Como a mentalidade molda nosso corpo

O estresse também nos leva a buscar consolo, e para muitos de nós isso significa comida

Por Conan Milner, Epoch Times

Esta é uma das grandes ironias da era moderna: somos uma cultura obcecada com a magreza, mas somos mais gordos do que nunca. Desde a década de 1980, o percentual de adultos obesos dobrou e a porcentagem de crianças obesas triplicou.

Sabemos o que evitar: açúcar, gorduras trans, um estilo de vida sedentário e outros fatores que foram promovidos como contribuintes claros para essa epidemia. Então, por que continuamos engordando?

Segundo a editora de saúde Nancy L. Bryan, é porque estamos negligenciando a causa raiz: nossa mentalidade.

O impacto que nossa mentalidade tem em nosso corpo é um assunto que fascinou Bryan por décadas. Seu livro “Thin Is A State Of Mind: The No-Stress Weight Loss Guide” – Magro é um estado de espírito – guia de emagrecimento sem stress -, foi publicado pela primeira vez em 1980. Ela diz que suas idéias foram consideradas “hippies” naquela época, mas que continuam causando impacto até hoje.

Nos últimos 40 anos, a pesquisa validou muitas de suas observações.

“Estas são agora as principais ideias”, disse Bryan.

O título do livro de Bryan não quer dizer que você só precisa desejar um corpo esbelto para se tornar magro. Em vez disso, ela aponta evidências de que nossos pensamentos realmente modelam nosso corpo.

Estresse e ansiedade, por exemplo, podem estimular substâncias químicas promotoras de gordura. É por isso que o hormônio do estresse, o cortisol, também é conhecido como o hormônio da gordura da barriga – porque a região abdominal freqüentemente incha com surtos crônicos de cortisol.

Os cientistas não sabem exatamente por que isso acontece. Uma hipótese é que, quando nossos ancestrais vivenciaram períodos prolongados de estresse, isso significava que suas vidas estavam em perigo, de modo que seus corpos respondiam criando uma gordura abdominal extra para proteger os órgãos vitais.

A resposta ao estresse é sobre sobrevivência – lutar ou fugir – uma reação extrema reservada para situações de emergência. Mas hoje, parecemos nunca desligar. Embora a vida de hoje seja, em muitos aspectos, muito mais fácil do que no passado, também enfrentamos mais situações que nos deixam estressados e temos menos paciência para lidar com elas. Dívida, trânsito, política polarizada, incontáveis ​​distrações e cobertura detalhada da última crise no ciclo de notícias de 24 horas podem nos levar a produzir surtos contínuos de cortisol ao longo do dia.

A insatisfação com nossos corpos aumenta esse mosaico moderno de estresse. É frustrante ser gordo, especialmente em uma cultura consciente da imagem em que a flacidez é considerada um pecado mortal. Podemos dizer a nós mesmos que a aparência não importa, amaldiçoar os padrões de beleza irrealistas ou nos camuflar sob roupas escuras e sujas, mas nunca podemos escapar do julgamento, especialmente do nosso.

Essa mentalidade de estresse e ansiedade nos acompanha quando decidimos perder peso com uma abordagem autopunitiva: forçar-nos a uma rotina de exercícios excessivamente zelosos, restringir nossa dieta a um nível infeliz e nos sentirmos inúteis quando não podemos nos ater ao estrito regime. Cada desapontamento contribui com outra dose de cortisol.

“Nós estabelecemos um estado de espírito errado”, disse Bryan. “Nós nos preparamos para falhar.”

Mentalidade reacionária

O excesso de peso e a falta de exercícios são fatores significativos no ganho de peso, mas Bryan os vê mais como sintomas do que como causas.

Por exemplo, quando nossa resposta ao estresse é ativada, nossa inflamação aumenta, levando a músculos doloridos e articulações. Se dói se mexer, você terá menos – talvez zero – motivação para se exercitar.

O estresse também nos leva a buscar consolo, e para muitos de nós isso significa comida.

Bryan recorda um padrão em toda a sua vida de comer demais sempre que a vida era dura. Seu último episódio de estresse começou há quatro anos após a morte do marido. Ela percebeu que estava ficando mais gorda, mas estava com o coração partido demais para parar.

“Então, um dia, percebi que, nesse momento específico da minha vida, eu estava comendo para manter meu pesar fora da minha consciência”, disse ela. “Eu estava usando comida como narcótico.”

