Coca-Cola oferece treinamento para funcionários sobre como ‘ser menos branco’, afirma denuncia

Por Jack Phillips

Os funcionários da Coca-Cola aparentemente são obrigados a receber treinamento sobre como ser “menos branco” para combater o racismo, de acordo com fotos postadas online por um suposto denunciante.

Não está exatamente claro onde as fotos foram capturadas. As imagens mostram o  treinamento intitulado: “Confrontando o Racismo. Compreender o que significa ser branco. Desafiar o que significa ser racista”.

“Seja menos opressor, seja menos arrogante, seja menos certo, seja menos defensivo, seja menos ignorante, seja mais humilde, ouça, acredite, rompa com a apatia, rompa com a solidariedade branca” são listados como meios para se tornar “menos branco”, de acordo com para as fotos mas não explica como realizar essas coisas.

“Nos Estados Unidos e em outras nações ocidentais, os brancos são socializados para se sentirem inerentemente superiores por serem brancos”, afirma um dos slides. A pesquisa mostra que por volta dos 3 aos 4 anos, as crianças entendem que é melhor ser branco.

O slide parece concluir: “Tente ser menos branco”.

Harmeet K. Dhillon, um advogado conservador, escreveu que os slides parecem mostrar “flagrante discriminação racial” contra os brancos. A comentarista política conservadora Candace Owens convocou os funcionários a abrirem processos contra a corporação.

“Se uma empresa corporativa enviasse um kit de treinamento instruindo os negros como ‘ser menos negros’, o mundo implodiria e processos judiciais se seguiriam”, escreveu ela no Twitter . “Espero sinceramente que esses funcionários processem a @CocaCola por racismo e discriminação flagrantes. ”

A Coca-Cola divulgou um comunicado em seu site sobre as fotos e tentou se distanciar do material.

“O vídeo e as imagens atribuídos a um programa de treinamento da Coca-Cola não fazem parte do currículo de aprendizagem da empresa”, diz uma declaração da empresa intitulada “Declaração sobre a Diversidade, Equidade e Inclusão de Treinamento da The Coca-Cola Company”.

A empresa sediada em Atlanta acrescentou: “Nosso treinamento global Better Together é parte de um plano de aprendizagem para ajudar a construir um local de trabalho inclusivo. É composto por várias vinhetas curtas, cada uma com alguns minutos de duração. O treinamento inclui acesso à plataforma de aprendizagem do LinkedIn em uma variedade de tópicos, incluindo diversidade, equidade e inclusão. O vídeo em questão estava acessível na plataforma LinkedIn Learning, mas não fazia parte do currículo da empresa. Continuaremos a ouvir nossos funcionários e a refinar nossos programas de aprendizagem conforme apropriado”.

A Coca-Cola confirmou à Newsweek que o curso faz parte de sua formação.

Funcionários da Coca-Cola não responderam imediatamente a um pedido do Epoch Times para comentar.

Os slides parecem se basear fortemente na teoria racial crítica, uma ideologia de inspiração marxista que reinterpreta a história como uma luta entre os brancos e outras raças, rotulando as pessoas – geralmente brancas – como “opressores” e todas as outras etnias como “oprimidas” diante da cor de sua pele. A teoria ecoa a divisão marxista da sociedade baseada na classe e reimagina a “luta de classes” baseada na raça, gênero e orientação sexual.

A teoria se infiltrou em escolas públicas, universidades, locais de trabalho e no governo federal nos últimos anos. Isso desencadeou alertas de defensores da liberdade de expressão e conservadores, com o ex-presidente Donald Trump emitindo uma ordem em 2020 que proibia sessões de treinamento para funcionários federais com base na teoria racial crítica.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas