Começa julgamento de Ghislaine Maxwell, registros do tribunal não são todos públicos

Maxwell enfrenta seis acusações por suposto recrutamento, preparação e abuso de quatro meninas

Por Ken Silva 

Uma ordem judicial de março no caso de Ghislaine Maxwell ressurgiu em meio a críticas sobre a falta de transparência e publicidade no julgamento da acusada por tráfico sexual.

Em 28 de novembro, vários usuários de grande importância do Twitter relataram que a juíza distrital dos EUA, Alison Nathan, ordenou que certas informações “sensacionais e impuras” fossem mantidas fora do alcance do público.

Maxwell, cujo julgamento começou em 29 de novembro, enfrenta seis acusações por suposto recrutamento, preparação e abuso de quatro meninas com o pedófilo multimilionário, Jeffrey Epstein, de 1994 a 2004. Epstein foi encontrado morto em sua cela enquanto aguardava julgamento, no dia 10 de agosto de 2019.

A personalidade midiática, Mike Cernovich, que estava envolvido em litígios para tornar público uma coleção de documentos de Epstein, afirmou que entraria com um processo sobre o assunto se as informações fossem verdadeiras.

No entanto, mais tarde foi revelado que Nathan havia realizado sua exigência durante o procedimento pré-julgamento.

“Isso é diferente de qualquer coisa que sairá no julgamento”, advogado de Cernovich, Marc Randazza, escreveu no Twitter ao saber que a exigência aconteceu previamente ao julgamento.

A ordem em questão veio de Nathan, em 18 de março, em resposta às propostas de ambas as partes. O Departamento de Justiça (DOJ) apresentou um memorando de lei e várias exposições um mês antes, e as partes contestaram quais informações deveriam tornar-se públicas. Maxwell se opôs a certas revisões que o DOJ havia proposto enquanto tentava incluir revisões adicionais dela mesma.

O DOJ declarou na época que suas revisões propostas foram “estritamente adaptadas para cobrir informações que envolvem os interesses de privacidade de terceiros”, bem como informações que afetam outras investigações em andamento. As objeções de Maxwell não são públicas, mas a decisão de Nathan afirma que “o cerne das objeções” foi porque a informação redigida já havia sido tornada pública por outros meios.

Nathan concordou com o DOJ, permitindo que as informações em disputa permanecessem redigidas.

“As revisões dos objetos [de Maxwell] se relacionam com os interesses de privacidade de terceiros. … E embora a ré sustente que algumas das informações contidas nas revisões são públicas, ela não fornece nenhuma prova nesse sentido”, declarou a juíza em sua decisão. “Como resultado, o tribunal conclui que os interesses de privacidade significativos em jogo justificam as revisões limitadas e estreitamente adaptadas”.

Além disso, Nathan permitiu outras revisões propostas por Maxwell. Não está claro o que foi redigido a pedido de Maxwell, mas a juíza afirma que a mesma informação também é mantida em segredo em seu processo civil.

“Essas partes da transcrição, que foram editadas na matéria civil, tratam-se de interesses de privacidade e sua divulgação serviria apenas para atender a um ‘desejo pelo que é sensacionalista e impuro’”, afirmou a juíza. “O Tribunal conclui, portanto, que tais revisões são justificadas”.

As revisões do tribunal civil podem referir-se a uma ordem de janeiro da juíza distrital, Loretta Preska, que determinou que certos detalhes das relações sexuais de Maxwell com adultos podem permanecer secretos.

A ordem de Nathan, em março, gerou indignação online, mas Randazza a analisou e declarou que “à primeira vista, pelo menos parece que esta juíza demonstrou seu trabalho e pode até ter acertado”.

Junto com a controvérsia sobre os registros redigidos, vários críticos questionaram por que o julgamento de Maxwell não está sendo transmitido na televisão quando casos mais controversos, como o de Kyle Rittenhouse, foram. Os tribunais federais normalmente não permitem a transmissão de julgamentos.

O julgamento começou em 29 de novembro com a seleção do júri e declarações iniciais. De acordo com um repórter do Miami Herald que cobria o julgamento, houve atrasos no início porque um jurado aparentemente esqueceu-se de comparecer, dois outros não puderam ser encontrados por um período de tempo e um terceiro citou dificuldades financeiras por não servir.

Uma quarta jurada afirmou que seu marido a surpreendeu com férias.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas