CNN, NBC pagaram ativista da Antifa por imagens da invasão do capitólio

Por Zachary Stieber

Três agências de notícias pagaram a um homem que se identificou como ativista da Antifa o qual foi acusado de supostamente cometer crimes durante a invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro por um vídeo que capturou durante a confusão.

CNN, NBC e a Australian Broadcasting Corp. (ABC) pagaram a John Earle Sullivan centenas de dólares para usar videoclipes que ele filmou dentro do prédio, de acordo com um novo processo judicial.

A CNN pagou US$ 35.000, a NBC pagou US$ 35.000 e a ABC pagou US$ 2.375, de acordo com faturas que foram protocoladas no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Columbia.

Sullivan, 26, foi preso e acusado no mês passado por vários crimes em 6 de janeiro, incluindo entrada violenta, desordem civil e conduta desordeira.

CNN, NBC e ABC não responderam aos pedidos de comentários do Epoch Times.

Imagens de vídeo, algumas das quais foram filmadas por Sullivan, mostraram um homem de Utah entrando ilegalmente no edifício do Capitólio e incitando outros a entrarem e a queimarem a estrutura. A CNN também recebeu Sullivan para uma entrevista no ar mais tarde em 6 de janeiro, junto com Jade Sacker, uma freelancer que teve trabalhos publicados em vários meios de comunicação.

Sullivan disse ao Epoch Times que é apolítico, mas disse a outros meios de comunicação que ele é Antifa ou antifascista. A Antifa é uma rede anarco-comunista de extrema esquerda que se envolveu na violência em todo o país nos últimos anos. Sullivan também está ligado ao movimento Black Lives Matter, embora tenha sido rejeitado pelo líder do Black Lives Matter de Utah.

Sullivan foi libertado condicionalmente logo após ser acusado e permanece em liberdade, apesar de violar as condições de sua libertação. Um juiz federal em 16 de fevereiro se recusou a bloquear seu uso do Twitter e do Facebook, mas disse que ele deve parar de trabalhar para a Insurgence USA, uma organização que ele fundou para ajudar a defender o empoderamento e a elevação de “vozes negras e indígenas”.

O juiz Robin Meriweather, nomeado por Obama, também decretou que o monitoramento 24 horas de Sullivan fosse interrompido, informou o Politico, mas disse que seu uso da internet será verificado por oficiais de liberdade condicional. Sullivan não pode usar plataformas de mídia social para incitar distúrbios ou protestos violentos e está sendo forçado a permanecer em casa enquanto o caso avança.

O advogado de Sullivan argumentou em um memorando que as tentativas do governo de “limitar a capacidade do réu de se comunicar, na forma como a vasta maioria dos americanos se comunica,  é opressiva, ampla e inconstitucional [sic]”.

“O pedido totalmente exagerado do governo iria efetivamente proibi-lo [sic] de se comunicar com amigos, interagir com sua família, escrever seus pensamentos, ficar por dentro das notícias, verificar o tempo, ler o esboço de um jornal ou qualquer um dos típicos razões pelas quais a grande maioria da [população] usa essas plataformas de mídia social ”, escreveu o advogado.

Sullivan já foi proibido de usar o Twitter e o Facebook, juntamente com outros 11 sites, por um juiz em Utah em um caso separado. Sullivan foi preso no ano passado por supostos distúrbios e outros crimes no estado. Sua conta principal no Twitter foi suspensa; uma pesquisa no Facebook não revelou um perfil. Ele alegou ter atuado como jornalista em defesa do que fez em Washington, mas as autoridades dizem que foi uma fachada.

“Sob o pretexto de jornalismo … ele está envolvido e incitou atividades violentas, incluindo o tipo de sociedade destrutiva que vimos em 6 de janeiro”, disse a promotora Candice Wong ao tribunal.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas