Círculo criminoso na China fabricava vacinas COVID-19 falsificadas, algumas enviadas para países estrangeiros

Escândalos relacionados a vacinas são comuns na China.

Por Frank Yue

Autoridades chinesas anunciaram recentemente uma repressão às redes criminosas envolvidas na fabricação de vacinas COVID-19 falsas e revelaram que alguns dos produtos foram distribuídos para outros países.

Os suspeitos presos foram acusados ​​de obter lucros ilícitos que totalizam cerca de 18 milhões de yuans (cerca de US$ 2,78 milhões).

Em 10 de fevereiro, 21 casos relacionados à vacina estavam sendo investigados em todo o país, com 70 suspeitos presos, de acordo com um relatório de 15 de fevereiro da mídia estatal chinesa Xinhua.

Nos estágios iniciais do lançamento da vacina na China, disse o relatório, os suspeitos obtiveram enormes lucros fabricando vacinas falsas, vendendo e revendendo-as a preços elevados e inoculando grupos sem autorização.

Algumas das vacinas falsas fabricadas na China foram transportadas de Tianjin para Shenzhen e depois contrabandeadas para outros países via Hong Kong. A Xinhua não especificou quais países.

Os círculos criminosos teriam comprado seringas pré-cheias ou solução salina embalada ou água mineral (quando a solução salina estava fora de estoque) em vacinas falsas. Eles então estabeleceram ilegalmente centros de inoculação de emergência.

Os suspeitos alegaram que as suas eram “vacinas genuínas COVID-19 obtidas por meio de canais internos”.

Eles colocaram anúncios nas redes sociais para atrair clientes. Eles também falsificaram certificados de funcionários, certificados de trabalho no exterior, passagens aéreas e outros documentos de apoio para parecerem distribuidores legítimos de vacinas.

Em um caso, os suspeitos conseguiram que mais de 200 pessoas recebessem cerca de 500 doses de injeções falsas, obtendo um lucro de 547.000 yuans (cerca de US$ 84.695) em dezembro de 2020.

Outros lucraram com um esquema para providenciar que os cidadãos fossem vacinados por meio de programas de vacinação de emergência em hospitais. Na época, o regime chinês permitia apenas que populações de alto risco tomassem a vacina. Os suspeitos cobraram dinheiro para que as pessoas tivessem acesso a vacinas reais.

Escândalos relacionados a vacinas são comuns na China.

Lu Jun, co-fundador da organização sem fins lucrativos Beijing Yirenping Center, disse à Radio Free Asia que, na China, organizações oficialmente aprovadas estão frequentemente envolvidas em atividades ilegais.

“Os fabricantes licenciados produziram vacinas abaixo do padrão, ou agências governamentais anti-epidêmicas cometeram irregularidades ou mesmo operações ilegais no processo de aquisição, distribuição e transporte de vacinas”, disse Lu.

Ele citou um escândalo que eclodiu em 2010, depois que uma empresa farmacêutica na província de Shanxi foi descoberta por ter produzido vacinas abaixo do padrão, causando mortes locais. De acordo com uma investigação da mídia estatal China Economic Times, a empresa conspirou com o governo de Shanxi para distribuir as vacinas em toda a província.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas