Como o monopólio farmacêutico da China deixa o mundo vulnerável

Coronavírus revela dependência da China pelos Estados Unidos para suprimentos médicos e de proteção

Por Maya Carlin

O regime chinês chocou o mundo este ano com sua má conduta flagrante e acobertamento de eventos cruciais que levaram ao surgimento e disseminação da COVID-19. As tentativas de ação e táticas de Pequim resultaram diretamente na rápida disseminação do novo coronavírus, no colapso das economias regionais e na incapacidade dos países de se preparar e responder com eficácia ao surto. Ainda mais preocupante, enquanto os países lutavam para lidar com o fardo do vírus, o regime usou seu monopólio farmacêutico como uma ferramenta para reprimir a dissidência contra seu comportamento perigoso.

A pandemia de COVID-19 expôs ao povo americano a dependência de nosso país e do mundo dos medicamentos essenciais e cadeias de suprimentos da China. Na verdade, a realidade do monopólio da China sobre matérias-primas essenciais e produção industrial é muito pior do que geralmente se conhece.

De acordo com a médica especialista Rosemary Gibson, o Partido Comunista Chinês (PCC) “exibiu um padrão de manipulação deliberada e perigosa de drogas vendidas nos Estados Unidos e em outros países por razões econômicas”. Sua análise recente no novo livro do Center for Defense Policy, “Defense Against Biological Threats: O que podemos aprender com a pandemia de Coronavirus para melhorar as defesas da América contra pandemias e armas biológicas”, detalha meticulosamente o a ladainha dos monopólios farmacêuticos e as estratégias de guerra de Pequim para desarmar os Estados Unidos e seus outros adversários contra as ameaças biológicas.

Desde o início da pandemia, a China tem produzido e exportado produtos defeituosos em todo o mundo, enfraquecendo significativamente a resposta do governo e dos hospitais. Como Gibson detalhou, o Reino Unido e os Estados Unidos receberam milhões de kits de testes defeituosos da China. As máscaras N-95, batas hospitalares, instrumentos cirúrgicos e respiradores exportados pela China foram contaminados. Em maio, o governo Trump proibiu 66 empresas chinesas de exportar máscaras médicas para os Estados Unidos devido a deficiências.

A COVID-19 também expôs o domínio da China na produção global de matérias-primas usadas para criar medicamentos essenciais e antibióticos. Pequim atualmente produz 90% dos ingredientes dos medicamentos usados ​​para cuidar de pacientes com coronavírus em estado crítico. Como a demanda por suprimentos aumentou no início de março, os países perceberam sua posição extremamente vulnerável, dependendo de um único país para medicamentos essenciais.

Embora os Estados Unidos sejam um líder internacional em pesquisa, a maior parte da fabricação de medicamentos e suprimentos médicos foi transferida para o exterior. A última fábrica de fermentação de penicilina da América fechou em 2004, deixando a China para preencher essa lacuna. Gibson explica que o “cartel da penicilina” de Pequim intencionalmente despeja produtos no mercado mundial a preços abaixo do mercado, forçando fábricas ao redor do mundo a fecharem suas portas. A China fornece atualmente 90% dos antibióticos dos EUA.

Ciente dessa dependência, a China continua a lançar ameaças de reter medicamentos e suprimentos preventivos para os Estados Unidos e outros países que criticam a culpabilidade do regime pela pandemia.

De acordo com a Xinhua, a agência de mídia estatal em Pequim, as autoridades chinesas têm a capacidade de impor controles de exportação de produtos farmacêuticos que enviariam os Estados Unidos para o “inferno de uma nova epidemia de coronavírus”. Em abril, a China também ameaçou negar ajuda à Holanda por mudar o nome de seu escritório em Taiwan para incluir a palavra Taipei.

As implicações do monopólio farmacêutico da China para a segurança nacional são surpreendentes. As constantes ameaças do regime chinês de reter medicamentos essenciais destacam os perigos de centralizar a cadeia de abastecimento global em um país; especialmente um governado pelo bastião autoritário do PCC. Como os países pretendem se preparar melhor para a próxima pandemia, a diversificação das bases de manufatura deve ser priorizada.

A análise incisiva de Rosemary Gibson em seu livro é uma leitura obrigatória para a compreensão dessa terrível e crescente ameaça à vida e à segurança global.

Maya Carlin é analista do Center for Security Policy, com sede em Washington, DC. Ela também é candidata a mestrado em contraterrorismo e segurança nacional na Lauder School of Government do IDC Herzliya, em Israel.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas