Comunidade é negligenciada após enorme tempestade, quando um homem se prontifica a ajudar

Por Andrew Thomas

“Você está fazendo algo para ajudar os outros. Podemos reconhecer alguém que precisa de ajuda e potencialmente salvar sua vida”.

A temporada de furacões está se aproximando rapidamente, e é difícil não pensar na devastação que o furacão Maria causou em Porto Rico em setembro passado. Os recursos de ajuda eram limitados, mas esse homem procurou por uma comunidade necessitada e causou um impacto crucial.

O Dr. Pedro Torres nasceu em Brentwood, Nova York, e iniciou sua residência médica em Porto Rico a partir de junho de 2015. Quando o furacão Maria castigou a ilha em setembro de 2017, Torres experimentou o desastre em primeira mão.

O resultado do furacão Maria. (Mario Tama / Getty Images)
Resultado do furacão Maria (Mario Tama/Getty Images)

Embora a extensa destruição tenha sido amplamente divulgada, muitas comunidades foram negligenciadas nos esforços de socorro.

Felizmente, as populações sub-tratadas são a especialidade de Torres.

Torres fundou uma organização chamada Community Health Alliance of Medical Professionals em 2013 para esses tipos de situações, e eles responderam à crise.

Torres mobilizou seus colegas dos Estados Unidos — incluindo ex-alunos da Universidade Americana de Antígua, onde frequentou a faculdade de medicina — e eles viajaram para Porto Rico com uma diversidade de conhecimentos e suprimentos.

A organização, também conhecida por sua sigla CHAMP, reúne profissionais médicos diferentes, incluindo paramédicos, bombeiros, médicos e profissionais de saúde mental para alcançar populações necessitadas após desastres naturais.

Embora os esforços de recuperação tenham sido dificultados em Porto Rico, uma ilha vizinha chamada Vieques tinha permanecido praticamente sem assistência alguma.

Uma estrada na ilha principal. (RICARDO ARDUENGO / AFP / Getty Images)
Estrada na ilha principal (Ricardo Arduengo/AFP/Getty Images)

Torres vinha trabalhando com A la Mano por Porto Rico — um grupo local que fornece alimentos, água e assistência médica — no continente há vários meses, e ele e sua organização identificaram Vieques como uma população que precisava de ajuda.

Vieques é uma pequena ilha que faz parte de Porto Rico. Ser uma ilha fora de uma ilha tornou a população particularmente isolada.

Torres, juntamente com seu velho amigo Dr. Bilal Khan, do Hospital Norwalk, Connecticut, entraram em ação para unir forças com A Mano por Porto Rico e a Fundação Barea em Vieques.

Em 9 de fevereiro, Torres e sua equipe chegaram a Vieques. Muitas das casas foram destruídas e a energia da ilha estava sendo alimentada por geradores.

“Se você passar por Vieques, poderá ver a destruição quase como se tivesse acontecido algumas semanas antes da nossa chegada”, disse Torres ao Epoch Times.

A equipe montou um acampamento médico na praça da cidade, onde os residentes poderiam receber provisões básicas e tratamento médico.

“Nesta missão em particular, o conjunto de habilidades necessárias era montar um acampamento médico. O pessoal que eu chamei foi EMTs, paramédicos, enfermeiros, médicos e outros dessa natureza para cumprir essa missão e objetivo em particular”, explicou Torres.

Cerca de 22 de seus colegas viajaram com suprimentos dos Estados Unidos para a ilha a fim de participar da missão de três dias. Todos os voluntários pagaram pelos seus próprios voos e alojamento, e levantaram fundos para pagar os suprimentos.

Cerca de 1.500 pessoas apareceram no evento, de acordo com Katherine Reina, uma enfermeira que se juntou à missão.

(Cortesia de Jomar Mercado)
(Cortesia de Jomar Mercado)

Alguns dos maiores obstáculos que a equipe encontrou ao tratar os pacientes foram as diferenças culturais e o papel que desempenham na vida cotidiana em Vieques.

“Por exemplo, para muitas pessoas na ilha de Vieques e em Porto Rico suas prioridades tornaram-se seus lares por causa disso, e eles demorariam em procurar atendimento médico”, explicou Torres.

Residentes com doenças crônicas apareciam no acampamento médico em pior estado porque, compreensivelmente, tinham se concentrado em salvar suas casas.

Torres e sua equipe trataram cerca de 150 pacientes em Vieques ao longo de cinco horas, mas havia uma que ele lembrava vividamente.

59/5000 Torres (à esquerda) com um colega. (Cortesia de Jomar Mercado)
Torres (à esq.) com um colega (Cortesia de Jomar Mercado)

Ele tratou um paciente com um problema cardíaco crônico, que não foi capaz de tratar sua doença efetivamente após a tempestade. Ela sofria de pressão alta, assim como diabetes.

Ela sentia dores no peito enquanto andava e  que ia embora quando ela descansava. A dor havia piorado nas últimas semanas.

Torres foi capaz de tratá-la e fazer com que ela fosse à ilha principal para consultar um cardiologista para acompanhamento. Sem a clínica médica improvisada, ela provavelmente não teria recebido os cuidados necessários.

Esta mulher é apenas um exemplo de como populações carentes em Porto Rico ainda precisam de ajuda hoje.

Situações como essas são parte do que atraiu Torres a Porto Rico para sua residência em primeiro lugar.

“Eu queria tratar de pessoas muito doentes, então eu sempre quis poder preparar remédios de emergência”, disse Torres.

Enquanto Torres cumpre seu trabalho, percebe que há muito mais trabalho a ser feito.

“É agridoce”, disse ele. “Você está fazendo algo para ajudar os outros. Podemos reconhecer alguém que precisa de ajuda agora e potencialmente salvar sua vida. Mas, infelizmente, são necessários acontecimentos como o furacão Maria para que as pessoas realizem eventos como este”.

 
Matérias Relacionadas