Cientistas de Hong Kong desenvolvem tecnologia para detectar COVID-19 e outros vírus, mas negam financiamento

O sistema pode ser operado por enfermeiros da clínica ou assistentes de laboratório, pois o operador só precisa colocar a amostra de um paciente no dispositivo para realizar o teste

Por Angela Bright

A Universidade Politécnica de Hong Kong (PolyU) anunciou em 11 de fevereiro que desenvolveu um sistema multi-diagnóstico rápido e totalmente automatizado que pode detectar de 30 a 40 patógenos envolvidos em infecções respiratórias em uma hora, incluindo o novo coronavírus COVID-19.

De acordo com um comunicado de imprensa da PolyU, a tecnologia consiste em uma máquina totalmente automatizada com um painel de triagem completa multiplex para o teste genético no ponto de atendimento (POCT) de doenças infecciosas respiratórias. O sistema pode testar 30 a 40 tipos de patógenos em um teste dentro de uma hora, incluindo vírus da influenza sazonal (como influenza H1, H2 e H3 A), gripe aviária (H5 e H7 e H9), vírus sincicial respiratório, respiração respiratória aguda grave (SARS, SARS-CoV), coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) e COVID-19.

O sistema pode ser operado por enfermeiros da clínica ou assistentes de laboratório, pois o operador só precisa colocar a amostra de um paciente no dispositivo para realizar o teste.

A PolyU colaborou com a Universidade de Hong Kong (HKU) em 2015 para estabelecer um fundo de pesquisa de vírus respiratórios dedicado à pesquisa e desenvolvimento de várias tecnologias inovadoras.

A equipe de pesquisa foi liderada pelo professor Terence Lau Lok-Ting, diretor de inovação e desenvolvimento de tecnologia da PolyU. Ele disse que o custo de cada teste é de cerca de 200 a 300 dólares de Hong Kong (US$ 25,70 a US$ 38,62), uma despesa que o público em geral poderia arcar.

O professor Yuen Kwok-yung, presidente de doenças infecciosas da HKU, desempenhou um papel importante no apoio à equipe de pesquisa. Ele disse que a versatilidade e a capacidade de detecção do sistema “fornecerão um monitoramento abrangente durante surtos de doenças ou vigilância de rotina. Isso se tornará uma tecnologia crucial para garantir o controle efetivo de doenças infecciosas, diagnóstico médico e tratamento”, segundo o relatório.

A equipe de pesquisa recebeu apoio da Avalon Biomedical Management, uma empresa local de biotecnologia, segundo o relatório. “Estamos honrados em poder participar deste projeto e estamos muito satisfeitos em ver esse importante marco na colaboração entre o professor Lau e o professor Yuen. Acreditamos que esse sistema avançado de diagnóstico de ponto de atendimento pode revolucionar o atual paradigma de diagnóstico e fornecer uma ferramenta poderosa para combater doenças infecciosas”, disse o Dr. Manson Fok, presidente do conselho da empresa e diretor do hospital universitário na Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau.

Segundo o relatório, o projeto solicitou financiamento da Comissão de Inovação e Tecnologia (ITC) do governo de Hong Kong, mas não recebeu apoio, disse Fok. Ele expressou esperança de que as autoridades prestem mais atenção a importantes realizações científicas, especialmente dos “principais cientistas” da cidade.

O comunicado de imprensa não mencionou por que o projeto teve seu financiamento negado.

 
Matérias Relacionadas