Congestionamento de portos piora à medida que variante Ômicron agrava crise na rede global de fornecimento

Gargalos de abastecimento devem durar até o segundo semestre deste ano, afirmam especialistas

Por Frank Yue & Winnie Han 

Os surtos da variante Ômicron exacerbaram o congestionamento do transporte em todo o mundo, com os principais portos da China e dos EUA afetados. Especialistas preveem que as redes de fornecimento continuarão em congestionamento pelo menos até o segundo semestre deste ano.

Com uma nova onda de surtos da COVID-19 se espalhando na China, as autoridades do Partido Comunista Chinês (PCC) lançaram bloqueios e testes em massa, impulsionados pela política “zero-COVID” do governo central. Consequentemente, grandes fabricantes fecharam suas fábricas, provocando escassez de mão de obra e bloqueios nos portos. Economistas alertam que o impacto potencial da atual pandemia pode ser alarmante, já que gargalos mais desafiadores provavelmente surgirão no futuro.

A Bloomberg informou no dia 13 de janeiro que, após o surto da COVID-19 na cidade portuária chinesa de Ningbo, as empresas de transporte ordenaram que seus navios de carga voltassem para Xangai para evitar atrasos, causando superlotação no maior porto de contêineres do mundo. Enquanto isso, Ningbo, o terceiro maior porto de contêineres do mundo, suspendeu parte de seus serviços de frete enquanto alguns navios desviavam para o sul de Ningbo para outra cidade portuária, Xiamen.

Os transitários afirmaram que o fluxo de navios em Xangai levou a um adiamento de cerca de uma semana nos navios porta-contêineres, o que pode afetar os portos americanos e europeus que já estão lotados.

Nos Estados Unidos, o maior mercado consumidor do mundo, Los Angeles e Long Beach, na Califórnia, são os dois portos mais movimentados através dos quais aproximadamente 40% dos contêineres entram no país. O número de navios ancorados nos dois portos tornou-se um barômetro que mede a turbulência global da rede de fornecimento.

De acordo com o Marine Traffic, um site de rastreamento de navios online, havia 198 navios porta-contêineres atracados fora dos dois portos no dia 13 de janeiro, horário local, com outros 162 prestes a atracar.

Em outubro de 2021, Robert Garcia, prefeito de Long Beach, já havia afirmado que os Estados Unidos estavam enfrentando um atraso sem precedentes no transporte em Long Beach e Los Angeles devido à pandemia global da COVID-19, com grandes mudanças na produção exacerbando os desafios de décadas da rede de fornecimento. Naquela época, mais de 50 navios porta-contêineres estavam esperando para descarregar fora dos dois portos, o que foi um recorde.

Pressões da inflação

O transporte marítimo compõe o movimento de pelo menos 90% dos bens globais. O custo do transporte marítimo aumentou no ano passado devido ao congestionamento dos portos.

Para a semana encerrada em 20 de janeiro, o World Container Index registrou um aumento de 1,6% nos custos de envio para US$ 9.698,33 por contêiner de 40 pés, o que representa um aumento de 82% ano a ano, de acordo com o provedor de serviços de consultoria de transporte, Drewry. Além disso, as taxas de frete de Xangai para Los Angeles aumentaram 5% ou US$ 576, chegando a US$ 11.197, e as taxas de Xangai para Nova Iorque subiram 2% ou US$ 216, chegando a US$ 13.987 por contêiner de 40 pés.

O Índice de Preços ao Consumidor subiu 7% ano a ano em dezembro de 2021, de acordo com os dados mais recentes do Departamento do Trabalho dos EUA – o crescimento mais rápido desde junho de 1982. A forte demanda do consumidor intensificou a escassez de oferta.

Também em 2021, a inflação no atacado dos EUA disparou em ritmo recorde. Em novembro passado, o Índice de Preços ao Produtor subiu 9,8% ano a ano, o maior aumento desde que o governo começou a compilar esses dados em 2010.

“A indústria de transporte marítimo e os especialistas geralmente acreditam que os gargalos na rede de fornecimento provavelmente não diminuirão este ano”, afirmou o professor Frank Tian Xie, da Universidade da Carolina do Sul, Aiken, ao Epoch Times, no dia 13 de janeiro. “A crise pode até mesmo continuar no próximo ano, portanto, temo que a questão da inflação nos EUA não seja resolvida muito em breve”.

Ele relatou que o congestionamento do porto desencadeou a estagnação logística, causando aumentos nos preços globais de energia e alimentos, aumentando as pressões inflacionárias.

“A epidemia levou a duras restrições em muitos países, incluindo os Estados Unidos”, declarou Xie. “Como resultado, um grande número de estivadores e caminhoneiros foram impedidos de sair para trabalhar. No entanto, à medida que os países iniciam sua recuperação econômica, o poder de compra do público está se recuperando fortemente; e a demanda por produtos da China e de outras nações asiáticas aumentará significativamente”.

EUA provavelmente diversificarão as redes de fornecimento

O Dr. Hua Chia-cheng, economista do Instituto de Pesquisa Econômica de Taiwan, declarou ao Epoch Times, no dia 13 de janeiro, que a chave para aliviar a interrupção contínua da rede de fornecimento depende da estabilidade da pandemia global. Ele previu que o caos pode continuar até pelo menos a segunda metade do ano.

Ele também mencionou outro impacto de longo prazo da pandemia, em que a maioria dos países, incluindo os Estados Unidos, agora está considerando sua dependência excessiva das redes de fornecimento da China.

“Para evitar o risco de recorrência de crises semelhantes”, afirmou Hua, “o mundo diversificará suas indústrias para garantir cadeias de suprimentos confiáveis”.

A médio e longo prazo, afirmou, o governo dos EUA pode considerar modificar suas cadeias de suprimentos para produzir internamente produtos essenciais, incluindo itens como máscaras e produtos farmacêuticos.

Joyce Liang contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas