Como a China está Isolando sistematicamente Taiwan na América Latina

"Todas as ações econômicas da China são politicamente motivadas"

Por Autumn Spredemann

A dinâmica de poder geopolítico entre China e Taiwan está incorporada em como as relações se desenvolvem na América Latina. A China continua expandindo sua influência na região através do comércio e do investimento, ao mesmo tempo em que aliena e mina sistematicamente os poucos aliados de Taiwan no processo.

“Todas as ações econômicas da China são politicamente motivadas”, disse Edwardo Hoffman, economista da América Latina, ao Epoch Times.

Embora seus aliados na região estejam diminuindo, Taiwan está trabalhando para fortalecer os laços com países amigos como Paraguai, Honduras, Guatemala e Belize.

Atualmente, existem apenas 14 países no mundo que reconhecem a autonomia da nação insular.

Em 31 de março, uma delegação do Paraguai se reuniu com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, e assinou dois memorandos voltados para a promoção de investimentos e exportações, a prevenção da gripe suína africana e uma carta de intenções de cooperação quanto a política industrial entre as duas nações.

Os representantes paraguaios que participaram da reunião foram o Ministro da Indústria e Comércio, Luis Alberto Castiglioni, o Vice-Ministro da Indústria, Ramiro Samaniego, e a Vice-Ministra das Exportações, Embaixadora Estefania Laterza.

Autoridades da agricultura e pecuária, juntamente com membros da União Industrial Paraguaia, também estiveram presentes para uma série de discussões entre 28 de março e 1º de abril.

O presidente eleito paraguaio, Mario Abdo Benítez (D), cumprimenta a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em sua casa em Assunção, no dia 14 de agosto de 2018 (Norberto Duarte/AFP/Getty Images)
O presidente eleito paraguaio, Mario Abdo Benítez (D), cumprimenta a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em sua casa em Assunção, no dia 14 de agosto de 2018 (Norberto Duarte/AFP/Getty Images)

Ing-Wen expressou a esperança de aprofundar e fortalecer de forma abrangente as relações entre os dois países e promover conjuntamente a prosperidade e o desenvolvimento.

Além disso, o Chefe de Estado destacou que desde que a cooperação econômica entre Paraguai e Taiwan entrou em vigor em 2018, ambos os países desfrutaram de um crescimento contínuo no comércio bilateral.

Durante o pior da pandemia, Taiwan foi rápido em oferecer apoio às nações amigas da América Latina.

Em 2020, o presidente da Guatemala, Alejandro Eduardo Giammattei, expressou sua gratidão pela doação de Taiwan de suprimentos críticos para a pandemia, como kits de teste para a COVID-19, máscaras cirúrgicas, termômetros infravermelhos, equipamentos e sistemas hospitalares de detecção automática. A nação centro-americana reafirmou sua solidariedade com Taipei em dezembro de 2021.

Autoridades que representam a presidente de Honduras, Xiomara Castro, também prometeram apoio a Taiwan em dezembro passado, marcando uma notável mudança de atitude em relação às promessas de campanha de desenvolver ainda mais as relações com a China. A nação insular também doou US $3 milhões em ajuda a Honduras durante o auge da pandemia em 2020.

No entanto, alguns especialistas dizem que manter aliados na América Latina não tem nada a ver com gestos de boa vontade, mas sim com dinheiro.

O analista Fernando Menéndez disse ao Epoch Times que quando se trata de criar alianças na região, a China tem uma vantagem óbvia devido ao tamanho de seus investimentos.

“O objetivo dos países latino-americanos, em última análise, é se industrializar. A China entrou e ajudou a fazer isso acontecer”, disse ele.

Pequim investiu um total de US $83 bilhões entre 2005 e 2020, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

Além disso, o governo chinês aumentou os empréstimos para países latino-americanos.

Em 2020, o China Development Bank e o China Export-Import Bank forneceram 94 empréstimos no valor de US $137 bilhões, a maioria deles para Venezuela, Brasil, Equador e Argentina.

Isso se traduz em uma influência substancial, mas sutil, sobre os governos da região.

El Salvador cortou os laços com Taiwan em agosto de 2018 sob o ex-presidente Salvador Sánchez Cerén. Pouco depois, em novembro, Pequim concordou em dar à nação centro-americana US $150 milhões durante a visita diplomática de Sánchez Cerén à China.

“Este encontro histórico entre os governos da República Popular da China e da República de El Salvador deu excelentes resultados. Isso confirma que o estabelecimento de relações diplomáticas com a China é a decisão mais importante do meu governo em política externa”, disse Cerén.

Menos de um ano depois, Nayib Bukele assumiu o cargo e rapidamente se juntou à Iniciativa Cinturão e Rota da China.

Em dezembro de 2021, a Nicarágua seguiu o exemplo e rompeu relações com Taiwan em favor da China. O ministro das Relações Exteriores, Denis Moncada, foi contundente em sua resposta à súbita mudança de rumo em direção à China na diplomacia.

“O governo da República da Nicarágua reconhece que existe apenas uma China no mundo… a República Popular da China é o único governo legítimo que representa toda a China.”

Em agradecimento, a China prometeu mais de US $500 milhões para ajudar a desenvolver a infraestrutura elétrica da Nicarágua.

As grandes contribuições de dinheiro que são doadas ou emprestadas a um país logo após a desistência de Taiwan não se limitam à Nicarágua ou El Salvador. É uma tendência estabelecida na América Latina.

É assim que Pequim influencia gradualmente, mas continuamente, nações em dificuldades: usando a mesma “diplomacia do dólar” que os Estados Unidos são criticados por empregar.

O ditador venezuelano Nicolás Maduro (E) e o líder chinês Xi Jinping durante uma reunião no Palácio Presidencial Miraflores, em Caracas, em 20 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ/AFP via Getty Images)
O ditador venezuelano Nicolás Maduro (E) e o líder chinês Xi Jinping durante uma reunião no Palácio Presidencial Miraflores, em Caracas, em 20 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ/AFP via Getty Images)

Hoffman diz que a tática é colonialismo com qualquer outro nome. “Eles [China] entraram como todas as outras entidades capitalistas e coloniais estrangeiras no passado. Dizem que são diferentes, mas a abordagem é a mesma”.

Pequim não foi discreta em expressar suas opiniões sobre Taiwan, que considera uma província rebelde.

Durante o Congresso Nacional do Povo, em 7 de março de 2021, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse: “Taiwan acabará retornando ao abraço da pátria”.

Além disso, os movimentos estratégicos da China na região chamaram a atenção de Washington, o que alguns especialistas dizem ser uma questão de segurança nacional.

O analista Dr. Evan Ellis diz que o financiamento do populismo autoritário pela China perto das fronteiras dos EUA cria uma ameaça significativa. Em segundo lugar está a possibilidade de aumento da presença de outros rivais norte-americanos na região, como Rússia e Irã.

Preocupações com a crescente influência da China foram expressas em um relatório do Congresso de novembro de 2021, que destacou o aprofundamento das relações políticas e militares estratégicas com regimes autoritários na América Latina.

Mencionou-se que o “retrocesso democrático” é excepcionalmente frequente na Bolívia, Equador e Venezuela.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas