Coletivismo, individualismo e política de esquerda-direita

O individualismo é um sistema de liberdades inerentes conhecido como direitos naturais inalienáveis

Por Cid Lazarou

O consenso político dominante coloca socialistas e progressistas à esquerda, moderados ou centristas no centro, e capitalistas e conservadores à direita.

Anteriormente, expliquei que é impreciso tratar fascistas e comunistas como opostos, porque ambos são totalitários. Portanto, é irracional considerá-los contrários quando cada um acredita que “o poder dá direitos”. Historicamente, embora ambos sejam também formas de socialismo, muitos ainda discutirão sobre as diferenças semânticas entre os dois.

Neste artigo, vou propor uma maneira de romper com a política de uma maneira que, embora não sem suas falhas, seja mais racional do que o pensamento convencional.

Coletivismo

Além da natureza totalitária do comunismo e do fascismo (juntamente com suas origens socialistas), ambos compartilham outra semelhança: o coletivismo.

Infelizmente, toda terminologia política está sujeita à apropriação, e isso certamente se aplica neste caso. O coletivismo não é, portanto, qualquer tipo de grupo político.

Existem várias razões pelas quais é benéfico e legítimo que os seres humanos cooperem uns com os outros para obter benefícios mútuos, incluindo a política. Nós não categorizamos todos os grupos políticos como uma forma de coletivismo porque se trata de um sistema muito específico que faz com que os indivíduos estejam subordinados a um grupo, não reconhecendo nenhum direito sem o consentimento da autoridade.

Para os bem informados e honestos, isso deveria estabelecer imediatamente paralelos com o comunismo, o fascismo e outras ideologias totalitárias que tornam a autoridade absoluta.

Os filósofos alternativos colocam o coletivismo do lado esquerdo do espectro político porque ele incorpora a natureza socialista e coletivista do comunismo e do fascismo. O significado de socialismo foi sequestrado por comunistas que não aceitam nenhuma definição além da sua, e vemos como isso se relaciona com o nacional-socialismo, ou o nazismo. Há um grande contra-ataque quando as pessoas colocam o comunismo e o fascismo do mesmo lado do espectro político, especialmente porque os nazistas são tratados como o pior dos males, e os comunistas não querem se associar a isso.

Frédéric Bastiat, filósofo liberal clássico francês do século XIX, abordou esse mesmo problema em sua época. Em sua obra mais famosa chamada “A Lei” (publicada pela primeira vez em 1850), ele afirmou que “o socialismo, assim como as velhas ideias das quais procede, confunde a distinção entre governo e sociedade. Como resultado disso, toda vez que nos opomos a algo que o governo faz, os socialistas concluem que somos contra tudo o que fazem”.

Então, mesmo naquela época, quando o socialismo estava em sua infância, podemos ver como as pessoas da esquerda confundem a terminologia, deixando-nos com uma falsa dicotomia. Quando então pressionamos por uma escolha real que não seja puramente coletivista, a confusão é usada.

Consideremos, então, que nos é concedido um espectro político em que ambos os lados são coletivistas por natureza, não nos deixando nenhuma alternativa genuína. Foi Georg Wilhelm Friedrich Hegel quem descreveu essa estratégia quando estabeleceu uma opção chamada tese, seguida de outra chamada antítese. As pessoas são levadas a acreditar que suas decisões afetam o mundo em que vivem, quando, na verdade, ambos os lados são controlados por forças que nos manipulam em direção a um objetivo preconcebido que Hegel chamou de síntese.

Hegel argumentou que a história era um produto desse conflito entre dois lados que acabaria por convergir para um deles, conhecido como a dialética hegeliana. Entender como isso sustenta a política moderna nos permite ver por que o voto faz pouca diferença para o conjunto — muito mais fácil de ver hoje, quando o Deep State obstrui Trump, ou os eurófilos prejudicam o Brexit.

Individualismo

Mas se o coletivismo ocupa o lado esquerdo do espectro político, o que ocupa o lado direito? A resposta é o individualismo. Assim como o coletivismo, o termo individualismo também é apropriado, neste caso, associado com o egoísmo puro junto com a egomania.

Mas esta é apenas outra forma de pensamento autoritário que substitui a tirania coletiva pela tirania individual; em vez de os indivíduos serem subordinados ao coletivo, o coletivo é subordinado aos indivíduos. No entanto, um oposto não pode ser meramente uma mudança de déspota, de modo que tal definição de individualismo não é suficiente.

O individualismo é, portanto, um sistema de liberdades inerentes conhecido como direitos naturais inalienáveis. John Locke é bem conhecido por explicar isso em sua obra principal, “Segundo Tratado sobre o Governo Civil”, que inspirou a Declaração de Direitos de 1689 na Inglaterra e a Constituição dos Estados Unidos em 1787.

Em vez de conceder ou dar direitos, nascemos com direitos como uma extensão da nossa pessoa. Muitas vezes, isso é conhecido como a diferença entre um direito positivo ou negativo. Um direito positivo é adicionado ao indivíduo, por decreto de autoridade. Por outro lado, um direito negativo não pode ser removido. No entanto, pode ser protegido, como no caso dos direitos naturais inalienáveis.

Uma falsa opção

Ao colocar o coletivismo à esquerda e o individualismo à direita, temos agora um espectro político muito mais racional, que não é simplesmente uma variação do totalitarismo. É fácil perceber por que há interesse em criar uma falsa opção entre duas asas do mesmo pássaro totalitário. Intelectuais globalistas como Carroll Quigley são conhecidos por deixar claro seus sentimentos sobre essa manipulação política.

Em um caso, incluído em seu livro de 1966, “Tragédia e Esperança”, Quigley afirmou: “O argumento de que os dois partidos devem representar ideais e políticas opostas, um, talvez, da direita e o outro da esquerda, é uma ideia absurda aceitável apenas para pensadores doutrinários e acadêmicos. Em vez disso, os dois partidos devem ser quase idênticos, de modo que o povo norte-americano possa ‘expulsar os canalhas’ em qualquer eleição, sem causar mudanças profundas ou extensas na política”.

Como humanidade, devemos aceitar as falsas escolhas que nos tornam escravos involuntários. A democracia não nos salvará dessa armadilha, e muitos têm a impressão de que a “lei das ruas” é de alguma forma superior às ideologias totalitárias, como o comunismo e o fascismo. Somente colocando nossos direitos totalmente fora de alcance podemos realmente impedir o desejo de poder.

O individualismo, quando adequadamente definido, é um passo positivo nessa direção.

Cid Lazarou é blogueiro, escritor e jornalista freelancer do Reino Unido

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas