Comunismo é ‘o sistema político mais destrutivo da história humana’, afirma historiador

Fórum de Toronto explora os crimes do comunismo

Por Joan Delaney

No final do século 19, o grande filósofo alemão Friedrich Nietzsche descreveu o socialismo como “um caso desesperador e amargo” e observou que em uma sociedade socialista, “a vida nega a si mesma”.

Apesar de suas deficiências inerentes, no entanto, Nietzsche previu que o socialismo se espalharia.

“A Comuna de Paris, que também tem apologistas e defensores na Alemanha, talvez não seja mais do que uma pequena indigestão em comparação com o que está por vir”, escreveu ele em “The Will to Power”.

“Ele previu que [o socialismo] seria uma grande fonte de conflito ao longo do século 20”, disse o autor e historiador Dr. Michael Bonner. “A primeira tentativa de estabelecer uma utopia marxista-comunista ocorreu apenas 16 anos depois, e a terrível profecia de Nietzsche começou a se cumprir”.

(L-R) Dr. Frank Xie, professor assistente da Universidade da Carolina do Sul; o estudioso de história Dr. Michael Bonner; MP canadense e ex-ministro do gabinete Peter Kent; o senador aposentado do Canadá, Consiglio Di Nino; e Sheng Xue, um jornalista e ativista sino-canadense, participam de um fórum sobre a China e o comunismo na Universidade de Toronto em 5 de maio de 2018 (Omid Ghoreishi/The Epoch Times)
(L-R) Dr. Frank Xie, professor assistente da Universidade da Carolina do Sul; o estudioso de história Dr. Michael Bonner; MP canadense e ex-ministro do gabinete Peter Kent; o senador aposentado do Canadá, Consiglio Di Nino; e Sheng Xue, um jornalista e ativista sino-canadense, participam de um fórum sobre a China e o comunismo na Universidade de Toronto em 5 de maio de 2018 (Omid Ghoreishi/The Epoch Times)

Bonner discursou em um fórum intitulado “Comunismo, China, sua Economia e Futuro Político” realizado na Universidade de Toronto em 5 de maio. Ele e outros palestrantes destacaram os males da ideologia comunista e os danos que ela causou. O evento também incluiu o lançamento da versão chinesa de “The Ultimate Goal of Communism”, um novo livro do Epoch Times.

Ao dar ao público o que ele chamou de “uma pequena história do comunismo”, Bonner disse que, em novembro de 1917, os insurgentes bolcheviques invadiram o palácio de inverno do czar em São Petersburgo e derrubaram o primeiro governo democrático da história russa. Assim começou o primeiro grande regime socialista do mundo.

“A ideologia do comunismo começou a se espalhar pelo mundo e, como Nietzsche previu, foi a doutrina e o sistema político mais destrutivos da história da humanidade”, disse ele.

“O comunismo forçou as pessoas a viver em sociedades opressivas e sem alegria, sem liberdade de qualquer tipo.

“As políticas comunistas produziram um dos piores desastres ambientais da história da humanidade, como a destruição do Mar de Aral. E a maioria das fomes do século 20 ocorreu em países comunistas.”

Sob os soviéticos, os exemplos mais proeminentes de brutalidade incluem a fome planejada intencionalmente na Ucrânia, que se estima ter matado até 10 milhões de pessoas entre 1932 e 1933; a campanha de repressão política de Stalin, que custou cerca de 600.000 vidas; e a execução de 100.000 prisioneiros de guerra poloneses.

No início, a Revolução Russa falhou em produzir uma onda de socialismo em toda a Europa, Bonner disse, mas após a quebra do mercado de ações em 1929 e a ascensão do fascismo na década de 1930, o planejamento central comunista “apareceram alternativas viáveis para o suposto fracasso do capitalismo e o avanço da extrema direita”.

Naquela época também, “muitos intelectuais estavam preparados para ignorar as atrocidades horrendas cometidas pelo único estado comunista do mundo”, disse ele.

“Bertrand Russell fez uma crítica famosa à agressão e ao utopismo do bolchevismo em 1920, mas muitos companheiros de viagem e apologistas estavam dispostos a ocultar ou desculpar os desastres e falhas do comunismo. Os julgamentos encenados de Stalin e o assassinato de milhões de pessoas foram vigorosamente defendidos por George Bernard Shaw, e Walter Duranty, do The New York Times, deliberadamente minimizou a escala da fome gerada pela engenharia soviética na Ucrânia.”

