Cientista é acusado de roubar segredos do projeto DARPA Laser para beneficiar China

Informações e tecnologias produzidas pelo projeto eram segredos comerciais pertencentes à Corning e restritos à exportação de acordo com as leis dos EUA

Por Rita Li

Um ex-cientista da Corning Inc. foi acusado de conexão com um suposto esquema para roubar tecnologia de um projeto financiado pelo governo em que estava trabalhando e transferi-la para a China.

Wang Ji, 59, foi indiciado no final do mês passado por um grande júri federal em Rochester, Nova Iorque, sob a acusação de espionagem econômica, roubo de segredos comerciais e exportações ilegais.

De acordo com a acusação recentemente não selada, Wang, que trabalhou para a empresa de 1998 a 2019, foi designado como o cientista principal para trabalhar em um projeto iniciado e parcialmente financiado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA). A DARPA injetou US$ 16 milhões no empreendimento.

O objetivo do projeto era desenvolver fibras ópticas de laser de alta potência que pudessem ser usadas para derrotar drones hostis. Wang e sua equipe tiveram sucesso, aumentando a potência dos lasers de fibra em 1.000 vezes, de acordo com o documento do tribunal.

As informações e tecnologias produzidas pelo projeto eram segredos comerciais pertencentes à Corning e restritos à exportação de acordo com as leis dos EUA, disse o governo.

Os promotores alegam que em julho de 2016, Wang, sem permissão, baixou os arquivos do projeto DARPA, incluindo informações sobre a fabricação das fibras de laser, em sua unidade pessoal. De acordo com a acusação, Wang roubou a informação para servir de referência a um negócio de fibra de laser que pretendia abrir na China, denominado QuantumWave.

Os dois também expressaram interesse em abrir um laboratório de fibra óptica na cidade como parte de um programa de recrutamento patrocinado pelo estado, de acordo com o documento. Os planos de recrutamento patrocinados pelo Estado chinês foram criticados por funcionários dos EUA, que dizem que facilitam a transferência de tecnologia e know-how dos EUA para a China.

De acordo com a acusação, Wang e seu parceiro certa vez expressaram aos colegas chineses que a tecnologia que eles buscavam trazer era “estritamente controlada” pelos Estados Unidos.

Os promotores também alegam que Wang carregou dados do projeto DARPA controlados para exportação em seu laptop em pelo menos duas viagens à China em 2017.

As negociações com as entidades chinesas acabaram fracassando, então, em 2018, Wang e seu parceiro abordaram um investidor norte-americano em busca de cerca de US$ 15 milhões em financiamento para lançar o QuantumWave nos Estados Unidos, de acordo com a acusação. A proposta era fabricar a mesma fibra laser desenvolvida pelo projeto DARPA.

Se condenado, Wang pode pegar uma pena máxima de 20 anos de prisão e uma multa de até US$ 5 milhões.

O advogado de Wang e o gabinete do procurador-geral dos Estados Unidos para o Distrito Ocidental de Nova Iorque não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Este caso é o mais recente em uma série de processos federais focados no roubo de propriedade intelectual dos EUA em benefício da China.

Em abril, o ex-funcionário da Coca-Cola You Xiaorong foi condenado por roubar segredos comerciais relacionados ao revestimento de embalagens de bebidas de empresas americanas. Em seguida,  planejou usar a tecnologia para fabricar o revestimento para o mercado global.

Em junho de 2020, o professor chinês Zhang Hao foi considerado culpado de espionagem econômica e roubo de tecnologia sem fio de empresas americanas para o benefício do regime chinês. A tecnologia em questão filtra sinais indesejados em dispositivos sem fio, como telefones celulares e tablets, e tem aplicações tanto para o consumidor quanto para militares.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas