Como a eletricidade suja afeta sua saúde

Secadores de cabelo produzem grandes quantidades de eletricidade suja. (Photos.com)

Você se sente cansado ou sofre de sonolência, depressão, aumento da irritabilidade, e dores inexplicáveis, dores de cabeça, erupções cutâneas, zumbido nos ouvidos, dormência, um batimento cardíaco irregular, aumento da pressão arterial, ou um cérebro nebuloso?

Se sim, você pode estar sofrendo de “eletro-sensibilidade”. O Dr. Magda Havas, um renomado especialista internacional em radiação eletromagnética (REM), diz que a “eletricidade suja” é uma preocupação crescente de saúde em todo o mundo.

Hoje, poucos de nós gostaríamos de descartar os nossos dispositivos eletrônicos. Mas antes de pesquisar sobre isto, eu nunca havia percebido como os modernos aparelhos elétricos geram tanta eletricidade suja.

O Dr. Havas diz que eletricidade limpa originalmente alimentava nossos lares e locais de trabalho utilizando uma frequência segura de 60 Hertz (Hz). Hoje, transformadores convertem 60 Hz de baixa tensão para dispositivos eletrônicos. Isto cria micro-ondas de eletricidade suja que contêm até 2.500 vezes a energia de um sistema elétrico convencional de 60 Hz. De fato, nós criamos poluição elétrica, uma contaminação que não é boa para nós.

Eu descobri que é fácil ser enganado pela energia suja se você não for um engenheiro elétrico. Por exemplo, a nossa casa tem vários dispositivos reguladores. Eu ingenuamente acreditava que esta era uma atitude prudente, mas estes dispositivos, juntamente com luzes fluorescentes, lâmpadas que economizam energia, centros de entretenimento elétricos e computadores, geram eletricidade suja. Na verdade, eles geralmente emitem mais exposição eletromagnética do que as linhas de energia.

Se você deseja obter uma maior dose de energia elétrica suja, use um secador de cabelo. Este dispositivo produz até 500 vezes mais REM suja do que os fornos de micro-ondas, fogões elétricos e máquinas de lavar.

A maioria das pessoas não está ciente desta névoa invisível de REM e suas implicações sobre a nossa saúde. Mas isso não engana a vida selvagem. É sabido que pássaros, morcegos e abelhas abandonam as regiões onde são construídas torres de celular.

Cientistas na Rússia tem estado na vanguarda da pesquisa sobre REM. Durante a Segunda Guerra Mundial, eles notaram que os operadores de radar muitas vezes sofriam de sintomas que agora são atribuídos a REM. E durante o auge da guerra fria, eles secretamente bombardearam a embaixada dos EUA em Moscou com radiação de micro-ondas, o que causou doenças radiativas nos funcionários americanos.

Mais tarde, em 2007, uma colaboração de cientistas dos Estados Unidos, Suécia, Dinamarca, Áustria e China divulgou um relatório de 650 páginas citando 2.000 estudos que detalhou os efeitos tóxicos da REM.

Concluiu-se que mesmo a radiação de baixo nível pode prejudicar a imunidade e contribuir para a doença de Alzheimer, demência e doença do coração. Outros estudos relacionaram a REM ao aborto, defeitos de nascimento, suicídio, doença de Lou Gehrig e doença de Parkinson.

Além destes transtornos, há evidências de que a REM provoca câncer. Na Austrália, em 1956, quando a televisão foi introduzida, os pesquisadores documentaram um aumento rápido do câncer em pessoas que viviam perto de torres de transmissão. Na década de 1970, Nancy Wertheimer, um epidemiologista de Denver, observou um aumento de leucemia entre crianças que vivem perto de linhas de energia elétrica. Outros estudos chegaram a mesma conclusão.

Em 1988, a Hydro Quebec contratou pesquisadores da Universidade McGill, para estudar os efeitos na saúde das linhas de energia sobre os trabalhadores. Eles descobriram que os trabalhadores tinham um risco 15 vezes maior de desenvolver leucemia. O utilitário decidiu finalizar o estudo, após os resultados serem publicados!

E sobre o uso de telefones sem fio e celulares? Hoje, com tantas pessoas usando-os, é prudente usar o que é chamado de “princípio da precaução”.

Um estudo sueco sugere que aqueles que começam a usar telefone celular quando adolescentes tem um risco cinco vezes maior de câncer no cérebro do que aqueles que começam quando adultos. Esta informação se correlaciona com o recente estudo da Organização Mundial de Saúde sobre telefones celulares, que identificou a necessidade de mais pesquisas sobre o uso do telefone na adolescência e os tumores cerebrais malignos mortais.

O Dr. Gifford-Jones é um jornalista médico e exerce a medicina numa clínica particular em Toronto, Canadá. Seu website é DocGiff.com

 
Matérias Relacionadas