Como três líderes chineses rejeitaram o Partido Comunista

Antes da renúncia ao Partido Comunista Chinês se tornar um movimento de massa, três dos principais líderes do Partido tentaram registar sua rejeição ao Partido retirando-se dele.

Quando o Epoch Times publicou a série editorial “Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês” em novembro de 2004, um nervo foi tocado no povo chinês. A série ajudou a ver mais claramente a verdadeira natureza e história do Partido, e a população respondeu em massa. Desde 2004, mais de 154 milhões de chineses renunciaram sua participação no PCC e em organizações afiliadas.

Três pessoas, que tiveram a oportunidade de conhecer o Partido Comunista Chinês (PCC) como poucos, foram os ex-líderes chineses Hua Guofeng e Zhao Ziyang e o ex-vice-presidente Rong Yiren. Um capítulo pouco conhecido da história do PCC é a forma como cada um deles, até o final de suas vidas, procurou retirar-se do Partido.

Zhao Ziyang

Zhao Ziyang foi um primeiro-ministro reformista que serviu sob Deng Xiaoping entre 1980-1987 e foi secretário-geral do PCC entre 1987-1989. Ele foi destituído de suas posições em maio de 1989 e colocado sob prisão domiciliar por sua simpatia com os manifestantes estudantis na Praça da Paz Celestial. Ele permaneceu em prisão domiciliar por quase 16 anos, até sua morte em janeiro de 2005.

De acordo com a mídia online Kan Zhongguo, uma fonte com acesso aos altos escalões do PCC disse que Zhao apresentou sua renúncia duas vezes a Jiang Zemin, o sucessor de Zhao como secretário-geral do PCC. Jiang, que apoiou a repressão contra os estudantes na Praça da Paz Celestial e que se dedicou a perseguir dissidentes após o massacre na Praça em 4 de junho de 1989, nunca respondeu aos pedidos de Zhao.

Hua Guofeng

Em 1978, Hua Guofeng foi o líder supremo do PCC. Ele ocupou os cargos de secretário-geral do Partido, presidente do Comitê Militar Central e presidente do Conselho de Estado. Ele também se dizia filho ilegítimo de Mao Tsé-tung e subiu rapidamente nas fileiras do Partido com o patrocínio de Mao.

A revista Chengming de Hong Kong informou que, em 2001, Hua, que era membro do Comitê Central, não compareceu no 16º Congresso Nacional do PCC. Pouco depois, Hua emitiu pela primeira vez seu pedido para sair do PCC.

Em conferência de imprensa em 6 de novembro de 2001, realizada pelo Ministério das Relações Exteriores da China, um jornalista japonês perguntou a Zhu Bangzao, o porta-voz do Ministério: “Hua Guofeng pediu para sair do Partido?”

Zhu respondeu: “Isso está além da minha alçada. Nunca pergunte esse tipo de questão em futuras conferências de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.” A evasiva de Zhu fez observadores acreditarem que os relatos de que Hua pediu para sair fossem verdadeiros.

Em 2005, vários meios de comunicação informaram que Hua apresentou o mesmo pedido ao então secretário-geral Hu Jintao. Hua acusou o PCC de trair os legítimos direitos dos agricultores e trabalhadores de colarinho azul, enquanto representava os interesses de funcionários corruptos e capitalistas.

De acordo com reportagens da mídia, o administrador de gabinete, o secretário, o guarda-costas e o motorista de Hua também pediram para sair do PCC junto com ele.

Rong Yiren

Rong Yiren morreu em 26 de outubro de 2005. No funeral, seu caixão foi coberto com a bandeira do PCC, um tratamento decoroso geralmente dado a membros do Comitê Permanente do Politburo, o grupo de elite no topo do Partido. Se os desejos de Rong tivessem sido respeitados, o Partido nunca teria podido reivindicá-lo como um dos seus desta forma.

De acordo com um artigo de novembro de 2005 na revista Trend de Hong Kong, Rong pediu quatro vezes para se tornar um membro do Partido. Os três primeiros pedidos foram rejeitados porque o PCC acreditava que Rong poderia ser mais útil ao PCC como um aliado não-partidário.

Rong era um rico empresário e conselheiro econômico leal ao Partido. Em 1978, após a decisão de Deng Xiaoping de abrir a economia chinesa, Rong configurou a organização que ajudou a trazer o investimento inicial do Ocidente para a China.

Rong eventualmente obteve sua filiação ao Partido na quarta aplicação em abril de 1985.

Mais tarde, Rong pediu três vezes para se retirar do Partido. A primeira vez foi em resposta ao massacre da Praça da Paz Celestial em 4 de junho de 1989. Antes disso, ele havia pedido a liderança do Partido que negociasse com os estudantes.

Ao invés de punir Rong por romper com a linha do Partido; em 1993, ele foi feito vice-presidente do Congresso Popular Nacional.

Seu segundo pedido foi feito depois de uma briga com Jiang Zemin em 1996. Numa reunião do Politburo, Rong criticou a corrupção do Partido, e suas observações teriam ofendido Jiang Zemin. Depois de mais uma disputa com Jiang em junho de 2000, Rong solicitou pela terceira vez sair do PCC.

Na manhã de 19 de novembro de 2005, nas últimas horas de Rong, ele fez uma declaração final, dizendo que um partido político, que perdeu seus princípios, não é regido pela lei, se distancia da população e busca apenas dinheiro e lucros, é impossível.

 
Matérias Relacionadas