NYPD respondeu perguntando a Angwang se ele poderia fazê-lo.

Em resposta, o oficial chinês disse a Angwang que ele “absolutamente não deveria fazer isso” porque “a China é totalmente contra [NTD]” devido aos seus laços com o Falun Dafa.

“No futuro, se você quiser voltar [para a China] ou algo assim, isso terá um grande impacto”, disse o oficial, alertando Angwang sobre as consequências de aparecer no programa da NTD.

Coincidentemente, Angwang apareceu nos segmentos de notícias da NTD em abril de 2019 e novembro de 2019, mas não apareceu no programa de Xiaotian.

“Depois que você aparece no programa deles, a China não distingue se você é do FLG [Falun Dafa] ou não”, acrescentou o oficial, antes de acrescentar que “a China não declinou contra o FLG”.

O Epoch Times e a NTD foram fundados em 2000 e 2001, respectivamente, por um grupo de sino-americanos que são seguidores da prática espiritual conhecida como Falun Dafa. Eles fundaram ambos os meios de comunicação para trazer uma imprensa livre para a China.

Embora o Epoch Times tenha sido fundado por praticantes do Falun Dafa, esta é uma empresa independente que não representa o Falun Dafa ou é propriedade deles.

Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma prática espiritual com exercícios de meditação e ensinamentos morais baseados na verdade, benevolência e tolerância. De acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa, havia entre 70 e 100 milhões de praticantes antes da perseguição pelo regime chinês em julho de 1999. Desde então, centenas de milhares foram detidos e torturados em prisões, centros de lavagem cerebral e campos de trabalho.

O oficial chinês pediu a Angwang que “apresentasse uma [razão] adequada” para rejeitar o pedido de entrevista da NTD.

Angwang também perguntou ao oficial chinês se a presença de repórteres da NTD nas coletivas de imprensa do NYPD seria “um problema”. Em resposta, o oficial chinês disse: “Você não pode impedi-los de ir. É a liberdade de imprensa”.

De acordo com a queixa criminal, Angwang informou aos seus superiores do NYPD que não queria ser entrevistado pela NTD em janeiro de 2020.

Não está claro se os funcionários do consulado chinês em Nova Iorque pagaram pelas informações que ele forneceu. No entanto, uma conversa datada de dezembro de 2018 entre Angwang e o contato chinês sugeriu que os pagamentos foram feitos para Angwang.

Durante o telefonema, Angwang disse que estava disposto a ajudar sem a expectativa de pagamento: “tudo o que vale ou não vale dinheiro para você.

Além disso, os pesquisadores descobriram ligações financeiras entre Angwang e a China a partir de 2014.

Em janeiro de 2014, Angwang recebeu dois pagamentos separados de $50.000 e $20.000 de uma conta no Banco da China em Nova Iorque.

Em abril de 2016, Angwang transferiu $100.000 de uma conta bancária nos Estados Unidos para uma conta bancária na China de propriedade de seu irmão. Angwang transferiu US$ 50.000 adicionais um mês depois para outra conta chinesa mantida por uma pessoa anônima. Também em maio de 2016, seu irmão transferiu US$ 49.985 para Angwang.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas