Companhia internacional Shen Yun se apresenta pela primeira vez no Brasil

2020/01/22

Por Marina Dalila, Epoch Times

O Shen Yun Performing Arts virá pela primeira vez ao Brasil para reviver a cultura tradicional chinesa em um espetáculo de primorosa direção artística, com uma performance orquestral que une o Oriente e o Ocidente. 

A companhia se apresentará em mais de 200 cidades ao redor do mundo durante a turnê de 2020 e fará sua estreia em São Paulo no Unimed Hall.

O Shen Yun é uma organização sem fins lucrativos e não possui vínculos governamentais. A companhia foi formada em 2006 por artistas talentosos que fugiram da perseguição do Partido Comunista Chinês com a missão de reviver a cultura tradicional chinesa, que estava à beira da extinção, e compartilha-lá com o mundo. Os shows do Shen Yun apresentam danças tradicionais étnicas e folclóricas, de acordo com seu website.

O assessor de imprensa do Shen Yun no Brasil, Luís Fernando Novaes, informou que a companhia trará 55 bailarinos e 45 músicos. Luís informou também que ao contrário da imagem que se tem de que as pessoas não se vestiam bem no passado, o Shen Yun apresenta figurinos fidedignos com as vestimentas do passado, usando inclusive o material que era utilizado na época, como a seda.

Para completar, o Shen Yun utiliza uma tecnologia gráfica de ponta, a equipe responsável pelo fundo digital patenteado do Shen Yun cria cenários animados, estendendo o palco e transportando o público para um mundo onde o céu e a terra se tornam um.

Uma orquestra sinfônica peculiar 

A orquestra do Shen Yun é a primeira do mundo a combinar permanentemente instrumentos clássicos ocidentais e orientais. Instrumentos chineses antigos, como o erhu, que é conhecido como violino chinês e o pipa, um dos instrumentos de corda mais antigos da China,  conduzem a melodia no centro de uma orquestra ocidental completa, composta por instrumentos de corda, percussão, sopro e metais, de acordo com o website da empresa. 

Leeshai Lemish durante uma entrevista ao American Thought Leaders, em janeiro de 2020 (Epoch Times /American Thought Leaders)

A combinação musical de melodias orientais tradicionais com a poderosa orquestração ocidental é pioneira e todas as composições originais do Shen Yun têm sido elogiadas por músicos e críticos renomados, conforme publicado em seu website.

Proibição na China

Embora o Shen Yun seja uma companhia de artes cênicas de primeira classe e se apresente nos teatros do mundo inteiro, ela está proibida de se apresentar na China, pois o Partido Comunista chinês considera a cultura tradicional como uma ameaça à sua ideologia e, durante décadas, vem tentando destruí-la, de acordo com o website da empresa.

Leeshai Lemish, mestre de cerimônias do Shen Yun desde o início, disse que essa interferência afeta a companhia de artes cênicas desde a sua fundação, há mais de uma década. “Comecei a perceber que, enquanto nos apresentávamos em todo o mundo, todos os tipos de fenômenos que normalmente não se espera que aconteçam em uma empresa de artes cênicas ocorreram”, disse ele durante uma entrevista no programa American Thought Leaders.

Leia também:

O presidente da Associação Falun Dafa no Brasil, João Marchesini Junior, disse que “o Shen Yun tem a coragem de mostrar o que está acontecendo na China hoje, uma das coisas mais impactantes na história atual da China, que é a perseguição ao Falun Gong. Uma prática de meditação chinesa baseada em Verdade, Benevolência e Tolerância, que desde 1999 está sendo perseguida brutalmente pelo regime chinês”.

Sucesso de crítica e de público

De Tóquio a Paris, Sydney a Nova Iorque, as performances ao vivo do Shen Yun recebem aplausos estrondosos e elogios com casa cheia em todos os lugares. Membros da plateia voam de outros países ou dirigem centenas de quilômetros para ter a oportunidade de assistir ao espetáculo. 

Leeshai Lemish salientou que o “espetáculo é muito positivo, que não há uso de cores escuras e que faz com que as pessoas que o assistam, que muitas vezes são VIPs ou Congressistas, saiam emocionadas, o que é algo muito inspirador. Pois toda a equipe trabalha muito para que um novo espetáculo seja feito a cada ano”.

Pianista brasileiro sente-se elevado pelo espírito dos dançarinos do Shen Yun
Homero Capatti assistiu ao Shen Yun no Blaisdell Concert Hall em Honolulu, Havaí, em 5 de maio de 2019 (Sally Sun / The Epoch Times)

O pianista brasileiro Homero Capatti ficou encantado com a música e a dança apresentadas pelo Shen Yun Performing Arts em Honolulu, no Havaí.“É uma produção surpreendente, e vale a pena ver”, disse ele.

A atriz vencedora do Oscar Cate Blanchett ficou impressionada após assistir ao espetáculo com seu marido e filhos e disse que o show é “Primorosamente belo. Uma experiência extraordinária para nós e para as crianças”.

Cate Blanchett no Festival de Cannes de 2018 (Joan Hernandez Mir)

O presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Dante Mantovani, concedeu uma carta de congratulação ao Shen Yun pelos serviços prestados pela companhia para o desenvolvimento das artes em todo o mundo.

Inspiração no divino

Shen Yun significa a beleza dos seres divinos dançando e através de dança e da música, os artistas de Shen Yun ilustram uma época em que seres divinos caminhavam sobre a terra, deixando para trás uma cultura que inspirou gerações.

A sabedoria chinesa antiga, que era de espiritualidade e valores budistas e taoístas, deu origem a tudo, desde inovações médicas a ópera, dança, arquitetura e até artes marciais. Mas após décadas de domínio comunista, grande parte dessa cultura divinamente inspirada foi destruída ou esquecida, conforme registrado em seu website.

João Marchesini disse que o Shen Yun não é “apenas um show, não é apenas entretenimento, é cultura, e resgata valores para a sociedade. Tem um impacto bastante positivo. Você sai do show impactado, impressionado com coisas positivas que você leva para sua vida”.

A companhia se apresentará pela primeira vez no Unimed Hall (Antigo Credicard Hall) na Avenida das Nações Unidas, 17955, São Paulo, SP 04795-100, São Paulo de 30 de janeiro a 2 de fevereiro.