Conheça a relação entre nutrição e epigenética

Primeiramente, o que seria epigenética? Epigenética possui diferentes significados dependendo da área de estudo. No entanto, sua denominação surgiu pela primeira vez no dicionário Oxford como um adjetivo derivado do nome epigêneses. Segundo o Oxford, epigêneses seria a formação orgânica de um germe como um novo produto. Ou seja, a teoria da epigêneses define o que seria como um germe é trazido à existência, após sucessivos acréscimos, e não por mero desenvolvimento no processo de reprodução. Mas e então, o que seria epigenética? Epi é uma palavra de origem grega que significa acima, logo, epigenética seria algo acima da genética.

De acordo com Genevieve Aumouzni, uma cientista do Instituto Curio, CNRS de Paris, epigenética é uma informação passada de geração a geração, que não está codificada geneticamente. Logo, epigenética pode ser definida como estados somatizados hereditários de expressão de genes resultantes de alterações na estrutura da cromatina, sem quaisquer alterações na sequência de DNA, incluindo a metilação do DNA, modificações de histonas e remodelação da cromatina.

Mas qual é a relação entre nutrição e epigenética? Um bom exemplo para ilustrar a relação entre estes dois conceitos é o da abelha rainha. Embora as larvas das abelhas operárias sejam geneticamente idênticas às da abelha rainha, elas não desenvolvem as características específicas para se tornar uma. Mas como as abelhas rainhas se tornam diferentes das demais? O segredo está em sua dieta. Diferentemente das operárias, ela se alimenta de geleia real. Esta geleia é uma proteína rica e complexa secretada pelas glândulas situadas na cabeça das abelhas operárias.  Como resultado desta dieta diferente, a abelha rainha desenvolve ovários e um largo abdômen para comportar os ovos, enquanto as abelhas operárias continuam estéreis. Além disso, ela irá desenvolver um comportamento necessário às abelhas rainhas como matar abelhas rainhas rivais, fazer zumbidos diferentes conhecidos como “piping”e vão para voos de acasalamento. A rainha se alimenta desta dieta pelo resto de sua vida.

O segredo desta alteração está no fato de que a geleia real é capaz de silenciar um gene chave, o Dnmt3, o qual codifica uma enzima envolvida em uma gama de silenciamento de outros genes. Quando o Dnmt3 está ativo nas larvas de abelha, os genes de abelha rainha são epigeneticamente silenciados transformando as abelhas em simples operárias. No entanto, quando a geleia real silencia o Dnmt3, certos genes entram em ação tornando a felizarda em abelha rainha.

Diante do fato ilustrado, fica claro o quanto epigenética e nutrição podem ser também decisivos para mudar a vida de um ser humano drasticamente. Os nutrientes que extraímos dos alimentos entram nas vias metabólicas onde são manipulados, modificados e moldados em moléculas que o organismo pode utilizar. Esta tal via é responsável por grupos metílicos – importantes fatores epigenéticos para silenciamento de genes. Nutrientes conhecidos, como o ácido fólico, vitaminas do complexo B e SAM-e (S-adenosil-metionina, um suplemento popular) são os principais componentes da via de metilação. Dietas ricas em nutrientes desta via podem rapidamente alterar a expressão genética, em particular durante o desenvolvimento inicial quando o epigenoma é o primeiro a ser estabelecido. Estes são alguns dos nutrientes presentes em alimentos que afetam o epigenoma: ácido fólico (vegetais folhosos, semente de girassol), SAM (apesar de ser um nutriente instável em alimentos é possível sintetizar SAM a partir da metionina encontrada em gergelim, castanha do Pará, pimenta, espinafre e peixe), vitamina B6 (alimentos integrais, vegetais e castanhas).

Atualmente, epigenética está relacionada com várias doenças tais como inflamação, obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, doenças degenerativas e doenças imunes. Devido ao fato das modificações epigenéticas serem alteradas por fatores internos e externos e pelo fato de ter esta habilidade de mudança na expressão do gene, epigenética está sendo considerada um importante mecanismo na ainda desconhecida etiologia de muitas doenças.

A epigenética pode fornecer um novo caminho para a busca de fatores etiológicos em doenças associadas ao ambiente, bem como o desenvolvimento embrionário e envelhecimento, que também são conhecidos por serem afetados por vários fatores ambientais. Pelo fato de epigenética ser de caráter reversível, ela está sendo agora considerada um atrativo campo de intervenção da nutrição.

 
Matérias Relacionadas