Publicado em - Atualizado em 03/02/2014 às 12:17

Compreendendo a questão da retribuição de carma

"O bem será recompensado e o mal sofrerá retribuição" - provérbio tradicional chinês (Domínio Público)

"O bem será recompensado e o mal sofrerá retribuição" - provérbio tradicional chinês (Domínio Público)

Na Dinastia Qing, Zhao Defang, pai de três filhos, tinha uma vida próspera. Ele se sentia especialmente feliz já que todos os seus filhos haviam se casado.

No entanto, durante a celebração de 60 anos de Zhao, ele confessou aos filhos que quando montou o negócio da família, ele deliberadamente manipulou a balança de medição para enganar seus fornecedores e clientes. Sempre que comprava algo, a balança mostrava um peso menor e, quando vendia, a balança mostrava um peso maior.

“Foi por este motivo que o homem do algodão faliu após eu comprar milhares de quilos de seu algodão. Ele tentou desesperadamente salvar seu negócio, mas morreu de febre tifoide há 20 anos. Eu ainda me sinto mal por aquele homem hoje”, disse Zhao.

“Houve também um herbanário que morreu após eu enganá-lo com minha balança. Houve outros também, mas esses dois casos foram mais sérios. Mesmo que eu desfrute agora de muita riqueza e de uma vida feliz, sempre que penso nas pessoas que foram vítimas de minhas ações, me sinto tão culpado que não consigo dormir à noite.”

“Para obter paz de espírito, eu resolvi destruir essa balança na frente de todos vocês e jurar que me comportarei honestamente a partir de agora.”

Seus filhos apoiaram a decisão. “Pai, esta é a maneira correta de se fazer as coisas. Nós apoiamos sua decisão”, disse um dos filhos com satisfação. Então, Zhao imediatamente quebrou sua balança e manteve sua promessa de se comportar de forma honesta e de fazer boas ações a partir de então.

No entanto, pouco depois, a família de Zhao enfrentou uma série de infortúnios. Primeiro, seu filho mais velho morreu de uma doença súbita. Em seguida, seu segundo filho também faleceu de uma doença misteriosa e a esposa viúva foi viver com outro homem. Por fim, o terceiro filho também adoece e morre, deixando a esposa grávida.

Tendo passado por tudo isso, Zhao se sentia muito triste e confuso.

“Quando eu enganava os outros, eu vivia uma vida feliz com meus filhos a meu redor”, reclamou ele. “Agora que tento fazer meu melhor para ser uma boa pessoa, todas essas desgraças acontecem. Isso me faz pensar que o antigo ditado chinês ‘o bem será recompensado e o mal sofrerá retribuição’ está completamente errado.”

Os vizinhos de Zhao sentiam pena dele e da família.

Um dia, a nora de Zhao entrou em trabalho de parto, passou-se três dias e o bebê ainda não havia nascido. Parteiras vieram uma após a outra, mas todas pareciam desamparadas e não sabiam o que fazer.

Zhao ficava cada vez mais preocupado. Em meio a tudo aquilo, um monge bateu em sua porta pedindo esmola. A governanta de Zhao tentou afugentar o monge, mas ele lhe disse que tinha um remédio especial para a família. Assim, o monge foi logo convidado a entrar.

“Sou um monge errante. Vou aonde o destino me leva”, disse ele a Zhao. Em seguida, ele mostrou o remédio a Zhao e este pediu à empregada que o levasse imediatamente à nora. Pouco depois, a empregada informou que a nora havia dado à luz um menino após tomar o medicamento.

Zhao ficou encantado e expressou sua gratidão ao monge, organizando um grande banquete em sua honra naquela noite.
Enquanto comiam, Zhao perguntou ao monge, “Mestre, posso lhe incomodar com uma pergunta que me vem confundindo por algum tempo?”, e o monge acenou positivamente com a cabeça.

Com um suspiro profundo, Zhao disse ao monge: “Tenho vergonha de dizer que comecei meu negócio usando uma balança trapaceira para enganar os outros. Eu decidi ser uma boa pessoa no ano passado e destruí essa balança. No entanto, logo após eu destruí-la, comecei a experimentar infortúnios sucessivos.”

“Eu perdi três filhos no decorrer de seis meses e duas de minhas noras nos deixaram. Felizmente, minha terceira nora me deu este neto. Por que eu tinha uma família feliz quando enganava os outros e quando decidi ser uma boa pessoa todas essas desgraças apareceram?”

O monge sorriu após ouvir a história de Zhao e respondeu: “Cuidado com voos fantasiosos. Os céus são realmente justos conosco. Seu primeiro filho era a reencarnação do homem do algodão que morreu após você roubá-lo e seu segundo filho era a reencarnação do herbanário.”

“Seu terceiro filho também veio por causa de suas más ações. Os três vieram ao mundo para arruinar você e sua família e depois fazê-lo morrer de fome na velhice. Mas você resolveu ser correto, os deuses têm mostrado simpatia por você e retiraram seus três filhos. Assim, você foi capaz de escapar de seu destino.”

Ao ouvir isso, Zhao sentiu como se tivesse acordado de um sonho. Ele agradeceu ao monge pela explicação e perguntou ao monge se seu neto também veio para cobrar outras dívidas dele.

“Todos os seus débitos foram pagos com os infortúnios anteriores”, respondeu o monge com um sorriso. “Seu neto trará sorte e felicidade à sua família. Ele terá fama apenas por causa de sua decisão de fazer o bem aos outros.”

Zhao ficou muito satisfeito e se tornou mais determinado a realizar boas ações pelo resto da vida.

Esta história corresponde ao antigo ditado chinês: “Se uma boa família tem tribulações, pode ser que ela esteja pagando o carma ou as dívidas de seus antepassados. Uma vez que o débito seja pago, seus membros desfrutarão de uma vida feliz.”

Este artigo pertence a série “Histórias da antiga China”; para ler outros artigos da série, clique aqui.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016