Como o regime chinês planeja destruir nossas liberdades civis

O desejo do PCC por domínio global não é fruto da nossa imaginação, é uma realidade

Por John Mac Ghlionn

A Hong Kong de apenas uma década atrás está irreconhecível no país de hoje. Com o Partido Comunista Chinês (PCC) ocupado revisando currículos universitários, o patriotismo coletivo substituiu a liberdade individual; a lealdade a Pequim não é apenas esperada, é obrigatória. A recusa em obedecer, na maioria das vezes, resulta em punição.

Até agora, a repressão do PCC em Hong Kong foi tão brutal quanto abrangente. Em julho, cinco fonoaudiólogos foram presos por uma alegada “conspiração para distribuir materiais sediciosos”. Na realidade, os cinco indivíduos, todos membros do Sindicato Geral dos Fonoaudiólogos de Hong Kong, publicaram vários livros infantis ilustrados. De acordo com o PCC, os terapeutas estavam tentando “incitar o ódio” entre as crianças. “Não pense que estes são simples livros de histórias”, disse o superintendente sênior da Polícia de Hong Kong, Steve Li, a membros da imprensa. “Esses três livros contêm muitos materiais sediciosos”, disse ele. Eles não os fizeram. Os cinco terapeutas simplesmente pintaram um quadro preciso de Hong Kong. Os regimes autoritários, como todos sabemos, têm pouca consideração pela verdade.

Hong Kong, um lugar outrora celebrado pela tolerância e pela abertura de espírito, está rapidamente se tornando um lugar de intolerância e de política partidária e paroquial. Em 19 de setembro, ela mergulhou ainda mais no abismo antidemocrático. De acordo com o sistema “apenas patriotas” do PCC, a elite política, pouco mais do que “ fantoches ” para aqueles em Pequim, começou a selecionar um novo comitê que acabará por selecionar o novo líder apoiado pelo PCC em Hong Kong.

Depois que Pequim aprovou a lei de Hong Kong, o território começou a se transformar em uma “sociedade que se aproxima das descrições orwellianas atribuídas à China continental, onde a dissidência é prontamente extinta e penalizada”, de acordo com Kevin Drew, editor-gerente assistente do US News. Em outras palavras, Hong Kong não é diferente de qualquer outro lugar da China continental.

Drew conversou com Dennis Kwok, um membro da Escola de Governo Kennedy de Harvard e ex-legislador em Hong Kong. Quando questionado sobre o fim do território, Kwok disse: “Acho que a comunidade internacional obviamente vê Hong Kong como … um alerta sobre os acordos internacionais que você assinou com a China e as implicações disso”. Ele continuou: “Não tenho certeza se devemos olhar para Hong Kong isoladamente. Devemos olhar para toda a situação em relação à política interna da China, seja em Xinjiang, em Hong Kong ou … sua política para Taiwan e o Mar da China Meridional”.

Ativistas pró-democracia seguram um banner com fotos de prisioneiros políticos durante um protesto no distrito de Wan Chai em Hong Kong em 1º de outubro de 2021 (Anthony Kwan / Getty Images)

Kwok também discutiu o antagonismo do PCC em relação à Austrália, bem como a detenção arbitrária de dois canadenses, Michael Kovrig e Michael Spavor (no mês passado, os dois homens foram autorizados a retornar à sua terra natal). “Acho que tudo isso precisa ser analisado em todo o contexto para entender o que a China está fazendo”, acrescentou.

Kwok está, claro, correto. O que acontece em Hong Kong não fica mais em Hong Kong. O desejo do PCC por domínio global não é fruto da nossa imaginação. É uma realidade. Com sua Iniciativa Um Cinturāo, Uma Rota (BRI, também conhecida como “One Belt, One Road” Cinturāo e Rota), a China tem vários países consideravelmente comendo em sua mão. De acordo com um relatório emitido pelo Green BRI Center, nos últimos 18 meses, “acelerados pela pandemia COVID-19”, um número crescente de clientes do BRI “viram sua dívida soberana se tornar insustentável”. Países como Congo, Djibouti e Angola têm uma grande dívida com Pequim. Eles não estão sozinhos: o Paquistão deve US$ 20 bilhões a Pequim; o Quênia deve 7,5 bilhões; a Etiópia deve US$ 6,5 bilhões; e a PDR do Laos, com um PIB de US$ 18 bilhões, agora deve US$ 5 bilhões.

Parafraseando o escritor francês François Rabelais, dívidas e mentiras são muitas vezes as duas faces da mesma moeda. Com sua BRI, a China vendeu mentiras caras a vários países. As vítimas não têm outra opção a não ser pagar a conta. Então, novamente, como a Evergrande, eles poderiam optar por deixar de efetuar seus pagamentos. Esperemos que sim.

De qualquer forma, quer os países mencionados paguem ou não suas enormes dívidas, a influência de Pequim é inegável. Na verdade, a presença do PCC pode ser sentida em quase todos os países do mundo. Para piorar as coisas, como observou o jornalista John Xie, Pequim agora controla “mais portos de embarque do que qualquer outro país”. Com “100 portos em pelo menos 60 nações”, o PCC está ocupado buscando mais. A importância desses centros de transporte nunca pode ser enfatizada o suficiente. Como mostra a pesquisa, os portos desempenham um papel essencial na estabilidade econômica de um país. Afinal, quem controla a água controla o mundo.

O controle vicioso do PCC sobre a sociedade não conhece limites. Não apenas controla várias nações poderosas, mas o PCC também exerce uma influência nefasta sobre algumas das organizações mais poderosas do mundo. Como mostrou a Observer Research Foundation, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a China são parceiros íntimos no crime, com a primeira ajudando a última a encobrir as origens da COVID-19.

No ano passado, a China, um dos piores infratores dos direitos humanos no planeta, conquistou uma cadeira no Conselho de Direitos Humanos da ONU. A ficção simplesmente não pode competir com a realidade. Conceder à China um lugar no conselho é o equivalente a dar a Alexander Lukashenko, o ditador bielorrusso, um Prêmio Nobel da Paz. Mais recentemente, de acordo com vários relatórios altamente confiáveis, os funcionários do Banco Mundial mudaram os dados para melhorar a classificação da China. Fomos informados de que as mudanças foram feitas  por ordem de Jim Yong Kim, então presidente do Banco Mundial, e Kristalina Georgieva, então presidente-executiva. Supõe-se que Pequim aplicou um alto grau de pressão sobre Kim e Georgieva.

Isso nos traz de volta ao estado de deterioração das coisas em Hong Kong – os eventos lá não devem ser vistos isoladamente. Na verdade, nada que o PCC faça deve ser visto isoladamente. Pessoas que duvidam da crescente influência internacional do regime chinês fariam bem em tirar a cabeça da areia .

As visões expressas neste artigo são de responsabilidadse do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas