Colômbia é sitiada por narcoterroristas marxistas

Se o principal aliado dos Estados Unidos cai, a América Latina vai junto

Por Fergus Hodgson, María Fernanda Cabal

Guerrilhas organizadas e um regime totalitário tentam derrubar o governo legítimo da Colômbia, o mais importante aliado dos Estados Unidos na América Latina.

Financiada com narcodólares e motivada pelo poder e ideologia marxista, essa aliança terrorista espalhou uma percepção equivocada: a violência massiva nas cidades colombianas, que disparou em 28 de abril, começou como uma oposição espontânea a uma proposta tributária. O presidente Iván Duque anulou a reforma em 2 de maio, mas os cercos ilegais e os ataques a delegacias de polícia não pararam.

O golpe passou despercebido em uma audiência em 1º de julho no Congresso da Comissão de Direitos Humanos Tom Lantos. O que os participantes da audiência não conseguiram entender foi a barbárie, habilidade e astúcia do inimigo. A Antifa e a Zona Autônoma do Capitólio de Seattle são brincadeira de criança em comparação com infratores reincidentes, ricos cartéis de drogas e regimes antiamericanos. Recentemente, eles bloquearam Cali, uma cidade com mais de 2 milhões de habitantes. Isso paralisou 90% do transporte público e do acesso ao aeroporto e porto de Buenaventura.

A ligação com a Venezuela

O ímpeto da violência na Colômbia – depois de levantes semelhantes na Bolívia, Chile e Equador – vem especialmente da ditadura da Venezuela, cuja miséria causou o maior êxodo da história da América Latina. O regime há muito tenta dominar a Colômbia e, em 2004, Hugo Chávez da Venezuela e Fidel Castro de Cuba criaram a Aliança Bolivariana como um contrapeso à influência regional dos Estados Unidos.

Agora, com Nicolás Maduro no poder, o primeiro objetivo do regime venezuelano é a derrubada do governo Duque. O segundo objetivo é uma assembleia constituinte semelhante à da Venezuela em 1999 e à do Chile neste ano. O terceiro é a instalação de figuras políticas de narcotraficantes e guerrilheiros, como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e o Exército de Libertação Nacional (ELN). Em 7 de abril, Diosdado Cabello, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela, advertiu : “Se tivermos uma guerra (…) com a Colômbia, vamos travá-la em seu território”.

A Colômbia não é estranha aos terroristas marxistas e traficantes de drogas – frequentemente possuem um – e esteve a ponto de sucumbir a eles da década de 1980 ao início dos anos 2000. O Plano Colômbia apoiado pelos Estados Unidos, iniciado em 1999, e um presidente assertivo, Álvaro Uribe, no cargo entre 2002 e 2010, obrigou os narcoterroristas a se retirarem.

Em 2016, os eleitores colombianos rejeitaram qualquer acordo com as FARC, que só merece punição. No entanto, o então presidente Juan Manuel Santos cedeu às guerrilhas e concedeu-lhes anistia e benefícios, incluindo cadeiras no Congresso, por depor publicamente as armas. O acordo com as FARC passou a mensagem de que a violência funciona, e as chamadas FARC dissidentes retomaram o caminho de onde seus camaradas haviam parado. As FARC 2.0 expandiram suas operações e encontraram refúgio na Venezuela, assim como o ELN.

Negociar com terroristas era um erro na época, e seria agora. No entanto, as instituições colombianas – especialmente a polícia e os esquadrões de choque – estão sobrecarregados. A Colômbia enfrenta uma guerra, não só por causa da violência, mas por causa do custo econômico. O Ministério da Fazenda estima que as perdas diárias com a revolta, que já está em seu segundo mês, sejam de 125 milhões de dólares, 2,8 bilhões no total.

Notícias falsas alimentam o discurso do inimigo

Como observou Joseph Humire, do Centro para uma Sociedade Livre e Segura, “esta é uma ameaça que a Colômbia não pode resolver sozinha”. O problema internacional obriga a uma solução internacional, que exige derrotar a desinformação na mídia.

É aqui que entidades estrangeiras ricas apoiaram o levante. Em três dias desde a convocação de protestos de 28 de abril, mais de 7.000 bots da Rússia e de Bangladesh assolaram as redes sociais e ampliaram o discurso socialista. Eles distorceram a realidade ao criar centenas de notícias falsas, incluindo vídeos manipulados, para colocar as organizações de direitos humanos contra a polícia.

Além de clamar por reformas policiais, os sindicatos agressivos aproveitaram o ultraje e ganharam simpatia internacional com a retórica das propostas progressistas: uma renda básica universal, uma universidade gratuita e uma teoria monetária moderna, entre outras.

Duque já apoiou reformas policiais, então elas já são incongruentes. Elas não podem acontecer em um dia, e atacar a a polícia quando eles estão sendo literalmente bombardeados é uma receita para minar totalmente o Estado de Direito.

O dinheiro das drogas paga as contas

Por trás da cortina de fumaça dessas propostas e eventos está o narcotráfico. Maduro, segundo as autoridades norte – americanas , chefia o Cartel dos Sóis, o mais poderoso da região, apoiado pelo Estado venezuelano. Os narcotraficantes pretendem unificar suas operações em um território que abrange os oceanos Atlântico e Pacífico, o que significa conquistar a Colômbia.

Os fluxos ilícitos por via terrestre, em meio a uma anarquia semelhante à da Venezuela, aumentariam significativamente. Se a Colômbia cair nas mãos dos narcotraficantes, isso prejudicará a segurança de toda a região.

A Colômbia é sitiada por uma máfia de guerrilheiros urbanos que se escondem atrás da miragem de protestos progressistas. Embora a mídia internacional não tenha apresentado a situação com precisão, os legisladores não podem se dar ao luxo de observar a Colômbia com um ponto cego sobre os usurpadores.

Fergus Hodgson é diretor da Econ Americas. María Fernanda Cabal é senadora colombiana.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas