Como silenciar a sua mente

Você já notou a pequena voz dentro de sua cabeça que constantemente está executando uma narração como em um jogo de futebol de sua vida? É essa voz que incessantemente embala sua vida, preparando verbalmente sua experiência para transmissão para outro ouvinte não identificado.

Acabei de fazer um retiro silencioso de oito dias e, aparentemente, meu narrador interno não recebeu o memorando de que era hora de ficar em silêncio. Durante os primeiros cinco dias, a voz não parou de falar, nem mesmo para captar a respiração imaginária. Com precisão obsessiva, ela me explicou o que estava fazendo, como eu havia me transformado e quais lições espirituais aprendi. Mais uma vez, meu narrador interno repetiu minha experiência para mim, preparada para compartilhar e me certificar de que eu tinha tudo mentalmente empacotado.

É uma coisa estranha: enquanto estamos tendo uma experiência, a voz em nossa cabeça está simultaneamente descrevendo, explicando e comentando isso. Geralmente, ela ainda fornece um resumo do evento e o que aconteceu antes, durante e depois de seu desdobramento.

Muitas vezes, a narração é tão fiel à própria experiência que nos perguntamos se poderia haver uma experiência sem um relatório junto. Sem reconhecimento, pensamento e comentários internos simultâneos, isso realmente aconteceu?

Também é interessante notar que nosso comentador tem uma identidade própria. Tem uma certa linguagem, estilo e tom, uma certa consistência temática e textural. Como um roteirista de Hollywood, nossa voz interior tende a trabalhar em um gênero particular – tragédia, comédia, drama ou filme noir, por exemplo.

Você já se perguntou por que nossa mente está nos dizendo o que estamos fazendo? E por que nossa mente é tão inflexível sobre como descobrir escrever e embalar a história da nossa vida?

Presença de espírito

A mente tende a acreditar que somos feitos somente de mente – que sem sua presença sentida, nós, e tudo mais, deixaria de ser; que uma mente sem serviço, uma experiência sem pensar, equivale a inexistência. A mente cria a história de um “eu” como um objeto em nossa consciência. Ao fazê-lo, mantém tanto a experiência do eu, como a experiência de si, o que acredita ser necessário para garantir a sobrevivência.

Ao narrar implacavelmente a história de nós mesmos (para nós mesmos), nossas mentes estão tentando tornar a vida, e nós, em algo sólido, cognoscível e constante. Ao criar um personagem principal chamado “eu” que está vivendo algo chamado “minha vida”, a mente tenta transformar a natureza efêmera e sempre em mudança do ser em algo que pode ser entendido, gerenciado e controlado. Isso toma a vida, da qual somos inseparáveis, e a divide em duas coisas diferentes: um “eu” e uma “vida”. Então, nos tornamos aparentemente distintos e reais. Nós literalmente pensamos que nosso “eu” existe.

 (pathdoc/Shutterstock)
(pathdoc/Shutterstock)

E, portanto, isso levanta as perguntas: há uma desvantagem em viver com esse narrador interno? E temos que viver assim? É uma parte e uma porção da condição humana? As respostas são um sim redondo, e também um não. Sim, há uma desvantagem, e não, não estamos condenados a viver deste jeito para sempre.

A primeira desvantagem de ter o narrador interno é que ele pode ser intensamente agitado e dispersivo. Existe um ruído constante em primeiro e segundo plano de nossa vida, como se tivéssemos um mosquito (ou um serrote) no ouvido, que não podemos silenciar ou ignorar.

Mas, em um nível mais profundo, o narrador está no caminho da sua verdadeira vida em primeira mão, em toda sua riqueza. Você está relegado a viver a descrição do seu narrador, uma representação mental do real, como obter um cartão postal do Grand Canyon em lugar de estar lá. A voz então continua a oferecer comentários sobre a narração, e você está agora a duas camadas de distância da experiência direta de vida.

(Aila Images/Shutterstock)
(Aila Images/Shutterstock)

Você também pode notar que a voz em sua cabeça apresenta sua própria versão de sua vida como uma verdade. Relata sua história de vida como se fosse a realidade real existente no mundo objetivo. É libertador, no entanto, perceber que o relato do narrador sobre o que está acontecendo está apenas em sua mente. Não é real em um sentido objetivo, mas sim é outra história sobre uma história – que começa e acaba dentro de sua própria consciência. A boa notícia é que você não precisa viver assim, com um gerente intermediando você e a vida.

Se você já esteve profundamente envolvido em uma atividade, você pode ter experimentado o que é referido como o estado do fluxo. No fluxo, estamos tão comprometidos com o que estamos fazendo que deixamos de estar conscientes de nós mesmos. Nós nos tornamos absorvidos pela experiência. Toda a noção de tempo e um “eu” separado desaparecem. E descobrimos que, mesmo quando a mente não existe na auto-referência, não desaparecemos, o que sugere que somos mais do que a mente. A consciência permanece mesmo quando perdemos o sentimento do si mesmo. E, curiosamente, tais experiências são aquelas que mais tarde descrevemos como totalmente gratificantes, felizes e até divinas. As experiências em que nos envolvemos são as que mais desejamos.

Como silenciar a voz

O remédio para a pequena voz na nossa cabeça tem três etapas. Primeiro, temos que ficar tão cansados com a narração, que decidimos que não estamos dispostos mais a ouvir ou viver por ela. Uma vez que isso acontece, devemos começar a notar o narrador e nos conscientizarmos de que sua voz é um objeto que aparece em nossa consciência. E, finalmente, devemos estabelecer uma intenção clara e feroz e desejar experimentar a vida diretamente através dos nossos sentidos, e não apenas receber um relatório sobre isso. Nos comprometemos a mergulhar profunda e diretamente no oceano da vida.

Ouvir a pequena voz em sua cabeça é um hábito concedido, um hábito com raízes profundas, instintos de sobrevivência e muito tempo de prática; entretanto, é um hábito. Com desejo, disposição e intenção, qualquer hábito pode ser alterado. Cada vez que você notar a voz em sua cabeça, pratique um novo hábito – o hábito de viver diretamente sua vida. Primeiro, pausar e celebrar um momento de consciência; o fato de que você está ouvindo a voz significa que há outra parte que está despertando – o verdadeiro você.

Em seguida, mova sua atenção, intencionalmente, de sua cabeça (que é onde nossa energia geralmente é focada) para seu corpo. Convide seu corpo a relaxar conscientemente. Tome e sinta uma respiração profunda. A partir daí, execute uma reviravolta de sentido: observe o que você está vendo, ouvindo, sentindo, cheirando ou saboreando. Experimente cada um, um por vez. E, finalmente, sinta sua própria presença física, o sentimento de vida em seu corpo (não da sua mente). Com esta prática, a pequena voz em sua cabeça ficará mais silenciosa e menos implacável, e a vida se tornará mais vívida, satisfatória e, em última instância, real.

Nancy Colier é psicoterapeuta, ministra inter-religiosa, autora, oradora e líder de oficinas. Ela é uma blogueira regular da Psychology Today e de The Huffington Post. Colier está disponível para psicoterapia individual, treinamento de atenção plena, conselhos espirituais, proferir palestras em público e oficinas, e também trabalha com clientes em todo o mundo via Skype. Para mais informações, visite NancyColier.com

Leia também:
Entrevista com Brené Brown sobre aceitar nossas vulnerabilidades

 
Matérias Relacionadas