Comandante do Indo-Pacífico dos EUA: China está atacando regras da ordem internacional

Por Chriss Street, Epoch Times

O comandante dos Estados Unidos, almirante Philip Davidson, concedeu uma entrevista no quartel-general de seu Comando Indo-Pacífico para afirmar que a China está atacando as normas da ordem internacional.

O domínio do mar é reconhecido como a base da segurança nacional americana. O oficial militar dos Estados Unidos responsável por 52% do planeta é o almirante Phillip Davidson. Como Comandante do Indo-Pacífico, ele dirige diretamente os 375 mil militares e civis americanos ligados à Frota do Pacífico, que consiste de cerca de 200 navios, incluindo cinco grupos de ataque de porta-aviões, duas Forças Expedicionárias do Corpo de Fuzileiros Navais, quase 1.100 aeronaves e numerosos grupos de Operações Especiais.

Em 17 de julho, o almirante Davidson concedeu à Breaking Defense uma entrevista oficial em seu escritório no Quartel General do Comando, em Honolulu, Havaí, para fornecer mais informações sobre o Livro Branco do Departamento de Defesa dos Estados Unidos intitulado “Relatório Estratégico sobre a região” Indo-Pacifico”, publicado em 1º de junho. O relatório catalogou pela primeira vez a “República Popular da China como Potência Revisionista”, que sob a liderança do Partido Comunista Chinês (PCC) “solapa o sistema internacional a partir de dentro, tirando proveito de seus benefícios e, ao mesmo tempo, corroendo valores e princípios de ordem baseados em regras”.

Em resposta à preocupação da Breaking Defense de que o Livro Branco possa ter sinalizado o lançamento de uma política de contenção de uma “Nova Guerra Fria” contra a China, o almirante Davidson concordou que a República Popular da China (RPC) deve agora ser repreendida por discriminar grupos minoritários no país, participar do roubo cibernético da propriedade intelectual, reivindicar ilegalmente a soberania sobre o Mar da China Meridional e procurar militarizar o espaço exterior.

Davidson enfatizou que a política atual não é “conter” a China da mesma maneira que os Estados Unidos detiveram a União Soviética; os Estados Unidos preferem incentivar a China a prosperar e tirar seu povo da pobreza. Mas a “ordem internacional está sendo atacada pela China” e os Estados Unidos consideram que isso representa uma “divergência fundamental de valores”.

Os exemplos mais visíveis dessa divergência são a “militarização pela China de várias ilhas artificiais no Mar do Sul da China, desafiando os tribunais internacionais”; os maus tratos aos muçulmanos uigures no oeste da China; e os protestos do povo de Hong Kong.

O pior pode ser a “política econômica predatória por trás da iniciativa chinesa ‘Um Cinturão, Uma Rota’, que ignora as regras de transparência da OMC e que atrai de maneira corrupta os países para uma armadilha de endividamento que os obriga a comercializar sua soberania para evitar a inadimplência”.

Davidson sugeriu que, com relação à modernização militar da China, “acho que é justo dizer que a China frequentou a escola do ‘modo americano de travar uma guerra'”. Os chineses não estão apenas modernizando o equipamento, mas “a estrutura geral das bases que estão montando” no Pacífico Ocidental é uma imitação de toda a capacidade militar conjunta da Marinha dos Estados Unidos.

As principais armas implantadas ou em desenvolvimento pelos chineses que competem com os Estados Unidos incluem “sistemas de mísseis balísticos e de cruzeiro, aviões de combate e bombardeiros modernos, porta-aviões, navios e submarinos modernos, navios de assalto anfíbios, sistemas de mísseis terra-ar, sistemas de guerra eletrônica, mísseis anti-satélite com subida direta e impacto mortal”.

Davidson acredita que o progresso da China no espaço é profundo: “Em 2000, a China tinha apenas 10 satélites em órbita e este ano lançará mais satélites do que qualquer outra nação do planeta. Isso melhorará muito as capacidades dos chineses em termos de comunicações, vigilância e sistemas espaciais ofensivos, possivelmente ameaçando nossos ativos espaciais”.

O fato de o Departamento de Defesa ter publicado o Livro Branco e oferecido ao Almirante Davidson uma entrevista oficial sobre a evolução da ameaça militar da RPC, parece ter sido estruturado para enviar uma mensagem ao povo americano de que “a velha estratégia suposta de que a China seria mais liberal através da integração mais estreita com a ordem internacional baseada em regras simplesmente não funcionou.”

 
Matérias Relacionadas