Com olhos na China, legisladores da UE começarão a fiscalizar investimentos

Por Reuters

ESTRASBURGO, França – Os legisladores da União Europeia apoiaram maciçamente um amplo sistema para coordenar o escrutínio de investimentos estrangeiros em 14 de fevereiro, principalmente da China, para proteger tecnologias estratégicas e infraestrutura na Europa.

A votação foi de 500 votos a favor, 49 contra e 56 abstenções.

Sob o plano, que foi desenvolvido à medida que os investimentos chineses aumentaram, a Comissão Europeia investigará os investimentos estrangeiros em setores críticos e dará sua opinião sobre se eles prejudicam os interesses europeus.

A China não é citada na legislação proposta, mas as reclamações de seus apoiadores sobre investimentos de empresas estatais e transferências de tecnologia são claras referências a Pequim.

“Todas as potências do mundo – os Estados Unidos, o Canadá, o Japão e a China – tiveram seus sistemas de triagem, os Estados Unidos com o CFIUS desde 1975. Apenas a Europa não tinha um sistema de triagem”, disse Franck Proust, o principal legislador da Unidão Europeia sobre o plano, na véspera da votação.

“Nós não estamos querendo barrar o investimento estrangeiro. Ele é essencial para os países da União Europeia, precisamos dele. É prestar atenção aos investimentos que são estranhos, que não fazem sentido econômico, mas são políticos”.

A proposta, exigida pela França, Alemanha e o governo anterior da Itália, enfrentou inicialmente a oposição de alguns países da União Europeia, incluindo Grécia, Chipre, Malta e Portugal.

Alguns dos oponentes receberam bem o investimento chinês, como a Grécia. Seu maior porto, Piraeus, é de propriedade majoritária da COSCO Shipping da China.

No entanto, o humor mudou em parte. A União Europeia está agora analisando a empresa de telecomunicações chinesa Huawei, preocupada com seus laços com o regime chinês e com a suspeita de que Pequim poderia usar sua tecnologia para espionagem.

Membros do Parlamento Europeu queriam uma triagem mais rigorosa do que a inicialmente proposta pelo executivo da União Europeia, como obrigar a Comissão a iniciar o rastreamento se um terço dos membros da União Europeia expressasse preocupação e exigisse cooperação dos países da União Europeia.

Eles também estenderam a lista de “setores críticos” para incluir a indústria aeroespacial, saúde, nanotecnologia, mídia, baterias elétricas e fornecimento de alimentos.

O sistema não exigiria que países individuais realizassem a triagem. Atualmente, metade dos países da União Europeia tem um sistema em vigor. Aqueles que o fizerem terão de informar outros membros da União Europeia e a Comissão, caso selecionem um investimento. Todos terão de fornecer um relatório anual à Comissão.

As opiniões da Comissão podem responder às preocupações de que a segurança de infraestruturas vitais possa ser comprometida ou que inovações que levaram anos de pesquisa dispendiosa poderiam ser perdidas para mãos estrangeiras.

No entanto, os países da União Europeia, e não a Comissão, ainda tomariam decisões definitivas sobre a possibilidade de bloquear investimentos estrangeiros sob a nova lei, que entrará em vigor em outubro de 2020.

Por Philip Blenkinsop

 
Matérias Relacionadas