Cofundador do Hamas morre após disparo acidental próprio

Um dos cofundadores do Hamas morreu na terça-feira, 30 de janeiro, cerca de três semanas após ele atirar em si mesmo enquanto limpava sua arma, disseram autoridades.

Imad al-Alami estava “examinando sua arma pessoal em sua casa” no início de janeiro, quando a arma disparou acidentalmente, baleando-o, disse o Hamas, um grupo que foi listado como uma organização terrorista pelo Departamento de Estado dos EUA desde 1997.

Em 2003, os Estados Unidos chamaram al-Alami de um “terrorista global especialmente designado”, informou a BBC.

O Jerusalem Post informou que ele esteve internado em Gaza até seu falecimento. Inicialmente, o Hamas disse que ele tinha morrido de causas naturais, mas depois admitiu que ele atirou em si mesmo acidentalmente. O porta-voz do Ministério do Interior do Hamas, Iyad Bozm, disse ao jornal que ele disparou contra si “por engano”.

Leia também:
• EUA pressionam Líbano para cortar Hezbollah do sistema financeiro
• Homem mais rico da Arábia Saudita e vinculado a Obama é posto na prisão
• EUA: DOJ anuncia investigação sobre tráfico de drogas do Hezbollah durante gestão Obama

Al-Alami foi descrito pelo Jerusalem Post como um membro “linha-dura” do Hamas que apoiava os “laços com o Irã” do grupo. Al-Alami era um membro do Hamas desde o final da década de 1980 e também o primeiro representante do Hamas no Irã.

“O Hamas era Abu Hamam e Abu Hamas era o Hamas… Ele conseguiu lidar com mudanças e transformações e prescrever políticas e estratégias [apropriadas] para diferentes períodos de tempo”, disse o chefe do Politburo do Hamas, Ismail Haniyeh, sobre o líder.

Durante a guerra entre Israel e o Hamas, ele foi à Turquia para tratamento de sua perna, a qual ele acabou perdendo, relatou a Fox News. O Hamas disse que foi ferido no conflito de 2014.

O Times of Israel informou que al-Alami deixou Damasco para Gaza em 2012, após o início da guerra civil síria. O líder do Hamas manifestou o seu apoio às forças que lutam contra o presidente sírio Bashar al-Assad.

Hamas, Imad al-Alami, suicídio, islã, Irã, Gaza, Palestina, terrorismo - O líder palestino do Hamas, Ismail Haniya (centro-esq.), carrega o corpo do líder sênior do Hamas, Imad al-Alami, durante seu funeral na mesquita al-Omari na cidade de Gaza em 30 de janeiro de 2018 (Mahmud Hams/AFP/Getty Images)
O líder palestino do Hamas, Ismail Haniya (centro-esq.), carrega o corpo do líder sênior do Hamas, Imad al-Alami, durante seu funeral na mesquita al-Omari na cidade de Gaza em 30 de janeiro de 2018 (Mahmud Hams/AFP/Getty Images)

De acordo com a Newsweek, ele também teria laços com o grupo militante libanês Hezbollah, um grupo patrocinado pelo Irã, bem como seu líder, Hassan Nasrallah. O Hezbollah também foi classificado como um grupo terrorista pelo Departamento de Estado dos EUA em 1997.

NTD Television

Leia também:
• Opinião: Trump envia poderosa mensagem aos transgressores no mundo
• Irã: iranianos arriscam suas vidas pedindo fim do regime islâmico
• Político israelense diz que Obama deve devolver Prêmio Nobel da Paz
• O que Trump tem feito para prevenir Irã de adquirir uma arma nuclear
• Líbano está à beira do precipício, novamente
• Guerra ao terror muda seu alvo para finanças

 
Matérias Relacionadas