Comitê consultivo do CDC se reúne para tratar da síndrome incomum em americanos vacinados

Por Zachary Stieber

Um comitê consultivo dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças ( CDC ) dos Estados Unidos se reunirá nesta quinta-feira para revisar os dados relacionados aos casos de uma síndrome incomum que algumas pessoas que receberam a vacina COVID-19 estão apresentando.

O Comitê Consultivo em Práticas de Imunização, um painel formado por especialistas médicos e de saúde pública que emitem recomendações de vacinas, ouvirá funcionários sobre a ocorrência da síndrome de Guillain-Barré em americanos que receberam a vacina COVID-19 da Johnson & Johnson, de acordo com um resumo do programa.

Os palestrantes incluem Dr. Narayan Nair, funcionário da Food and Drug Administration, Dr. Nicola Klein, Kaiser Permanente Northern California e Dr. Grace Lee, membro do painel que preside o Subgrupo Técnico de Segurança de Vacinas.

Nair analisará os dados do Sistema de Relatórios de Efeitos Adversos de Vacinas, para o qual qualquer pessoa pode enviar relatórios de efeitos adversos e que é usado por funcionários federais detectarem tais efeitos pós-vacinação. Klein discutirá dados do Vaccine Safety Datalink, que usa informações de nove grupos de saúde, incluindo a Kaiser Permanente. Lee apresentará os dados do subgrupo que preside.

Após uma discussão com o público, a Dra. Hannah Rosenblum, oficial do CDC, discutirá o benefício versus o risco de receber a vacina Johnson & Johnson.

A síndrome de Guillain-Barré é uma doença neurológica rara. O sistema imunológico das pessoas afetadas ataca por engano parte do sistema nervoso. Os resultados podem incluir fraqueza muscular e, em alguns casos, paralisia. A maioria das pessoas que contraem a síndrome podem se recuperar totalmente.

Mais de 900 notificações foram relatadas ao Sistema de Relatórios de Efeitos Adversos da Vacina sobre a ocorrência desse distúrbio em pessoas que receberam doses de COVID-19, de acordo com uma revisão dos dados pelo Epoch Times em 21 de julho. Sete desses casos foram fatais, enquanto outros 134 causaram incapacidade permanente, de acordo com relatórios.

A Food and Drug Administration ( FDA ) afirmou na semana passada que “a evidência disponível sugere uma associação entre a vacina Janssen e um risco aumentado de síndrome de Guillain-Barré”, embora a evidência não estabeleça uma relação causal. A Janssen é uma subsidiária da Johnson & Johnson. Nenhum relatório semelhante foi associado às vacinas Moderna ou Pfizer.

Um porta-voz do CDC disse ao Epoch Times que a agência está monitorando relatos da síndrome de Guillain-Barré.

A maioria dos casos nos Estados Unidos foi observada em homens com 50 anos ou mais, cerca de duas semanas após a vacinação.

Os reguladores acreditam que os benefícios conhecidos e potenciais da vacina Johnson & Johnson “superam claramente” os riscos conhecidos e potenciais.

Mesmo assim, a administração acrescentou um alerta sobre a síndrome de Guillain-Barré a um folheto informativo para as pessoas que recebem e administram a vacina.

A reunião de 22 de julho será mais uma em uma série de análises de dados de segurança que emergem conforme o número de eventos adversos relacionados às vacinas COVID-19 aumenta. COVID-19 é a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) .

Autoridades se reuniram no mês passado para revisar dados sobre casos de inflamação cardíaca apresentados após a vacinação e descobriram que os casos estavam bem acima da taxa esperada em homens jovens. O conselho do CDC não ajustou suas recomendações sobre a vacinação de jovens, embora o FDA tenha adicionado um alerta sobre o risco de desenvolver inflamação após receber a vacina da Moderna ou Pfizer.

A maioria dos casos de inflamação apareceu após a segunda injeção de uma vacina de duas doses.

A vacina Johnson & Johnson foi anteriormente associada a coágulos sanguíneos incomuns e baixos níveis de plaquetas no sangue, desencadeando uma suspensão quase nacional de seu uso para imunização. Mas o painel consultivo do CDC recomendou, em uma votação de 10 a 4 , que a pausa fosse suspensa após a revisão dos dados. No site da agência, relatórios recentes “indicam uma relação causal plausível” entre a condição do coágulo sanguíneo e a vacina.

Jack Phillips contribuiu para este relatório.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber
Siga Zachary no Parler: @zackstieber

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 

 

 
Matérias Relacionadas