Cientista estoniano é condenado por espionar para a China

Por Eva Fu

Um proeminente especialista da Marinha da Estônia com habilitação de alta segurança foi condenado a três anos de prisão após se confessar culpado de espionagem para Pequim.

Tarmo Kõuts, 57, foi preso em setembro do ano passado e admitiu ter feito espionagem para um estado estrangeiro, acusações que não equivalem a traição. Sua condenação na semana passada fez dele o primeiro estoniano ligado à espionagem chinesa desde que o país báltico se separou da União Soviética em 1991.

Kõuts foi recrutado pela primeira vez pela inteligência militar chinesa em 2018, de acordo com Aleksander Toots, vice-diretor da agência de contra-espionagem da Estônia , o Serviço de Segurança Interna.

Kõuts foi motivado por “fraquezas humanas tradicionais” como dinheiro, disse Toots à Delfi , um importante meio de comunicação da Estônia.

Os promotores confirmaram que Kõuts lucrou 17.000 euros (cerca de US$ 20.296) com a conspiração, que foi confiscada dele. Uma mulher que supostamente atuou como cúmplice foi presa no mesmo dia que Kõuts e ainda não foi julgada.

Kõuts tem uma habilitação de segurança de alto nível como parte do Centro de Pesquisa Marítima da OTAN do país. Ele também foi membro do conselho científico do Ministério da Defesa da Estônia entre 2006 e 2012, e pesquisador sênior na única universidade técnica da Estônia, a Universidade de Tecnologia de Tallinn. Ele havia trabalhado em projetos focados no Ártico, uma das questões que, junto com o clima e o comércio, tem atraído especial interesse do regime chinês, conforme relatado pela contra-espionagem estoniana em um recente relatório anual.

Em 2016, um projeto com foco no Ártico ao qual Kõuts aderiu recebeu mais de cinco milhões de euros (cerca de US$ 6 milhões) da União Europeia, de acordo com Delfi.

Seu conhecimento e acesso a informações confidenciais estavam entre as razões pelas quais os promotores decidiram agir logo e encerrar suas atividades, disse Toots.

Toots se recusou a revelar quais informações Kõuts forneceu aos chineses, mas confirmou que Kõuts não comprometeu nenhum segredo de Estado.

Ele observou que uma tática comum dos serviços de inteligência chineses para capturar alvos é enchê-los de luxos e presentes.

Eles abordaram Kõuts sob a fachada de um grupo de especialistas, disse Toots. Ele recebeu renda em dinheiro e foram pagas viagens para a Ásia, que incluem estadias em hotéis de luxo e jantares em restaurantes com estrelas Michelin, de acordo com o Daily Beast.

Harrys Puusepp, chefe do escritório do Serviço de Segurança Interna, disse à emissora pública estoniana ERR que a sentença de três anos de Kõuts era parte de um acordo judicial.

“A inteligência chinesa certamente tem interesse neste campo”, disse ele, acrescentando que “também é importante deixar claro que isso não aconteceu acidentalmente”.

Ele disse que sua agência tem soado os alarmes sobre esses riscos de espionagem, mas “esta é a primeira vez que este alerta foi confirmado por uma decisão judicial”.

A universidade suspendeu os contratos com Kõuts, conforme mostram os registros do site da escola.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas