Conheça a história do ilustre médico chinês Li Shizhen

De acordo com sua biografia na “História não autorizada da Dinastia Ming”, Li Shizhen nasceu em Qizhou (hoje condado de Qichun, na província de Hubei) e viveu de 1518 a 1593 durante a Dinastia Ming.

Quando Li Shizhen nasceu, um cervo branco entrou na sala, pressagiando que seu destino estaria relacionado à imortalidade e desde cedo na vida ele direcionou seus estudos nesse sentido.

Li Shizhen gostava muito de ler e tinha conhecimento amplo devido à leitura de todo o tipo de livros. Mas ele apreciava especialmente os livros de medicina e era muito bom na sua interpretação e aplicação, assim, ele se considerava um médico.

Li Shizhen achava que a categorização e classificação das ervas em livros antigos chineses eram muito complicadas e que os nomes não haviam sido devidamente atribuídos ou as ervas devidamente documentadas. Portanto, ele dedicou 30 anos a compilar a obra “Běncǎo Gāngmù” (“O grande compêndio das ervas”), que passou por três revisões e incluiu informações de mais de 800 livros.

Seus outros trabalhos são: “Poemas de Suo Guan”, “Casos médicos”, “Chave para as passagens da energia interna”, “Discussão dos cinco órgãos”, “Dificuldades do sanjiaoke”, “Pesquisa do mingmen” e “Discussão de poemas”.

Em seus últimos anos, Li Shizhen se intitulava de “um recluso próximo de um lago”. Mas ele não era apenas um conhecido médico e fitoterapeuta, mas também um adepto de práticas esotéricas e meditava todas as noites.

Embora Li Shizhen fosse proficiente na medicina e cultivador da longevidade, ele também atribuía grande importância às oito passagens da energia interna. Ele ressaltou em seu “Estudo das oito passagens internas” que os médicos e candidatos à imortalidade devem conhecer as oito passagens e aconselhou que esses profissionais entenderiam melhor a vida por meio das oito passagens internas da energia.

Este artigo pertence a série “Histórias da antiga China”; para ler outros artigos da série, clique aqui.

 
Matérias Relacionadas