Conheça o orientalismo da arte ocidental

NOVA YORK – Às vezes, a propaganda é maior que a mercadoria. Apesar de “O estudante” de Osman Hamdy Bey (1842-1910), ter sido a principal obra oriental, estimada entre cinco e oito milhões de dólares, em um leilão realizado no início de 2012 pela Sotheby’s, a obra não foi vendida.

A Sotheby’s criou uma venda de obras orientais independente para coincidir com a série de três dias de leilões intitulada Turkich and Islamic Week: Classic to Contemporary (Semana Turca e Islâmica: do Clássico ao Contemporâneo). As vendas finalizaram dia abril de 2012 em Londres, com 23 dos 33 trabalhos vendidos.

Obras de Osman Hamdy Bey (1842-1910) e Ivan Aivazovsky (1817-1900) foram as principais da venda. Elas eram consideradas obras extremamente raras e importantes.

O trabalho de Aivazovsky, “Vista de Constantinopla e Bósforo”, foi vendida por 5,2 milhões de dólares, muito acima da expectativa da pré-venda de 2 a 3 milhões. No entanto, “O estudante”, de Bey, não foi.

“Grandes obras de Hamdy Bey são excepcionalmente raras, com a adição do fascínio que eles fornecem com a interpretação da vida na região de Turks”, disse Claude Piening, chefe do departamento de pinturas orientais da Sotheby’s no comunicado de imprensa de pré-venda.

O fascínio aparentemente não foi o suficiente. A venda atingiu 9,1 milhões de dólares no total.

Descrição da Sotheby’s

O Império Otomano e a Turquia têm fascinado artistas ocidentais há séculos. No início do século 18, pintores oficiais designados por embaixadas ocidentais e por missões do Tribunal Otomano, começaram a registrar paisagens locais, costumes e encontros diplomáticos, dando início a um novo gênero na arte ocidental chamado de orientalismo. É um gênero que se espalhou rapidamente no século 19 para além das terras otomanas, para abranger a África do Norte, Egito e o Levante.

Hoje, essas pinturas formam um registro visual de valor inestimável das maneiras e costumes da cultura turca e do Oriente Médio, antes do aparecimento da fotografia. Este estilo de pintura foi posteriormente adotado pelos pintores turcos para descrever sua própria cultura de maneira nova.

Os dois destaques da venda orientalista de Sotheby’s, “Vista de Constantinopla e do Bósforo” de Ivan Aivazovsky e “O estudante” de Osman Hamdy Bey, respectivamente, resumem os dois pontos de vista. O primeiro é um estrangeiro expressando seu fascínio pela capital otomana, o segundo, um retrato íntimo da vida turca por um pintor turco.

Ivan Konstantinovich Aivazovsky (russo, 1817-1900) era um dos mais talentosos pintores deste período. “Vista de Constantinopla e o Bósforo”, óleo sobre tela, é uma das pinturas mais fantástica do artista e um tour em sua evocação de luz e atmosfera.

“O estudante” é o primeiro de duas grandes composições de Osman Hamdy Bey (1842-1910), que descreve um homem estudando deitado, e atrás dele um fundo rico em detalhes. Pintado em 1878, ele antecede uma segunda versão realizada 27 anos mais tarde – que encontra-se no Walker Art Gallery, Liverpool – e mostra o jovem artista no auge de seu poder.

Nascido em Constantinopla e treinado em Paris, Hamdy Bey era uma figura central na vida cultural do Império Otomano, tendo atuado em posições diplomáticas em seu retorno da capital francesa e depois se tornando o fundador e diretor da Academia de Belas Artes de Istambul.

Ele foi o primeiro artista turco a abraçar completamente uma academia com estilo Europeu.

Este trabalho combina eloquentemente os temas e técnicas de dois mundos distintos. Um tema orientalista é explorado e visto através dos olhos de um artista intimamente familiarizado com a cultura que ele documenta.

 
Matérias Relacionadas