Além disso, as potências ocidentais e as Nações Unidas ignoraram a invasão soviética da Hungria em 1956, e alguns intelectuais de esquerda “recusaram-se a denunciar a invasão sob o pretexto absurdo de que isso abriria mão da superioridade moral”.

Esse apologismo serviu para permitir a aceitação do comunismo e, embora tenha fracassado amplamente no Ocidente, sua doutrina se espalhou por todo o Leste da Ásia, África e América do Sul.

O sucesso econômico da China é resultado das reformas capitalistas

Depois de estabelecer a República Popular da China, Mao Tsé-Tung logo adotou a coletivização ao estilo soviético que, como a União Soviética, causaria fome e morte generalizadas.

Crianças durante a fome da era Stalin na Ucrânia. A fome, conhecida como “Holodomor”, ocorreu entre 1932 e 1933 (Domínio Público)
Crianças durante a fome da era Stalin na Ucrânia. A fome, conhecida como “Holodomor”, ocorreu entre 1932 e 1933 (Domínio Público)

“Na China, o modelo do comunismo soviético levou a uma campanha de modernização que deixou milhões de mortos”, disse Bonner.

Foi uma situação semelhante no Camboja e na Coreia do Norte.

Pol Pot imitou o mesmo exemplo no Camboja e assassinou quase um quarto de seus compatriotas. Na Coreia do Norte, uma doutrina de autossuficiência foi fundada no mesmo princípio e produziu uma fome que matou até 3,5 milhões de pessoas”, disse ele.

“Na década de 1960, uma nova geração de revolucionários marxistas emergiu e, no ano de 1980, o comunismo havia penetrado na Coreia do Norte, Cuba, Vietnã do Norte e do Sul, Camboja, Laos, Iêmen, Somália, Afeganistão e Angola.”

O Grande Salto para a Frente de Mao causou a morte de 17 milhões de pessoas, e os horrores da Revolução Cultural não terminaram até que o próprio Mao morresse em 1976.

Mulher tibetana sendo condenada em uma sessão de luta comunista em 1958 (Creative Commons/Wikimedia)
Mulher tibetana sendo condenada em uma sessão de luta comunista em 1958 (Creative Commons/Wikimedia)

Quanto ao surpreendente desenvolvimento da China nos últimos 30 anos, Bonner disse que um visitante ocidental poderia concluir que, embora a URSS tenha falhado, o regime de Mao teve sucesso, visto que o país ainda está sob o regime comunista.

Mas, na verdade, o sucesso econômico da China é um resultado direto das reformas capitalistas iniciadas por Deng Xiaoping em 1978. Deng tornou-se chefe do Partido Comunista após a morte de Mao.

“Podemos dar o crédito a Deng Xiaoping por transformar a economia coletivista da China em uma força capitalista”, disse ele.

“O que teve sucesso, portanto, não foi a visão de Mao de um rígido controle estatal da economia, centralização, fronteiras fechadas e igualitarismo radical, mas sim o capitalismo corporativo e empreendedores desinibidos.”

Bonner observou, no entanto, que “a supremacia do Partido Comunista permanece”, com doutrinação começando em uma idade jovem e os Jovens Pioneiros e a Liga da Juventude Comunista preparando crianças, adolescentes e estudantes universitários para ingressar no Partido—a adesão é essencial para encontrar emprego e obter promoção.

“Mas cada vez menos pessoas estão dispostas a ingressar no Partido”, acrescentou ele, observando o sucesso do Tuidang, um movimento popular que apoia as pessoas na renúncia de sua lealdade ao Partido Comunista.

“Em 2004, a publicação dos chamados ‘Nove Comentários sobre o Partido Comunista’ foi, para muitos na China, sua primeira exposição aos crimes do comunismo. O fenômeno Tuidang acelerou isso, e hoje 300 milhões de pessoas renunciaram ao Partido Comunista”, disse ele.

“O ex-presidente polonês Lech Walesa chamou o movimento Tuidang de ‘tsunami da história’ e de ‘espírito de liberdade e verdade’. É tentador pensar que estamos testemunhando os estertores finais do comunismo chinês.”

Outro ponto crítico é a “tensão criada pelo descontentamento” fervendo logo abaixo da superfície na China, Bonner disse, com cerca de 500 surtos graves de agitação quase diariamente em todo o país há alguns anos.

Isso, junto com o que alguns dizem ser uma economia estagnada, pode significar o início do fim do comunismo na China.

“Não importa quão sólido e complexo qualquer regime possa parecer, ele é na verdade bastante frágil. Quando a confiança do público se esgota, pode ser preciso pouco para derrubá-lo. Vou deixar você com esse pensamento.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas