Condescendente, ignorante, enganoso: Uma análise de ‘China’s Megatrends’ de John & Doris Naisbitt

China’s Megatrends” de John Naisbitt e Doris Naisbitt.

Seguido de uma breve nota sobre “China Inside Out” de Bill Dodson

Sidney e Beatrice Webb eram socialistas proeminentes no Reino Unido no final dos anos 19 e início do século 20. Eles foram para a União Soviética em 1932 e voltaram com grandes elogios, os gulags não estavam em seu radar.

Um livro de John e Doris Naisbitt, publicado em 2010, é como uma atualização do panfleto de Webb, com uma relação pública mais chamativa e escrito para a China contemporânea, em vez da Rússia comunista.

Provavelmente não vale gastar combustível cerebral para tentar entender por que pessoas inteligentes se deixam enganar desta maneira, mas o resultado é que há pouco para aprender sobre a China com este livro. Se você quiser entender a psicologia do utópico, você não precisa gastar tempo neste volume. Pegue o volume ‘Peregrinos político: intelectuais ocidentais em busca da boa sociedade’ de Paul Hollander. Você realmente aprenderá alguma coisa.

O trabalho é sobre oito supostas Megatrends (‘Megatendências’, um chavão anteriormente cunhado por John Naisbitt) que constituem os “pilares de uma nova sociedade” que a China e o Partido Comunista Chinês (PCC) estão supostamente forjando. Não há necessidade de saber o que são, exceto que todos estão errados. O primeiro é “Emancipação da Mente”, por exemplo. Outro é “Fermento intelectual e artístico”. Outro é “Liberdade e Justiça”. Você pode ter uma ideia.

Não, os Naisbitts não foram a outro planeta para escrever o livro. Eles foram ao coração da besta, que vive em Tianjin. Nenhum deles fala chinês, assim, eles reuniram um grupo de estudantes de pós-graduação clientelistas e outras pessoas inteligentes para monitorar a imprensa chinesa (sim, aquela controlada pelo PCC) e produzir traduções para eles. Então, eles puseram tudo isso num banco de dados e analisaram, chegando aos “oito pilares” e outros disparates.

Aqui está um exemplo do tipo de lógica que você encontra neste livro: não há supressão da expressão na China porque John Naisbitt nunca foi convidado a não dizer certas coisas em seus discursos universitários (p. 222), a censura da mídia nacional é mais sobre “a abordagem da reportagem do que com o conteúdo”, o regime do PCC é para o bem-estar do povo chinês (não há necessidade das “distrações e perturbações que caracterizam as democracias ocidentais”, por exemplo). E assim por diante.

John Naisbitt é obviamente um “amigo da China”. Ele foi convidado por Jiang Zemin, um homem que foi acusado de genocídio pelo assassinato em massa que ordenou contra o Falun Gong, para escrever um livro semelhante a este. Isso foi em 1997. Ele lamentou não ter aceitado a proposta de Jiang Zemin na época, mas diz que tentou compensar isso neste volume. Ele certamente o fez.

Em qualquer caso, simplesmente não há necessidade de oficiais do Partido Comunista lhe dizerem o que falar e o que não falar. Os burocratas sabem que os Naisbitt tem seu apoio, então por que insultariam sua inteligência com exigências sobre o que ele diria? O problema é que apenas “amigos” do PCC, como os Naisbitt, podem viajar ao redor da China dizendo o que quiserem, enquanto os que dariam uma visão contraditória a linha do PCC nunca receberiam tais oportunidades.

Muitas das afirmações semelhantes no livro são obviamente erradas ou mentiras. Não está claro qual. Os Naisbitts falam muito sobre “basear nossas opiniões nos fatos” (p. 223), mas está claro que existe apenas um subconjunto muito limitado de fatos que eles escolheram para se familiarizar. Por exemplo, eles não são aparentemente familiarizados com as histórias de inúmeros jornalistas que foram demitidos, presos, agredidos ou mesmo mortos ao longo dos anos na tentativa de relatar fatos que o PCC não quer que eles relatem. Advogados que tentam investigar tais fatos têm se saído muito pior.

Será que os Naisbitts não sabem nada sobre Gao Zhisheng, Cheng Guangcheng, Ran Yunfei, Wang Lihong, Tian Jianyong, Tang Jitian, Li Wei, Li Tiantian, etc.? Os autores nunca abordam o problema dos campos de trabalhos forçados, da tortura, das detenções arbitrárias e de todo o aparato de violência e propaganda sobre o qual o regime do Partido Comunista se baseia.

Eles também não veem nenhum problema com a mítica, unida e harmoniosa “China”, como é retratada pelo Partido Comunista, onde os governantes visam o melhor, a vida dos camponeses está sempre melhorando e um futuro brilhante está sempre à mão. O resultado é uma versão manipulada, retalhada e retocada da realidade chinesa.

‘China’s Megatrends’ é de fato um trabalho repulsivo, por sua condescendência, por sua ignorância, sua decepção e vaidade. Amigos, títeres e ingênuos do atual regime adorarão.

ATUALIZAÇÃO: Eu não tinha pesquisado na imprensa sobre isso antes de escrever a revisão. Parece que estou atrasado para a festa. É oficial: os Naisbitts são idiotas úteis.

A VISÃO PADRÃO. Isso é o que o autor Bill Dodson apresenta em ‘China de dentro para fora: dez tendências irreversíveis que estão remodelando a China e sua relação com o Mundo’ (‘China Inside Out’). Não há nada particular sobre este trabalho, pelo menos em comparação à casa dos horrores dos Naisbitt, mas não há nada agradável ou extraordinário também.

O livro tem basicamente 10 capítulos de notícias resumidas (o New York Times aparece fortemente) sobre a China na última década ou algo assim, apresentados tematicamente. Os temas não penetram além da superfície, mas são relevantes para qualquer consideração séria da sociedade chinesa contemporânea.

Os temas são: a internet, a classe média, a divisão rural-urbana, a poluição e a indústria, os recursos, o desafio de aumentar o consumo interno, o setor de serviços, a saída de investimentos e negócios, as pressões demográficas e, finalmente, o nexo escuro da política externa, a militarização e o nacionalismo.

O tratamento dos temas que Dodson escolhe cobrir é adequado. Não há muita coisa nova para pessoas já profundamente engajadas na China, mas colocá-los num único pacote é bastante útil. Politicamente, ele não fortalece o regime do PCC, embora ele também não veja a destruição do PCC como pré-condição para um país significativo, livre e verdadeiramente florescente.

‘China Inside Out’ serve como uma introdução respeitável para uma variedade de questões que caracterizam a China moderna. Ele não faz previsões de grande porte e define muitas das questões principais sobre a mesa. Se você quer mais do que isso, precisará continuar a leitura.

Naisbitt, John & Doris. China’s megatrends: the 8 pillars of a new society. HarperCollins, 2010, 257 páginas, ISBN 0061859443.

Dodson, Bill. China Inside Out: 10 Irreversible Trends Reshaping China and its Relationship with the World. Wiley, 2011, 200 páginas, ISBN 0470826436.

 
Matérias Relacionadas