Cientistas descobrem fósseis do dia da extinção dos dinossauros

Por Michael Wing

Vários de fósseis descobertos sob a paisagem rochosa da Dakota do Norte, podem lançar luz sobre o que aconteceu no dia em que um asteroide atingiu nosso planeta, destruindo os dinossauros e quase toda a vida. O evento de extinção em massa também resultou no que é conhecido como a Cratera Chicxulub, localizada no lado sul do Golfo do México.

O evento é citado como o evento mais cataclísmico que já ocorreu no planeta Terra.

Uma combinação heterogênea de fósseis na terra e no mar foi encontrada agrupada em um único local perto de Tanis. A equipe de cientistas da Universidade do Kansas, que escavou o local, incluía Robert DePalma, um estudante de doutorado em geologia que trabalha no Museu de História Natural. DePalma acredita que enormes ondas estacionárias, chamadas de seiches, transportavam vários organismos para o interior e os depositavam. Isso não foi causado por um tsunami, acredita DePalma; em vez disso, foi o resultado de ondas sísmicas do mar e ocorreu apenas alguns minutos após o impacto do asteroide.

“Massa entrelaçada de peixes articulados do depósito de inundação da Tanis” (Cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)
“Um peixe de 65 milhões de anos, parcialmente exposto e perfeitamente preservado, do depósito de Tanis” (Cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)

“Um tsunami teria levado pelo menos 17 ou mais horas para chegar ao local da cratera, mas as ondas sísmicas – e um surto subsequente – teriam atingido em dezenas de minutos”, disse DePalma.

Acredita-se que as ondas sísmicas que se irradiaram para fora da zona de impacto causaram paredes de água de 10 metros de altura que transportaram uma confusão de vida aquática e terrestre para o interior. Embora várias espécies de peixes tenham sido encontradas, incluindo algumas espécies novas, não havia fósseis de dinossauros no local em Tanis.

“Uma massa emaranhada de peixes de água doce, vertebrados terrestres, árvores, galhos, troncos, amonites marinhos e outras criaturas marinhas foi toda acumulada nessa camada pelo surto direcionado para o interior”, escreveu Robert DePalma em um relatório para a revista Proceedings of National Academy of Sciences, divulgado segunda-feira. “O tempo de entrada das ejetas esféricas coincidiu com os tempos de chegada calculados das ondas sísmicas do impacto, sugerindo que o impacto poderia muito bem ter desencadeado o surto”.

“Robert DePalma aponta para a camada de impacto do limite de KT” (Cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)

Os espécimes estão notavelmente conservados, sugerindo que a catástrofe pode ter eliminado quase toda a vida naquele tempo. Apesar de um enterro superficial, o monte fóssil parece ter permanecido praticamente intacto, à medida que caía.

“A sedimentação aconteceu tão rapidamente que tudo foi preservado em três dimensões”, disse David Burnham, co-autor do relatório, “eles não foram esmagados … Temos um peixe que bateu em uma árvore e foi quebrado ao meio.”

Isso sugere que uma chuva de rochas e cinzas varreu os detritos que foram lançados da explosão e levados para o interior pelas ondas.

Encontrado nas brânquias de mais da metade dos peixes que se alimentam de suspensão em todos os fósseis, de acordo com o relatório, havia minúsculas “gotículas” de vidro, que se acredita serem uma assinatura de grandes impactos de asteroides. Os fósseis também foram cobertos em materiais com altas concentrações do metal irídio, que é reconhecido pelos geólogos como indicativo do evento de extinção em massa de forma generalizada em todo o mundo.

Chicxulub impact ejecta….inside and outEven though they're reeeally tiny, ejecta spherules from the KPg (=KT) impact…

Posted by Robert DePalma on Wednesday, January 4, 2017

“Microkrystites condensados a partir do material vaporizado ejetado pelo impacto” (Foto cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)

“O tempo das ejetadas esferas correspondentes coincidiu com os tempos de chegada calculados das ondas sísmicas do impacto, sugerindo que o impacto poderia muito bem ter desencadeado o surto”, disse DePalma, dando credibilidade à teoria das extinções em massa com três décadas de idade. A ideia de que um asteroide acabou com os dinossauros há quase 66 milhões de anos, precisamente entre os períodos Cretáceo e Paleogeno, suplantou as crenças anteriores de que as erupções vulcânicas causaram sua extinção e é amplamente mantida entre os paleontólogos até hoje.

DePalma e seus colegas acreditam que o local de depósito de Tanis, pode esclarecer mais sobre esse evento de extinção em massa do que qualquer outra descoberta até o momento.

Robert DePalma na localidade de Tanis, Dakota do Norte (Cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)
Jan Smit (Esq.), assistente de campo Kylie Ruble (Centro) e Robert DePalma (Dir.) no site de pesquisa Tanis (Foto cortesia de Robert DePalma / University of Kansas)
 
Matérias Relacionadas