Segundo a Dra. Jacquie Lavin, chefe de nutrição e pesquisa da Slimming World, uma organização de perda de peso no Reino Unido, também disponível nos EUA, examinar as razões emocionais por trás das quais consumimos mais do que deveríamos e nos entregamos não é essencial para superar esses impulsos doentios.

“Você tem que recuar e pensar: quais são as coisas que você precisa para se apoiar em sua vida? O que você pode fazer para aumentar sua confiança? Como você pode enfrentar seu estresse e suas ansiedades? Ao fazer isso, você provavelmente sentirá que o processo de perda de peso é muito mais fácil ”, disse Lavin.

Sem explorar os gatilhos emocionais que nos mantêm gordos, a única estratégia que temos é a força de vontade: uma mentalidade baseada na autonegação que não aborda a causa raiz da compulsão. Algumas pessoas podem enfrentar a força de vontade por anos, mas não é um método sustentável a longo prazo. Quando a força de vontade acaba cedendo, e isso sempre acontece, o peso inevitavelmente retorna.

No processo de adotar uma nova mentalidade saudável, você precisa superar a resistência dos padrões antigos. Lavin vê dois obstáculos comuns entre aqueles que lutam com seu peso: o perfeccionismo e a rebeldia.

Os perfeccionistas veem a perda de peso como um esforço de tudo ou nada, onde comer um único biscoito é considerado um grande desastre. Devastados por esse pequeno fracasso, desistem e retornam aos seus velhos hábitos.

Os rebeldes encontram todos os motivos para evitar fazer o que lhes é dito. Mesmo que um programa estabelecido de exercícios e alimentação funcione bem para os outros, o rebelde suspeito certamente o arruinará. Porque eles não têm confiança em sua capacidade de seguir adiante, eles rotineiramente sabotam seu progresso.

Para acalmar o perfeccionista, diz Lavin, precisamos ser gentis e compassivos. Em vez de nos sujeitarmos à dura crítica interna, devemos nos tratar como um bom amigo.

No processo de adotar uma nova mentalidade saudável, você precisa superar a resistência dos padrões antigos.
“Porque você nunca iria bater o seu amigo, não é?” Ela disse. “Se você encontrasse seu amigo comendo donuts, você daria a ele apoio e tranquilidade. Você dizia: “Você escorregou um pouco, mas amanhã você voltará ao caminho certo.” Basta dizer isso para você mesmo.

Para domar o rebelde, Lavin recomenda que as pessoas entendam seus próprios gatilhos pessoais e desenvolvam seu próprio plano para superá-los.

“Quando as pessoas decidem qual ação irão tomar, isso as torna mais propensas a alcançá-las, porque as ações são delas”, disse ela.

Dar tempo ao processo

Será que uma abordagem compassiva lhe dará o corpo de praia dos seus sonhos no verão? Provavelmente não, particularmente se você tiver sofrido anos de autocrítica e se voltado habitualmente para a comida como sua principal fonte de conforto. Mudanças no corpo e na mentalidade levarão tempo.

Mas o tempo é um luxo que muitos de nós sentimos que não podemos pagar. Pessoas que lutam com peso estão frequentemente ocupadas cuidando dos outros e acreditam que não têm tempo nem energia para devolver a si mesmas.

No entanto, Lavin diz que se investirmos algum tempo em nós mesmos, isso pode nos ajudar a ter mais controle sobre nossas vidas.

“Se você está comendo uma dieta saudável, dormindo melhor e perdendo peso, todas essas coisas vão reduzir seu nível de estresse e tirar você deste ciclo vicioso”, disse Lavin.

Embora seja possível perder peso em um curto espaço de tempo, os especialistas dizem que quem passa por um processo mais lento tem mais chances de permanecer magro a longo prazo. Se adotarmos uma rotina mais razoável e aprendermos a recuperar de nossos fracassos, criaremos um estilo de vida com o qual poderemos conviver.

Bryan recomenda aprender meditação para ajudar nesse processo, porque acalma a mente reacionária e nos coloca em contato com nosso verdadeiro eu.

A meditação também promove o pensamento geral. Quando vemos que nosso peso é desencadeado pelo estresse, podemos ser mais indulgentes com relação a nós mesmos. Isso nos permite algum espaço extra para que uma nova mentalidade se instale.

 

 
Matérias Relacionadas