Cinismo Made in China: companhia proprietária do TikTok acusa Facebook de plágio

Por EFE

Pequim, 3 ago – A ByteDance, companhia chinesa que criou o aplicativo TikTok, divulgou nesta segunda-feira estar sofrendo com plágios e difamação e acusou a americana Facebook, em momento que o governo dos Estados Unidos estuda proibir a ferramenta de publicação de vídeos curtos no país.

A administração liderada pelo presidente Donald Trump acusa a rede social, que tem mais de 2 bilhões de downloads no planeta, por provocar problemas de segurança para os usuários e de vínculos com o Partido Comunista que governa o país asiático.

Trump anunciou na última sexta-feira a intenção de proibir o TikTok nos EUA, repetindo o que já fez a Índia. Pouco depois, foi revelado que a Microsoft está negociando assumir a operação do ‘app’ no país e também no Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

Hoje, em comunicado citado pelo jornal oficial chinês “Global Times”, a ByteDance afirma estar sofrendo “dificuldades complexas e inimagináveis”, na tentativa de internacionalização, por causa da tensão política internacional e de choques culturais.

A companhia, no entanto, garante estar comprometida com a expansão em todo o planeta, por isso, seguirá aumentando o investimento em mercados globais e irá à justiça para defender os próprios interesses, já que afirma cumprir rigorosamente com as leis dos países em que opera.

Segundo a ByteDance, o TikTok, versão internacional do aplicativo Douyin, o novo formato lançado pelo Facebook, para o Instagram, chamado “Reels”, é uma cópia do serviço que oferecem, o que pode ser alvo de ação judicial.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas