Coalizão Global de Legisladores denuncia o PCC por 22 anos de perseguição ao Falun Dafa

Em sua declaração, o IPAC pede que atenção mundial seja dada às centenas de milhares de praticantes do Falun Dafa detidos e assediados ou torturados na China desde que o PCC começou sua perseguição brutal em 20 de julho de 1999

Por Mimi Nguyen Ly

Um grupo internacional de legisladores emitiu uma declaração denunciando as atrocidades dos direitos humanos do Partido Comunista Chinês (PCC) na véspera do 22º ano da perseguição ao Falun Dafa na China, uma prática espiritual também conhecida como Falun Gong.

“Vinte e dois anos atrás, o Partido Comunista Chinês começou uma campanha de perseguição contra os praticantes do Falun Gong”, declarou a Aliança Interparlamentar na China (IPAC) em 19 de julho. “Aproveitamos este aniversário solene para lembrar todas as minorias étnicas e religiosas perseguidas pelo governo chinês, incluindo budistas tibetanos, cristãos e uigures e outros grupos turcos predominantemente muçulmanos”.

O IPAC é uma coalizão de legisladores focada em reformar os critérios que os países democráticos adotam para enfrentar a crescente influência global não liberal do PCC. A coalizão foi estabelecida em junho de 2020 e é composta por mais de 100 políticos de 20 nações .

O Falun Dafa é uma prática de auto-cultivo que foi apresentada ao público pela primeira vez na China por seu fundador, Li Hongzhi, em 1992. A prática inclui ensinamentos baseados nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância, bem como cinco exercícios suaves de meditação. Hoje, milhões de pessoas praticam Falun Gong em mais de 110 países.

Em sua declaração, o IPAC pede que atenção mundial seja dada às centenas de milhares de praticantes do Falun Dafa detidos e assediados ou torturados na China desde que o PCC começou sua perseguição brutal em 20 de julho de 1999.

A perseguição foi instigada pelo ex-líder do PCC Jiang Zemin, que ordenou a proibição e erradicação do Falun Dafa e também ordenou a criação do Escritório “610”, com a função exclusiva de persegui-los e erradicá-los. A agência, fora da lei, foi criada em 10 de junho de 1999, com autoridade para anular a polícia e os tribunais na China.

Pesquisadores dos Estados Unidos pediram aos líderes que reconheçam a perseguição do PCC ao Falun Dafa como genocídio.

“Genocídio é a destruição de parte de uma comunidade religiosa, por exemplo, com a intenção de erradicá-la, e não acho que haja qualquer dúvida de que o que aconteceu ao Falun Gong nas últimas décadas atende a esse critério”, disse Nina Shea, membro sênior e diretor do Centro para Liberdade Religiosa no Instituto Hudson, em um comício em Washington em 16 de julho.

Muitos dos praticantes do Falun Dafa presos são “submetidos às formas mais severas de tortura” para forçá-los a renunciar à sua fé, afirmou o IPAC.

“São particularmente preocupantes os relatos de extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong e prisioneiros de consciência na China”, acrescentou o grupo, observando que a análise de um tribunal popular independente, conhecido como Tribunal da China, concluiu que as mortes de praticantes para obter seus os órgãos vitais “eram realizados de maneira generalizada, patrocinada pelo Estado e sistemática”.

Embora os praticantes do Falun Dafa fossem a “fonte primária” dos órgãos, o tribunal observou em seu relatório publicado em março de 2020 que outros grupos minoritários, incluindo os uigures, também são alvos prováveis ​​desses crimes horríveis.

“Mais uma vez, pedimos aos nossos governos que se levantem e falem pelo fim desta repressão”, declarou o IPAC. “Os Estados democráticos devem tomar medidas para impedir o comércio e o uso de órgãos extraídos à força em todo o mundo. O governo chinês deve ser responsabilizado para que os direitos humanos de todos os povos da China sejam defendidos”.

De acordo com o Minghui.org, um site com sede nos EUA que está rastreando a perseguição ao Falun Dafa na China, há atualmente 4.641 mortes de praticantes devido à perseguição do PCC nos últimos 22 anos. O site observa que acredita-se que o número real de mortes seja muito maior “mas devido à censura estrita na China, muitos casos não são relatados ou requerem investigação adicional”.

Siga Mimi no Twitter: @MimiNguyenLy

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas