Conheça Charles Victor Thirion, um ilustre pintor esquecido

Um artista obscuro, Charles Victor Thirion era um estudante talentoso do famoso mestre-pintor francês do século 19, William Bouguereau.

Embora seja muito mais comum ouvir os nomes Emile Munier, Jules Cave, Elizabeth Gardner, Leon Perrault ou Charles Lenoir quando se refere aos estudantes de Bouguereau, a qualidade do trabalho de Thirion fala por si. Não há dúvidas de que Thirion obteve uma grande dose do talento de seu mentor.

Talvez sua obscuridade resida no fato de que suas obras raramente aparecem em leilão e, portanto, seu nome é pouco conhecido entre os colecionadores. Mas ele é um artista digno de nota. Se um dia alcançar a reputação que suas pinturas merecem, ele se tornará conhecido como um dos melhores alunos de Bouguereau.

É sempre uma pena quando um artista talentoso morre jovem, como foi o caso com Thirion (1833-1878). Ele nasceu em Langres, França, em 30 de maio de 1833. Ele ficou conhecido como um talentoso gravador e pintor. Em 1850, a cidade de Lille concedeu-lhe uma bolsa, o que lhe permitiu mudar-se para Paris e estudar com o famoso artista suíço Charles Gleyre e mais tarde com William Bouguereau na École des Beaux Arts (Escola de Belas Artes).

Sua primeira exibição ocorreu em 1861 no Salão de Paris, onde um importante comerciante de arte franco-americano, Michael Knoedler, tomou conhecimento de seu trabalho e começou a patrociná-lo na galeria Goupil & Cie, em Paris. Fica claro, a partir deste início notável, que uma carreira promissora estava a caminho.

Infelizmente, Thirion teve que se juntar ao exército francês pouco depois do início da Guerra Franco-Prussiana e, em 1871, foi gravemente ferido. Ao retornar para sua pintura, já estava muito doente e morreu sete anos mais tarde, aos 45 anos.

Sabe-se que a última pintura que vendeu, “Après l’École” (Depois da escola), foi comprada pelo Museu Langres em sua cidade natal. Além disso, “Portrait de Enfant” (Retrato de uma criança) pode ser visto na cidade de Lille, cuja bolsa permitiu-lhe ir a Paris.

Suas obras, embora em número reduzido, permanecem como um dos melhores trabalhos de alunos de Bouguereau. Considerando que Bouguereau não começou a pintar o seu melhor trabalho até os 40 anos, o mesmo poderia muito bem ser esperado de Thirion, caso tivesse vivido. Ele poderia ter se tornado um dos maiores artistas de sua geração.

 
Matérias Relacionadas