Constituinte: Maduro obriga beneficiários de programas sociais a votar

O governo da Venezuela vai conferir a participação de cada beneficiário de seus programas sociais na eleição da Assembleia Constituinte, marcada para este domingo (30). O controle será feito através da apresentação do ‘Carnê da Pátria’ nas seções eleitorais.

“Carnê da Pátria na mão, todo mundo com seu Carnê da Pátria e sua identidade. Na porta das seções eleitorais vamos checar todos os carnês, para saber se todos votaram”, ameaçou o presidente Nicolás Maduro num comício pela Constituinte.

O Carnê da Pátria armazena informações do usuário através de um código QR e provê acesso controlado a alimentos subsidiados e outros benefícios, em meio ao desabastecimento crônico e à inflação galopante no país.

A oposição enxerga a exigência como um mecanismo de controle social e manipulação eleitoral com objetivos políticos.

Maduro declarou que pretende com a nova Constituinte incluir o ‘Carnê da Pátria’ na nova Carta Magna da Venezuela. Segundo ele, 14 dos 30 milhões de venezuelanos possuem o documento.

Em dicurso no dia 6 de julho, o líder venezuelano dirigiu ameaças aos funcionários públicos que não votarem pela Constituinte: “se temos 15 mil em uma reparticao, devem votar os 15 mil, sem desculpas, empresa por empresa, ministerio por ministerio, prefeitura por prefeitura”.

Analistas avaliam que uma alta abstenção diminuiria a legitimidade do pleito, perante os 7,6 milhões de votos contrários à iniciativa obtidos no Plebiscito paralelo realizado pela Mesa da Unidade Democrátiaca (MUD) no dia 16 de julho.

A Constituinte é rejeitada por mais de 70% da população venezuelana, segundo o instituto de pesquisa Datanalisis.

Leia também:
Telemarketing do PT ameaça beneficiários do Bolsa Família em Porto Alegre, revela gravação
Jovem de 18 anos é morto por milícia de Maduro em protesto na Venezuela

 
Matérias Relacionadas