Como Mao radicalizou camponeses para matar proprietários

Durante várias semanas pessoas foram levadas ao frenesi por quadros do Partido em comícios públicos, depois armados com paus, enxadas ou mesmo armas

Por Jack Phillips

A palavra para hoje é “classicida”, que significa “extermínio de uma classe” ao invés de etnia, raça ou religião.

O termo é apropriadamente aplicado a um período desconhecido e pouco relatado da história chinesa que começou no final dos anos 1940 e terminou no início dos anos 1950. Pouco antes de o líder do Partido Comunista Chinês, Mao Tsé-Tung, assumir o poder, um associado de Mao em 1948 proclamou a intenção do Partido Comunista: “30 milhões de proprietários de terras e camponeses ricos terão que ser destruídos”.

Mao, ao contrário dos soviéticos—que usaram as forças do NKVB/KGB para realizar perseguições políticas—mobilizou o próprio campesinato chinês para matar proprietários de terras e outras classes consideradas privilegiadas. Surgiu em 1946, depois que os comunistas de Mao conquistaram os corações de milhões de camponeses chineses pobres e de classe alta, lançando uma campanha de reforma agrária. No entanto, havia um obstáculo no caminho de seus esforços de redistribuição de terras: os proprietários das terras.

Logo depois que a reforma agrária se tornou uma política da recém-formada República Popular da China, o biógrafo de Mao, Philip Short, disse que os camponeses liderados por Mao “pularam violentamente para a esquerda”. Milhões de pessoas morreram.

Mao, em 1949, foi acusado de ser um ditador, mas Mao disse que era essa a intenção. “Meus queridos senhores, vocês estão certos, isso é exatamente o que somos”, escreveu ele, de acordo com o China File, um projeto do Centro de Relações EUA-China na Asia Society. De acordo com Mao, os comunistas no poder podem ser ditatoriais contra “cães que correm do imperialismo”, “a classe dos latifundiários e a burocracia-burguesia” e “reacionários e seus cúmplices” que estavam associados ao Kuomintang, da oposição. Claro, os comunistas decidiram quem se qualificaria como um “cachorro correndo”, um “reacionário” ou mesmo um “senhorio”.

De acordo com o China File, “proprietários” era apenas um rótulo conveniente promovido por Mao e o partido comunista:não havia latifundiários ali, apenas camponeses, alguns deles mais ricos do que outros. A violência que irrompeu não foi espontânea, mas cuidadosamente orquestrada. Durante várias semanas, as pessoas foram levadas ao frenesi por quadros do Partido em comícios públicos, depois armados com paus, enxadas ou mesmo armas, e desencadeada sobre aqueles que tinham um pouco mais de educação, ou um pouco mais de terra, ou uma moradia um pouco melhor.

Nesse tipo de selvageria (pense no que aconteceu aos judeus nas aldeias polonesas sob o domínio nazista), a ganância, a inveja e os ressentimentos pessoais são instintos humanos úteis para os funcionários explorarem. Visto que as categorias de classe eram freqüentemente tão arbitrárias e os instigadores da violência geralmente vinham de fora, as pessoas na verdade eram colocadas umas contras as outras, amigos contra amigos, filhos contra pais. Esse era o objetivo do exercício. Por meio da violência organizada, o Partido tornou todos cúmplices do caos que provocou. O objetivo era romper o tecido da vida tradicional chinesa, deixando o Partido como o único foco permitido de lealdade e autoridade.

De acordo com o historiador Frank Dikötter, que narrou meticulosamente a brutalidade de Mao: “Muitas das vítimas foram espancadas até a morte e algumas baleadas, mas em muitos casos foram torturadas primeiro para que revelassem seus bens—reais ou imaginários”.

Não está claro exatamente quantos morreram, de acordo com R.J. Rummel em “China’s Bloody Century: Genocide and Mass Murder Since 1900”, mas ele postula que cerca de 4,5 milhões de proprietários de terras e camponeses relativamente abastados morreram nas campanhas de reforma agrária. Short, entretanto, estima que possivelmente 1 milhão de proprietários e suas famílias foram mortos, mas o número de mortos “pode ter sido duas, possivelmente três vezes maior”.

O número de mortes de Rummel, disse ele, é corroborado por relatórios individuais, incluindo um de um professor de uma escola católica de uma pequena vila de cerca de 800 habitantes, que disse que 20 proprietários foram executados. Um oficial comunista chinês estimou que até 190.000 foram executados na província de Guangxi. O próprio Mao afirmou que apenas 800.000 proprietários de terras e camponeses ricos foram mortos.

Independentemente de quantos morreram, “dentro de três anos da fundação da” China comunista, “proprietários de terras como uma classe coesa, que dominou a sociedade rural” desde a Dinastia Han há mais de 2.000 anos, “simplesmente deixaram de existir”, disse Short.

Classicide foi apenas um dos muitos métodos que Mao e os subsequentes líderes do Partido Comunista Chinês usaram para atingir grupos em várias campanhas de apropriação de terras.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento.

Veja a série completa de artigos aqui.

As opiniões expressas neste artigo são opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas